1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Livro do Papa sobre Jesus condena a violência religiosa

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 10 Mar 2011.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    O papa Bento 16, em seu livro mais recente, lançado na quinta-feira, condena a violência cometida em nome de Deus e exonera pessoalmente os judeus da responsabilidade pela morte de Jesus.

    O livro, o segundo de uma série planejada em três partes sobre a vida de Jesus, é um relato detalhado, altamente teológico e acadêmico da última semana da vida de Jesus.

    O livro já foi impresso em sete línguas, com 1,2 milhão de cópias ao todo. A publicidade internacional da obra incluiu teleconferências com a mídia em vários países.

    A obra, que tem 350 páginas e se parece mais com um texto para seminaristas que com um livro para o grande público, é repleta de citações da Bíblia e referências a outros teólogos, historiadores e autores católicos.

    Em uma seção, Bento escreve que não há justificativa possível para a violência cometida em nome de Deus --afirmação tão aplicável à militância islâmica de hoje quanto à violência que a própria Igreja Católica cometeu no passado, no esforço para difundir sua fé.

    escreve o papa.

    A parte do livro que pode ter efeito mais amplo sobre as relações dos católicos com outras religiões é o trecho em que o pontífice detalha os fatos do julgamento de Jesus Cristo perante o governador romano Pôncio Pilatos e sua condenação à morte.

    Nesse trecho, o papa repudia o conceito da culpa coletiva dos judeus da época e de seus descendentes pela morte de Jesus, acusação que assombra as relações entre cristãos e judeus há séculos.

    Bento diz que foi a "aristocracia do Templo," e não todos os judeus da época, que quis que Jesus fosse condenado à morte, porque ele se declarara rei dos judeus e porque a aristocracia considerava que ele havia violado a lei religiosa judaica.

    É a primeira vez em que um papa disseca e compara os vários relatos feitos no Novo Testamento, concluindo que não há base para a acusação contra os judeus, que foi oficialmente repudiada pela primeira vez em um documento da Igreja em 1965.

    Líderes judaicos em todo o mundo já saudaram esse trecho do livro.

    disse o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu em carta ao papa.

    O rabino Jacob Neusner, eminente estudioso americano do judaísmo e editor da "Enciclopédia do Judaísmo," disse:
    Eleito em 2005, Bento já teve problemas com as relações entre cristãos e judeus.

    Em 2009 muitos judeus e outros sentiram-se ultrajados quando ele revogou a excomunhão do bispo tradicionalista Richard Williamson, que provocou furor internacional ao negar a extensão total do Holocausto e afirmar que judeus não foram mortos nas câmaras de gás.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Poucas pessoas públicas são tão esclarecidas, inteligentes e tem um amor maior pela verdade que o Papa Bento XVI. Contrariando as ladainhas dos que o acusam de conservador retrógrado, ele tem se mostrado excelente no diálogo com a cultura e com a sociedade, e SEM relativizar a mensagem do Evangelho, sem enfraquecê-la nem deturpá-la.
     
  3. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    Mas não te admires se daqui a pouco aparecer alguém desenterrando a inquisição e blá blá blá para criticar o Papa. Eita pessoal chato do inferno...
     
  4. Edrahil

    Edrahil Usuário

    Pessoal chato e desinformado, pois fala sem conhecer também.
     
  5. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Já se sente um certo cheiro disso nessa notícia. O que não falta é quem seja incapaz de compreender que a religião é vida E doutrina, isso é cultural... mas é má vontade também, é comodismo, é 'catolicismo não-praticado'.

    Fora os eternos críticos da Igreja, a maioria simplesmente ignorante de sua história.
     

Compartilhar