1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Marvel ganha processo contra criador do Motoqueiro Fantasma

Tópico em 'Quadrinhos' iniciado por Guilbor, 14 Fev 2012.

  1. Guilbor

    Guilbor Old Man

    Marvel ganha processo contra criador do Motoqueiro Fantasma

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Em 2007, o escritor Gary Friedrich entrou com uma ação contra a
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    reivindicando os direitos autorais do personagem Motoqueiro Fantasma, que ele criou ao lado de Mike Ploog. Depois de alguns anos, o
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , com a alegação de que Friedrich havia assinado um contrato com a "Casa das Ideias" e, portanto, não teria direitos sobre sua criação.
    Não satisfeito com o resultado, Friedrich e seu advogado
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .
    Enquanto o recurso ainda está sendo analisado, a Marvel não perdeu tempo e entrou com um processo contra o autor alegando que durante anos ele vendeu artes do personagem sem o consentimento da editora, que pediu um ressarcimento de 15 mil dólares dos lucros provenientes dessas vendas.
    E a editora ganhou.
    Acontece que essa é uma pratica muito comum no meio. Diversos desenhistas fazem sketches e desenhos de personagens e os vendem pela internet ou em convenções para os fãs. E pela primeira vez uma editora se posicionou contra a iniciativa na justiça.
    A prática sempre foi aceita, desde que não fosse algo exagerado, como artes para serem usados em merchandises, não tivessem teor ofensivo ou não trouxessem danos à propriedade intelectual da editora.
    Isso abre um precedente para o mesmo ser reivindicado a qualquer momento contra qualquer desenhista, bastando para isso a Marvel decidir usar de tal ato como uma retaliação a qualquer artista.
    Afinal, por que Friedrich não pode vender desenhos do Motoqueiro Fantasma, enquanto centenas de outros artistas fazem o mesmo sem problemas? E quais os parâmetros utilizados pela editora na hora de decidir quem pode ou não praticar tal ação?
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     
  2. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ



    Realmente é preciso deixar bem claro e regulamentado o que é ou não permitido, pois assim poderia-se evitar todo esse desgaste no judiciário. Só falta a Marvel agora se empolgar e decidir processar todo mundo inclusive até os familiares daqueles que já faleceram.
     
  3. Guilbor

    Guilbor Old Man

    Na realidade, esse processo só rolou por que o cara meteu um processo pra ganhar os direitos autorais do personagem e com isso embolsar uma fortuna.
    Como ele perdeu a Marvel se valendo dos direitos sobre o personagem retaliou processando ele por usso indevido da imagem do personagem dela e lucrando com isso.

    Agora legalmente os desenhistas não podem fazer esses desenhos e vende-los como acontece, pois eles não tem o direito sobre os personagens, contudo as grandes editoras fazem vista grossa até por que é uma forma de divulgar seus personagens.

    Quanto a novos processos eu não sei se irão rolar se não houver nenhuma ação contra as editoras.
     

Compartilhar