1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Linguagem de Sinais (Luiz Schwarcz)

Tópico em 'Literatura Brasileira' iniciado por Izze., 7 Out 2010.

  1. Izze.

    Izze. What? o.O

    Planejando o livro para ser um romance, Linguagem de Sinais, de Luiz Schwarcz – mais conhecido como editor e dono da Companhia das Letras –, teve que adequar sua trama depois da recusa de seus próprios colegas editores. A solução foi transformar os capítulos em contos, e eis que seu segundo livro (sem contar o infantil) é lançado agora pela sua editora. Mas seu livro não parece ser uma antologia. Ele fica em um meio termo entre conto e romance, onde personagens se repetem e vivem histórias em certa ordem cronológica.

    O “protagonista” do livro é Lajos, um homem que constantemente relembra momentos específicos de sua vida. No conto que abre o livro, Antônia, ele está no aeroporto preparando-se para viajar a Portugal. Enquanto, no avião, presencia a confusão armada por um idoso com Alzheimer, ele lembra dos seus apelidos de infância e sua ex-mulher, quem dá o título ao conto. Ela dá palestras para surdos e suas famílias e, fascinada pela linguagem de sinais, admira Beethoven e Goya, dois grandes nomes cujos problemas auditivos não minimizaram seus talentos.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. raqtoledo

    raqtoledo Usuário

    Eu li o livro recentemente e curti bastante, principalmente a estrutura.
    É um livro simples, mas bem estudado, tanto os conhecimentos sobre surdez, bem como o entrelaçar MAIS OU MENOS dos contos.
    Esse entrelaçar é sutil, não é como no filme Magnólia, em que as personagens se cruzam. Aqui, é quase como se só houvesse alguma coincidência, uma música, o judaísmo, o pai, o casamento, a audição (ou sua falta).

    Enfim, gostei. Não vai mudar a literatura, mas é uma delícia de leitura, rápida e delicada.
     

Compartilhar