1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Autor da Semana Mario Puzo

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Erendis, 23 Out 2014.

  1. Erendis

    Erendis I'm a motherfucking woman

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Romancista norte-americano, mais conhecido por sua saga O Poderoso Chefão, que ficou na lista de best-seller do New York Times por 67 semanas. O trabalho teve um profundo impacto sobre a sociedade americana através de sua adaptação para o cinema, e a citação "Eu vou fazer uma oferta que ele não pode recusar" tornou-se um clichê. No entanto, Puzo sempre alegou que ele nunca havia encontrado um bandido em sua vida antes de escrever seu livro.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Mario Puzo nasceu em 15.10.1920, numa família de imigrantes em Nova York, na área conhecida como "Hell’s Kitchen". Seus pais, Antonio e Maria Le Conti Puzo, eram imigrantes analfabetos de Avellino, uma cidade nos arredores de Nápoles. Seu pai trabalhava para a Estrada de Ferro Central de Nova York. A mãe de Puzo teve quatro filhos de um casamento anterior; seu primeiro marido havia sido morto em um acidente. Em um momento ou outro Puzo e seus irmãos também trabalharam para a ferrovia. "Mas todo mundo odiava seu trabalho, exceto meu irmão mais velho que tinha um turno da noite e passou a maior parte de suas horas de trabalho dormindo em vagões de carga", lembrou Puzo.
    Quando Puzo estava no início da adolescência, seu pai abandonou a família e eles se mudaram para um conjunto habitacional no Bronx. Seu irmão Antionio foi diagnosticado com esquizofrenia e institucionalizado. A descoberta de bibliotecas públicas e do mundo da literatura levou Puzo na direção da escrita, embora sua mãe quisesse que ele se tornasse um funcionário da estrada de ferro. Depois de se formar na Commerce High School, Puzo trabalhou como atendente telefonista para a ferrovia. Durante a Segunda Guerra Mundial, ele serviu na Força Aérea dos EUA, com base na Ásia Oriental e Alemanha. Por seu serviço de combate, ele ganhou numerosas condecorações, apesar de nunca ter disparado um tiro - ele tinha deficiência visual. Depois da guerra, ele ficou na Alemanha como um relações públicas civil para a Força Aérea. Puzo, em seguida estudou na New School for Social Research, de Nova York, e na Universidade de Columbia. Durante este período, ele teve aulas de literatura e escrita criativa. Teve seu primeiro conto "The Last Christmans ', publicado na American Vanguard, em 1950. Puzo trabalhou por 20 anos como assistente administrativo em escritórios do governo em Nova York e no exterior. Em 1946 ele se casou com Erika Lina Broske, com quem se encontrou na Alemanha e teve três filhos e duas filhas. Após a morte de Erika, em 1978, sua enfermeira, Carol Gino, tornou-se companheira de Puzo.
    Aos 35 anos, Puzo publicou seu primeiro livro, Dark Arena (1955). A novela tratou da relação entre Walter Mosca, um ex-GI duro e amargo, e Hella, uma nativa alemã, sua amante. A partir de 1963, Puzo trabalhou como jornalista free lance e escritor. Ele contribuiu para revistas masculinas, entre elas Stag and Male, e publicou resenhas de livros, histórias e artigos em revistas como Redbook, Holiday, Book World, and the New York Times. Seu segundo romance, Fortunate Pilgrim (1965), foi a respeito de uma família de imigrantes italianos a partir do final dos anos 1920 e através da Segunda Guerra Mundial. Nenhum dos dois primeiros livros de Puzo obteve sucesso financeiro, embora ambos tenham recebido boas críticas.
    A quarta obra de Puzo, The Runaway Summer of David Shaw (1966), era um livro infantil. Depois de uma emergência médica com muitos gastos - um ataque de vesícula biliar - Puzo decidiu escrever um romance que também seria um sucesso comercial. Enquanto trabalhava no jornalismo, tinha ouvido histórias da máfia e começou a coletar material sobre os ramos da Cosa Nostra, da Costa Leste.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Os temas de amor, crime, laços de família, a moral do Velho Mundo - incluindo o conceito de honra individual - foram desenvolvidos em O Chefão (Godfather - 1969), novela de renome internacional de Puzo. “Sempre que o padrinho abria a boca", disse Puzo anos mais tarde,"em minha mente eu ouvia a voz da minha mãe." Com este trabalho Puzo alcançou seus objetivos financeiros, mas também disse que escreveu “abaixo de seus dons”. O personagem central, Don Corleone, é um bandido sentimental, individualista e cruel, dentro de uma bem estruturada organização criminal. Seus valores são, ao mesmo anti-sociais e as de uma pessoa burguesa: ele é um fundamentalista conservador e suas atividades ilícitas espalham a corrupção e a violência. Puzo descreve a luta de Don Corleone entre os chefes do submundo de poder, e como os valores familiares são transferidos de uma geração para a outra e como eles mudam sob pressão social. Puzo também se referiu aos eventos da vida real e pessoas. Um dos personagens tinha semelhanças com o famoso cantor Frank Sinatra, que atacou verbalmente o autor em um restaurante em 1972.
    O bestseller internacional de Puzo também foi adaptado para o cinema, pelo diretor Francis Ford Coppola, que não gostou do livro no início, porém seus filmes, “O Poderoso Chefão” e "O Poderoso Chefão II", receberam vários Oscars, incluindo melhor filme e melhor roteiro (escrito por Puzo e Coppola).

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    A produção foi repleta de dificuldades: antes do início das filmagens, o Civil Rights League ítalo-americano realizou um comício em Madison Square Garden e arrecadou US$ 600.000 para as tentativas de parar o filme. Finalmente Coppola concordou em eliminar as palavras "Mafia" e "Cosa Nostra" do roteiro. A técnica narrativa de Coppola e os flashbacks em "O Poderoso Chefão II" intrigaram os críticos. Ele cortou para trás e para a frente, entre os anos 1950 e o final de 1890 e início de 1900. O Poderoso Chefão III, não foi baseado no livro original, foi escrito pelo diretor Coppola e Puzo e estrelado por Al Pacino, Diane Keaton, Talia Shire, Andy Garcia e Eli Wallach; no entanto, apesar de bem feito, o filme de Coppola não obteve o sucesso de crítica ou comercial dos anteriores. A história se passa em 1979, Pacino é agora um Don mais velho, que quer deixar o mundo do crime para trás. Os livros de Puzo foram menos romantizados, continham mais relações sexuais e violência, em comparação com os filmes de Coppola, que traçam um paralelo com a política contemporânea: o escândalo de Watergate estava revelando, simultaneamente, o alcance da criminalidade nos mais altos níveis do governo. No filme, os funcionários públicos e cardeais do Vaticano são mostrados como negociadores tão difíceis quanto os mafiosos.
    Em meados da década de 1970, Puzo trabalhou nos roteiros de Superman 1 e 2; teve o livro Fools Die (1978) publicado, em que o protagonista é um escritor de ficção desonesto, que se considera um mago moderno e eventualmente escreve um best-seller que se torna um filme extremamente rentável. O Siciliano (1984) baseava-se na vida de Salvatore Giuliano, o chamado Robin Hood de Sicília.
    As obras posteriores de Puzo da década de 1990 incluem The Fourth K (1991), um thriller político global no espírito de Frederick Forsyth e Ken Follet. Em The Last Don (1996) Puzo voltou ao mundo dos Padrinhos: o chefe da família mafiosa mais poderosa do país, Don Domenico, decide fazer suas empresas legais, e a história segue com o plano do Don para sua futura família bem-sucedida. A filha de Clerucuzio Rose Marie se casa com um membro da família do inimigo; ela dá à luz a um filho que cresce e se torna um homem duro. Outros personagens centrais são Pippi De Lena, um assassino profissional, e seu filho, Cruz. Puzo morreu de insuficiência cardíaca em julho de 1999, em sua casa em Long Island, depois de completar seu livro final sobre o crime organizado, Omerta, este trabalho foi lançado em julho de 2000. Em seus últimos anos, Puzo passou a coletar material e escrever “The Family”, sobre os Borgias, mestres de intrigas e uma das famílias mais influentes da Itália renascentista. O livro foi concluído por sua companheira de longa data, Carol Gino.

    Obras:
    Ficção
    The Last Christmas ("O Último Natal" no Brasil, 1950)
    The Dark Arena ("A Guerra Suja" no Brasil, 1955)
    The Fortunate Pilgrim ("O Imigrante Feliz" ou "Mamma Lucia" no Brasil, 1965)
    The Runaway Summer of Davie Shaw (livro infantil, 1966)
    Six Graves to Munich (1967), como Mario Cleri
    The Godfather ("O Poderoso Chefão" no Brasil; "O Padrinho" em Portugal, 1969)
    Os Tolos Morrem Antes (1978)
    O Siciliano(1984)
    O Quarto K (1991)
    The Last Don (1996) ("O Último Chefão" no Brasil; "O Último Padrinho" em Portugal)
    Omertà (2000)
    Os Bórgias

    Não-ficção
    Test Yourself: Are You Heading for a Nervous Breakdown? como Mario Cleri (1965)
    The Godfather Papers & Other Confessions (1972)
    Inside Las Vegas (1977)

    Roteiros para o cinema
    The Godfather (1972)
    The Godfather: Part II (1974)
    Earthquake (1974)
    Superman (1978)
    Superman II (1980)
    The Godfather: Part III (1990)
    Christopher Columbus: The Discovery (1992)
    Superman II: The Richard Donner Cut (2006)
     
    Última edição: 24 Out 2014
    • Ótimo Ótimo x 8
  2. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    "Seis Túmulos para Munique" foi publicado recentemente pela Record.
     
  3. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    Ahn, o título do livro é "O Chefão", o filme que é "O Poderoso Chefão" :think:
     
  4. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Acho que quando foi relançado ficou como "O Poderoso Chefão", Bel.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  5. Erendis

    Erendis I'm a motherfucking woman

    é bem possível, o livro que eu tenho é antigo, ainda tem o nome de O Chefão, muito embora o nome em inglês não tenha nada a ver com isso né, mas provavelmente o filme não teria ficado tão famoso aqui se tivesse sido traduzido como "O Padrinho" :dente:

    Alguém já leu o livro?
    eu sei que o @Morfindel Werwulf Rúnarmo assistiu os filmes esses dias...
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  6. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    Eu li. É um dos raros casos em que o filme fica melhor :yep:
     
  7. Erendis

    Erendis I'm a motherfucking woman

    Tu achou Bel? Eu gostei tanto do livro quanto do filme, pra mim empatou...
    Ok, acabei de desempatar pq lembrei do segundo filme e do Robert de Niro novinho :amor:
     
  8. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    O filme omitiu a pior parte do livro: a viúva do Sony e sua cirurgia nas partes íntimas... :roll:
     
    • LOL LOL x 1
  9. Erendis

    Erendis I'm a motherfucking woman

    Siiiimmm!!! Aquilo foi extremamente desnecessário! Foi tipo o Tom Bombadil do livro dele [emoji12]
     
    • LOL LOL x 2
  10. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    Hein?
     
    • LOL LOL x 1
  11. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Algum motivo pra esse último post, Erendis?

    Eu li o livro há alguns anos, não lembro bem dele. Já os filmes eu assisti recentemente. Ótimos todos os 3.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  12. fcm

    fcm Visitante

    se não for o melhor, é um dos melhores filmes da história.
    O único senão é que são imensos, mas era comum naquele tempo esses filmes grandes em que ficavam filmando um pinheiro por 30 minutos sem ação alguma. :lol:
     
    • LOL LOL x 2
  13. Erendis

    Erendis I'm a motherfucking woman

    só a burrice da pessoa que postou, achei que estava editando o primeiro post, que continua com erros de português e de pontuação...

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    om nom nom cannolis! nham nham!

    Clemenza e suas gordices no filme sempre me dá vontade de comer spaghetti com almôndegas!

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    edit.: pronto, agora editei o primeiro post corretamente hahaha
     
    Última edição: 24 Out 2014
    • LOL LOL x 2
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  14. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Não seja por isso, vá ver qualquer coisa do Terence Malick ou do cinema brasileiro pré-Retomada. :lol:
     

Compartilhar