1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Manuel Bandeira por Mario de Andrade

Tópico em 'Literatura Brasileira' iniciado por 30PorCento, 28 Jun 2009.

  1. 30PorCento

    30PorCento Usuário

    Como disse em algum tópico por aqui há alguns dias atrás, consegui comprar um exemplar original da edição número 107 da Revista do Brasil publicada em novembro de 1924. O motivo da compra foi um artigo escrito por Mario de Andrade sobre Manuel Bandeira que, aparentemente, é difícil de ser encontrado. Por isso, resolvi fazer uma reprodução semi-fac-similar do artigo, que publiquei no Issuu para que todos tivessem acesso. Ei-lo:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     
  2. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    Obrigada, Trinta!

    Legal como a escrita do Mário de Andrade é atual apesar da linguagem da época.
    E quando ele faz, em uma nota, um crítica à forte influência lusitana nas poesias do Manuel Bandeira:

    Que o poeta escreveu: "Oito anos faz que te não via" Meu Deus! pois não é tão mais fácil dizer "que não te via".

    Me fez lembrar o poema de outro Andrade (e modernista) o Oswald:

    "Dê-me um cigarro
    Diz a gramática
    Do professor e do aluno
    E do mulato sabido
    Mas o bom negro e o bom branco
    Da Nação Brasileira
    Dizem todos os dias
    Deixa disso camarada
    Me dá um cigarro
    "

    :lol:

    No mais, ele próprio, Mário de Andrade era mesmo um poeta:

    "Vejam bem: si digo que a tisica forneceu a tinta (ao Manuel Bandeira) não pretendo que fornecesse tambem a pena. Esta, já se sabe, nos poetas sinceros, é talhada numa das plumas que arrancam das próprias asas"
     

Compartilhar