1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Mario Prata

Tópico em 'Autores Nacionais' iniciado por LatinoAmericano, 8 Abr 2008.

  1. LatinoAmericano

    LatinoAmericano Aqui jaz Alcarecco

    Pra ser sincero nunca tinha lido nada do Mario Prata, mas hoje cedo meu professor de redação levou duas crônicas dele, e eu gostei muito.

    Mario Prata tem um estilo diferente de escrever, suas crônicas contém humor e idéias bem originais.

    Aqui tem uma:

    Gestantes, Idosos e Deficientes

    Sábado, supermercado supercheio. Entro para comprar três latinhas de cerveja. Dab, alemã, sem álcool.

    Vou para a "fila de até dez", que está emperrada porque a mocinha está fechando uma temporada e, para passar para a outra mocinha, tem de dar baixa não sei em quê. Olho as filas normais. Imensas. Gente com dois carrinhos. Alfaces convivendo com milhares de papéis higiênicos. Lá no fundo, uma fila. Só um velhinho.

    E a placa, em cima: gestantes, idosos, deficientes físicos. Dou uma piscada para a mocinha, a mocinha faz um beiço de tudo bem e eu fico ali. Só que chega uma idosa. E gorda e mal-humorada. No que eu me viro para dar o lugar a ela, ela ataca:

    — Está grávida, é?

    Evidentemente que ela estava a falar comigo e eu não estava grávido. Não tinha nenhum sintoma, até então. Mas a idosa era agressiva e eu resolvi não ceder o lugar para ela. E senti uma certa solidariedade do velhinho que lutava para enxergar o dinheiro dentro da carteira. Fiquei na minha. Mas a idosa estava a fim de briga:

    — Idoso, meu senhor?

    Eu, ainda calmo:

    — Não senhora. Envelhecente.

    Ela ficou pensando na palavra, mas acho que não captou o neologismo.

    Resolvi olhar as compras dela. Bananas. Milhares, milhões de bananas. E nada mais. E a revista Capricho.

    E ela caprichou na terceira estocada:

    — Por acaso o senhor é deficiente físico?

    E olhou para as minhas pernas que estavam onde sempre estiveram, firmes. Fiz cara de triste:

    — Sou. Infelizmente sou deficiente físico.

    Ela se abalou:

    — Desculpa, eu não havia percebido. É que sempre tem uns malandros, sabe? Uns espertinhos.

    Eu fiquei quieto. Ela me cedeu a vez. Coloquei as cervejas em cima da mesa. Mas ela era curiosa:

    — De nascença?

    — É, sim senhora. Os dentes. Está vendo os meus dentes? São pra frente. Isso é uma deficiência física, não é?

    Ela quase chamou o gerente:

    — Engraçadinho...

    E eu:

    — E tem mais: meu fígado é deficiente físico. Está despedaçado. Meu pulmão, não é de hoje. Completamente deficiente. E se a senhora quiser, tenho uma unha encravada fisicamente deficiente.

    — Não estou achando a menor graça!..

    — E a vista? Está escrito na minha carteira de motorista: deficiente visual! Escuto pouco, minha senhora. Tenho essa deficiência também: auditiva.

    — Você é um idiota. Vou falar com o gerente.

    E partiu. Paguei a minha conta, estava saindo quando ela chega com o gerente. Ela já havia infernizado o rapazinho, que veio por educação, mesmo. O gerente:

    — Por favor, o que está acontecendo?

    Eu:

    — É essa senhora, seu gerente. Além de idosa, deficiente física!

    — Eu? Deficiente física?

    — Claro, ou a senhora estava na fila porque é gestante? Que eu saiba, ninguém engravida com bananas. Ainda mais verdes e duras como essas!

    Fomos todos para a delegacia. A mulher era delegada aposentada. Desacato à autoridade. Documentos. A mulher era mais jovem do que eu. Bingo! Tava era acabada mesmo! Porque, gestante, não era. Nem idosa.

    Devia ser, como eu, deficiente física. E mental.

    E o gerente, aproveitou:

    — Tem só um detalhe, minha senhora. A senhora não pagou as bananas.

    Te poupo do que ela disse para o rapazinho fazer com as bananas duras e verdes.

    O que acham?
     
  2. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    hahahahahah fenomenal!!!!! hahahahahahahahahaha

    Confesso que já havia lido algumas coisas dele, na escola mesmo... Mas tinha esquecido como era engraçado! Essa eu nunca tinha lido!

    Thanks :)
     
  3. Zuleica

    Zuleica Usuário

    Ele é um doce, adoro ele, poderíamos ir citando ele mais vezes.
     
  4. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    É ele que tem um filho que chama Antônio? :think:
     
  5. imported_Cleo

    imported_Cleo Usuário

    Hahahahaha!

    Lembrou até o LFV!

    É de uns escritores assim que o povo que detesta literatura precisa.
     
  6. Zuleica

    Zuleica Usuário

    http://www.releituras.com/marioprata_menu.asp - "Amor, vamos discutir a nossa relação?"
     
  7. LatinoAmericano

    LatinoAmericano Aqui jaz Alcarecco

    Mais um pouquinho de Mario Prata:

    Enfim, a Próstata

    Maluf colocou a boca no mundo. Ou melhor, colocou a próstata no mundo. De repente, virou moda, jornais abriram espaço e foram surgindo famosos prostáticos (existe essa palavra?). Quércia voltou ao mundo político através da sua. Mas diz que é simples. Não vai operar nem nada. Na África do Sul, um Nobel, o bispo Desmond Tutu abriu o jogo: também está com câncer lá.

    Os médicos avisam: todo homem, depois dos 50 anos, deve fazer o exame. A probabilidade do tumor é muito grande depois desta idade.

    Mas os homens de mais de 50 anos (minha geração) são machistas demais. Não adianta dar um toque para eles. Pode-se fazer um exame de sangue e aquele exame que grávida faz. Como chama? Ficam passando um negocinho na barriga da gente. Esqueci. Mas os dois exames juntos dão garantia apenas de 80 por cento. Tem que se fazer o toque, sim.

    Eu sugiro uma solução para o assunto deste começo de ano: médicas urologistas. Todos os homens iriam fazer o toque. Com mulher, tudo bem. Tem gente que iria fazer semanalmente. Gente que ia entrar duas vezes na fila, etc.

    Há uns 15 anos, tive que fazer (um toque, lá). Estava com uma pequena inflamação e o médico (meu amigo de infância, Plínio) disse que teria que fazer a massagem na minha próstata para recolher um tal pus.

    Estou lá eu, nu, de quatro, em cima da mesa e ele, com a maior naturalidade, colocando uma luva num grosso dedo (ele sempre foi meio gordinho). Eu ali aflito e ele contando (juro) a lua-de-mel (dele) na Bahia, meses atrás. Achei que não era um tema muito adequado para aquela hora, mas próstata é próstata e vamos lá. Passou uma vaselina e se aproximou.

    Mas, antes, colocou uma folha de papel debaixo do meu corpo.

    — O que é isso?

    — Caso você ejacule...

    Me sentei. Preocupado.

    — Plínio, se você enfiar o dedo aí e eu gozar, como é que eu fico? Qual é a porcentagem dos que gozam?

    — Meio a meio. Vamos, de quatro.

    — Pega leve, hein?

    Se eu tivesse gozado, não estaria agora contando esse caso.

    Tive um segundo caso com a minha próstata. Já disse aqui que passei uns dias no Spa Médico São Pedro, em Sorocaba.

    Assim que você chega, eles fazem todos os exames possíveis em você.

    No ultra-som (lembrei !!!) deu uma pequena inchação na mencionada área.

    O diretor do Spa achou melhor eu fazer um exame de toque com um urologista para ficarmos todos tranqüilos.

    — O urologista é gordo?

    — Magro.

    — Menos mal. Preciso ir ao hospital?

    — Não. Amanhã ele passa aqui. A gente te acha.

    Na manhã seguinte, estou lá eu com as minhas queridas gordinhas a fazer um cooper, quando a enfermeira vem me chamar.

    — O senhor tem médico daqui a meia hora.

    Foi o tempo suficiente para um bom banho, lavar bem as partes, colocar uma cueca novinha. Fui para o sacrifício.

    O médico me recebeu, nos apresentamos e ele me levou para o fundo do corredor e abriu uma porta. A primeira coisa que eu vi foi aquela cama de examinar mulheres, com lugares para colocar as pernas. Sabe qual?

    "Vai ser de frente. Mais constrangedor ainda".

    Pediu para eu sentar. Ele era sério. Para desanuviar um pouco o ambiente, brinquei:

    — Você é que vai me dedurar?

    — Depende.

    — (olhando para a cama) Depende do quê?

    — A não ser que você tenha algum problema mais grave, fica tudo entre a gente.

    Aquele "tudo entre a gente" eu já não gostei.

    — Você está com algum problema?

    — Bem... é que é estranho assim logo de manhã..

    — Você prefere de tarde?

    — Não, já que eu estou aqui, vamos fundo. Vamos fundo?

    — Pois então, algum problema de ordem psicológica?

    — Bem, fora aquelas brincadeiras que a gente fazia quando era garoto, né, eu nunca...

    — Como assim?

    — Doutor, vamos deixar de conversa e vamos logo ao que interessa?

    — Não estou te entendendo.

    — O senhor não é o urologista?

    — Urologista? Eu sou o psiquiatra.
     
  8. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    HUahuaa o cara é foda, ele deixa tudo mto cômico, ele faz um assunto simples virar algo hilário!

    uma das melhores frases dele: VOCÊ É ENVELHESCENTE?

    =P
     
  9. L

    L Usuário

    hehehe, é Mario Prata é ótimo!
    que bom q tem mais loucos lendo! hehehhe
     
  10. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    Ahhhh eu esqueci de comentar aqui, mas li um livro bem engraçado dele... Paris, 98! que é a história de um cara que ganha uma viagem para a Copa de 98, comprando um microondas nas Casas Bahias! Muito engraçado! Vai a sugestão! :)
     
  11. LatinoAmericano

    LatinoAmericano Aqui jaz Alcarecco

    Deve ser ótimo esse livro!

    Eu já vi umas crônicas dele relacionadas a Copa de 98, mas esse livro nunca tinha visto não...
     
  12. mandah

    mandah Usuário

    :rofl: Muito boas as crônicas dele. Essa do urologista eu já tinha lido uma versão parecida, mas ele só contava do segundo caso. Adoro esse tipo de humor.
     
  13. Thorondir

    Thorondir Usuário

    Gosto muito do Mario Prata, tenho alguns três livros dele.
     
  14. Liv

    Liv Visitante

    Nossa, não conhecia :calado:. Adorei! Já sei o que procurar hoje na biblioteca =P
     
  15. Mario Prata por muito é um dos meus Nacionais preferido. Junto com o João Ubaldo.
    O 100 cronicas de Mario Prata eu comi em 2 dias de tão bom. Você não consegue parar de ler. E não sei se ele passa uma honestidada, mas eu acreditava 100% em tudo o que ele contava.
     
  16. Lethaargic

    Lethaargic Usuário

    Já li muita coisa solta dele. Crônicas na internet, livros da escola, jornais...sempre gostei, mas só este ano consegui um livro dele: Diário de um Magro. É hilário, a leitura flui tão bem que dá até tristeza quando o livro acaba. Aproveitando, para quem quiser ler mais coisas dele,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    tá em promoção no submarino, só 15 reales!
     

Compartilhar