1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Literatura Regionalista

Tópico em 'Literatura Brasileira' iniciado por Liv, 13 Set 2008.

  1. Liv

    Liv Well-Known Member

    Dos vários tipos de literatura brasileira, acho mais difícil de interpretação a regionalista. Modo de escrever, expressões e até mesmo questões geográficas. Vide a literatura nordestina, que simplesmente eu apanho pra entender.

    Alguém mais tem esse problema? :timido:
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Eu acho que a principal causa que nos leva a ter uma certa dificuldade no regionalismo são seus limites e aquela substância que ele retira daquele determinado local, não tendo aquele universalismo, porém por um outro lado, a gente aprende muito com a relação cultural que é passada. Eu também demoro um pouco pra assimilar, fico sempre arranjando comparativos entre o universal, com o regional! :sim:
     
  3. Anica

    Anica Usuário

    Para mim é tranqüilo. Ok que eu tinha um baita de um preconceito e achava "um saco", mas depois me dei conta que apesar do espaço ter uma função importante na obra, o todo ainda é universal. Por exemplo, eu não digo que o Dalton se enquadre como um regionalista, mas ele retrata Curitiba em suas obras: a questão é, mesmo quem não é de Curitiba se reconhece nas personagens, porque elas são acima de tudo humanas. O mesmo vale para tiozinhos tipo o Jorge Amado, Érico Veríssimo e Guimarães Rosa.
     
  4. Na Literatura Regionalista, há, realmente, muitas expressões que tornam a leitura difícil, mas, ainda assim, eu acho tranqüilo, porque, além do caráter universal sobre o qual a Anica falou, aprende-se bastante sobre outras culturas e a imensa maioria dos autores regionalistas exploram a oralidade e a espontaneidade.

    Por exemplo, "Menino de Engenho" é um romance regionalista em que há diversas expressões nordestinas, porém, a leitura é deveras fácil pela maneira simples com que o narrador apresenta seu universo ao leitor. O mesmo acontece com "O Quinze", "Capitães da Areia", entre outros.
     
  5. Ronzi

    Ronzi Oh, Crap!

    Acho que também não é só o lance de se reconhecer, mas o fato de caras como o Guimarães Rosa usarem de uma "realidade" que desonhecem ara tratar de algo bem maior não necessariamente relacionada a essa realidade. Como, IMO, em Grande Sertão: veredas, o tema do nordeste é o menos importante. O autor levanta durante todo o livro diversas questões literárias, filosóficas, religiosas, etc., através de suas personagens, mas não necessariamente para falar apenas sobre aquela realidade.
     
  6. É a famosa universalização do ambiente sertanejo. Guimarães Rosa é, sem dúvida, o melhor exemplo.
     
  7. Ronzi

    Ronzi Oh, Crap!

    Universalização? Não sei se concordo com esse termo, mesmo sendo a primeira vez que o escutei. Não acho que os regionalistas universalizassem o ambiente sertanejo, na verdade nem acho que os livros deles se tratem sobre o ambiente sertanejo ou que realmente fosse isso que quisessem alcançar (talvez a exceção de João Cabral) e sim que o ambiente sertanejo serviu como mei para tratarem de outras coisas. Não ach que "universalização" caia bem, pois universalizar é quase o mesmo de generalizar.
     
  8. Anica

    Anica Usuário

    Saiu uma reportagem sobre o que seriam os regionalistas atuais na Veja da semana passada:

    [align=justify]Minha terra tem primores
    Os escritores não gostam de ser qualificados de "regionalistas", mas a própria resistência ao termo prova que ele ainda tem algum sentido

    Os escritores contemporâneos esperneiam para não ser tachados de regionalistas. Já consagrado por romances como Dois Irmãos, o amazonense Milton Hatoum, 56 anos, que está lançando seu primeiro livro de contos, A Cidade Ilhada (Companhia das Letras; 218 páginas; 31 reais) – o título faz referência a Manaus –, recentemente declarou à Folha de S.Paulo que o conceito de regionalismo ficou datado e precisa ser revisado. Professor de literatura da Universidade da Califórnia, o pernambucano José Luiz Passos, 38 anos, que estreia na ficção com Nosso Grão Mais Fino (Objetiva/Alfagura; 168 páginas; 37,90 reais), nega que o romance seja "tipicamente nordestino" – embora a ação do livro se desenvolva na zona açucareira de seu estado natal. O pernambucano Raimundo Carrero e o cearense Ronaldo Correia de Brito também já protestaram contra o rótulo. A ideia de uma literatura regionalista, portanto, deixou de fazer sentido? Talvez não: o próprio fato de tantos autores se voltarem contra o conceito atesta que, de alguma forma, ele sobrevive. O curioso é que a classificação que hoje parece pejorativa responde pelas melhores obras da ficção brasileira do século XX – clássicos como Vidas Secas e São Bernardo, de Graciliano Ramos, e Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa.

    Talvez seja exatamente pela qualidade do regionalismo que se consolidou a partir da chamada Geração de 1930 que o termo tenha ficado tão pesado para os novos escritores. Graciliano, Jorge Amado, José Lins do Rego, Erico Verissimo estavam, afinal, desbravando o interior profundo do Brasil. Redescobriram o sertão, o pampa, o canavial, paisagens até então pouco visitadas pela literatura (ou mal visitadas, se lembrarmos O Gaúcho e O Sertanejo, exotismos extremos dentro da obra exótica de José de Alencar). Hoje, porém, certas marcas regionalistas tornaram-se convenções literárias desgastadas. Junte um coronel, alguns retirantes, um ou outro jagunço, embale tudo em uma linguagem "oral", e está pronto um romance nordestino. O regionalismo tornou-se uma variedade de beletrismo. Para piorar, o termo pode ser contestado também por sua imprecisão. Se qualquer lugar, afinal, pode ser uma "região", por que as narrativas manauaras de Milton Hatoum seriam regionais, quando os contos cariocas de Rubem Fonseca ou curitibanos de Dalton Trevisan passam por "urbanos"? Satolep, belo romance do cantor e compositor gaúcho Vitor Ramil, deixaria de ser regionalista (como já o consideraram) se tivesse lugar em Porto Alegre, e não em Pelotas? Afirmar que a boa literatura não é regional, mas "universal", não resolve a parada. "Universal"é um adjetivo ainda mais gasto e vago. Por mais relativo que o termo seja, o regionalismo ainda tem sua utilidade para designar certos valores literários. Pelo modo como descem a minudências na descrição dos dados locais e às vezes incorporam certos maneirismos de linguagem, A Cidade Ilhada e Nosso Grão mais Fino têm, sim, certo parentesco com a literatura que a Geração de 30 praticava. Isso não diz nada sobre a qualidade desses livros. O romance de Passos é poderoso, embora irregular; os contos de Hatoum são regulares na mediocridade.

    Hatoum cultiva uma crença ingênua na autenticidade telúrica da Amazônia. Nos seus contos, todo estrangeiro que visita Manaus ou a floresta em torno cai fatalmente enfeitiçado (em A Casa Ilhada, uma noite de festa com um dançarino local basta para uma inglesa abandonar o marido). As exuberâncias nativas, as profusas referências à fauna, à flora, à culinária amazônicas – nada disso disfarça a prosa pedestre do autor, incapaz de expressar qualquer matiz psicológico mais sutil. Em Um Oriental na Vastidão, por exemplo, um misterioso biólogo japonês deixa determinações póstumas para que uma colega brasileira despeje suas cinzas em um rio da Amazônia – e eis a reação banal da personagem ao tomar conhecimento do fato, no que deveria ser o clímax do conto: "Fiquei emocionada" (o leitor não poderá dizer o mesmo).

    Apesar de seu estilo, torrencial como a enchente que toma conta do Recife nas páginas finais, Nosso Grão Mais Fino não traz a mesma natureza encantada. Pelo contrário, a paisagem canavieira que serve de fundo para a história de paixão e dissolução familiar criada por Passos é assombrada pela ruína (nesse ponto, há certa afinidade com a decadente fazenda do sertão que dá título a Galileia, lançado por Ronaldo Correia de Brito no ano passado). O romance traz um dos suicídios mais espetaculares da literatura brasileira: a bordo do dirigível Zeppelin, um senhor de terras abre uma porta – e despenca para a morte. No ambiente onírico do romance, a cena aparentemente implausível torna-se impecavelmente verdadeira (por contraste, em um dos contos de Hatoum, uma mulher se joga de uma prosaica varanda em Copacabana – mas o efeito é de um histrionismo pouco convincente). Passos, porém, tem a tendência de se encantar com as próprias imagens, perdendo-se pelo excesso. Há sempre uma palavra sobrando: uma mulher não arranha as costas do amante – ela arranha "a pele que lhe recobre as costas". O leitor será capaz de adivinhar o que é a "cicatriz do canal por onde saciou a primeira fome apegada ao fôlego do simples cordão torcido e vigoroso"? É apenas uma perífrase barroca para dizer "umbigo". Estamos, como se vê, longe da prosa seca e econômica de um Graciliano. Há muitos caminhos para chegar ao sertão – ou a qualquer outra região. [/align]

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  9. Bilbo Bolseiro

    Bilbo Bolseiro Bread and butter

    Os dois livros do Mário Palmério, Chapadão do Bugre e Vila dos Confins, são osso duro nesse aspecto. É tanta expressão e nomes regionais que os livros deveriam ter um glossário no final pra gente entender o que eles estão falando, hehe.
     
    • LOL LOL x 1
  10. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Durante muito tempo tive dificuldade maior com a literatura regional sulista, em especial a gaucha mas se deveu ao fato de que pessoalmente visitei muito pouco o Sul do país e estar presente numa determinada região sempre me favoreceu mais na compreensão, pois ajuda a entender os costumes, tradições de cada povo.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  11. Molly Bloom

    Molly Bloom Usuário

    Não sei quais as obras que você leu, mas é o seguinte: eu sou gaúcha e, muitas vezes, tenho dificuldade para entender Simões Lopes Neto. Aquelas palavras "típicas" que ele usa nos textos, não fazem parte do meu vocabulário e eu tenho que pesquisar tanto quanto um paulista pra ler a obra dele. Um e outro elemento me favorece, como a arte de tomar um bom chimarrão. :dente:

    Concordo com a ideia do glossário @Bilbo Bolseiro. Inclusive, algumas edições já estão sendo pensadas dessa forma. Agora, tem coisas complicadas: por exemplo, quando o autor cria as palavras, como é o caso do Guimarães Rosa. Acho que o encanto da coisa é, também, pesquisar um pouco pra descobrir do que se trata. Dar de bandeja a resposta talvez não cause o efeito de estranhamento desejado pelo autor. Ele não fez toda aquela construção de graça.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1
  12. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Já li obras de Alcides Maya, Amaro Juvenal, mas sem dúvida João Simões Lopes Neto é o que mais me chamou mais atenção.
    Aí não bastasse a pesquisa pra entender o contexto regional, soma-se também o histórico por ter vivido em uma época bem distinta da nossa e nisso temos que observar o valor que determinadas expressões tinham em outros tempos. De qualquer maneira, mesmo dando um pouco mais de trabalho é um interessante aprendizado.
     

Compartilhar