1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Maus (Art Spiegelman)

Tópico em 'Quadrinhos' iniciado por Metz, 27 Jun 2005.

  1. Metz

    Metz ...

    Esse mês foi relançado pela Companhia das Letras, Maus: a História de um Sobrevivente.

    "Maus ("rato", em alemão) é a história de Vladek Spiegelman, judeu-polonês que sobreviveu ao campo de concentração de Auschwitz, narrada por ele próprio ao filho Art. O livro é considerado um clássico contemporâneo das histórias em quadrinhos. Foi publicado em duas partes, a primeira em 1986 e a segunda em 1991. No ano seguinte, Maus ganhou o prestigioso Prêmio Pulitzer de literatura. A obra é um sucesso estrondoso de público e de crítica. Desde que foi lançada, tem sido objeto de estudos e análises de especialistas de diversas áreas -história, literatura, artes e psicologia. Em nova tradução, o livro é agora relançado com as duas partes reunidas num só volume. Nas tiras, os judeus são desenhados como ratos e os nazistas ganham feições de gatos; poloneses não-judeus são porcos e americanos, cachorros. Esse recurso, aliado à ausência de cor dos quadrinhos, reflete o espírito do livro: trata-se de um relato incisivo e perturbador, que evidencia a brutalidade da catástrofe do Holocausto. Spiegelman, porém, evita o sentimentalismo e interrompe algumas vezes a narrativa para dar espaço a dúvidas e inquietações. É implacável com o protagonista, seu próprio pai, retratado como valoroso e destemido, mas também como sovina, racista e mesquinho. De vários pontos de vista, uma obra sem equivalente no universo dos quadrinhos e um relato histórico de valor inestimável."
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Alguém aqui já leu? O que achou? Estou apenas esperando encontrar numa livraria para comprar.
     
  2. Garth Blackwood

    Garth Blackwood Dragon Highlord

    Eu já li o primeiro volume... mas sempre deixo o segundo pra depois, e acabo não lendo...
     
  3. Cain

    Cain Usuário

    relançou? que bom.
    Pretendo comprar, faz um bom tempo que tenho vontade de ler...
     
  4. Metz

    Metz ...

    Recomendadíssimo, todo fato histórico é mais emocionante quando contado por apenas um ponto de vista, e ainda por cima pensar que tudo aquilo foi real...
    Me emocionou e passou mais informação do o que qualquer coisa que eu tinha vosto sobre o Holocausto, o segundo livro não é tão bom quanto o primeiro, mas a partes em que a história é contada de uma forma diferente do o que apenas Vladek contando, evitando assim que o livro caia na mesmice e pareça apenas um documento sobre a vida dele.
    Me fez pensar mais até sobre as velhas piadinhas sobre judeus e as suas origens.

    Spoiler
    A felicidade de Mandelbaum na hora de receber os sapatos, o barbante e a colher foi acho eu a parte mais emocionante e talvez só não é melhor do o que a do Schvartser.
     
  5. Heruost

    Heruost Banned

    Eu tive chance de folhear o livro e achei maravilhoso
     
  6. Com tanta gente babando nessa HQ, é até embaraçoso vir aqui falar mal dela.

    Não que seja um lixo, mas há problemas que quase fazem a coisa feder.

    A primeira parte é irritante. Resume-se basicamente a um aglomerado de histórias fragmentadas, nenhuma explorada a um nível interessante: a narrativa pula de uma situação composta de três quadrinhos a outra composta de quatro, tudo contado com o maior clima de conversa de botequim, que ganha uma falso ar "importante" e "fascinante" por causa do contexto histórico. Spielgelman deixa nada mais que um rastro de momentos efêmeros e superficiais. Os melhores momentos eram os que não havia narração do Vladek - o que era raro, infelizmente.

    A coisa só fica mais ou menos decente na segunda metade, que abre com uma curiosa seqüência de auto-reflexão com alguns recursos metalingüísticos. Confere maior profundadide aos personagens que, até então, eram chaaaatos. A seqüência em Auschwitz também é boa, porque, embora eu não tenha percebido muita originalidade, inevitavelmente choca com descrições do que ocorria lá dentro. E, como já disseram, pensar que aquilo foi verdadeiro é assustador.

    Mas em geral é decepcionante mesmo. =]
     
    Última edição: 29 Ago 2005
  7. Marendûr

    Marendûr Babuíno que adora Mulheres!

    Ristow,...

    Maus não tem o objetivo de ser uma obra "gostosinha de ler" ou qualquer outra besteira ultra-vendável. É apenas o relato de Spiegelman sobre os acontecimentos da guerra na perspectiva de um homem, Vladek.
    Um "rastro de momentos efêmeros e superficiais"? Tão superficiais que, na cabeça de um homem ficaram gravados por trinta anos e agora são de conhecimento do mundo todo!
    "Falso ar fascinante"? Mas se algo fascina, como é que fascina falsamente? Explique-se melhor!
    Respeito sua opinião, mas podia ter dormido sem ela!

    A coisa não precisa ser original, a coisa foi REAL!
     
  8. Jujuba!

    Jujuba! Habitante de Othrya

    Eu achei a história fantástica!

    A arte suja faz você entrar bem no clima da história, naquele ambiente terrível. É claro que esta é apenas uma das muitas histórias sobre sobreviventes do holocausto, mas o fato de Art ter feito ela com todos os detalhes dele visitando o pai e tudo é que mostra o seu diferencial
     
  9. Quickbeam

    Quickbeam Rock & Roll

    Dizem que é importante "fisgar" o leitor na primeira página e mergulhá-lo no universo que será apresentado no livro. Maus faz isso de maneira inesquecível, dando o tom e o teor da obra nas duas primeiras páginas.
    É preciso um olhar aguçado para captar naquilo que parece efêmero e superficial material para compor um retrato complexo da figura do pai, Vladek. e traçar um painel daquilo que foi a maior tragédia da segunda guerra.
     

Compartilhar