1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Let the right one in - John Ajvide Lindqvist

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Skywalker, 20 Abr 2009.

  1. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    O filme quase todo mundo já viu, mas o livro pouca gente conhece. A qualidade da história do filme já foi discutida
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , então nem vou me prender muito a sinopses, resumos, etc.

    Eu já tinha gostado muito do filme, da forma como ele utiliza a figura do vampiro, como um predador, um lance mais animalesco, diferente dos emos blasé e lordes afetados que nos acostumamos a ver, mas o livro consegue ser ainda superior.

    A história base do livro é a mesma do filme, com algumas coisas foda a mais. É interessante que o John dá atenção a detalhes que são bastante interessantes, como um ataque da Eli, onde ele descreve que a vampira enrola as pernas na cintura da vítima e fica batendo com o calcanhar na barriga dela, pra que não consiga puxar o ar pra gritar e que acabe desmaiando por falta de oxigênio.

    O livro expande algumas coisas do filme, como por exemplo:

    Naquela cena que aparece a Eli nua, que aparece aquela coisa estranha onde deveria estar o sexo dela, que fica naquela "o que era aquilo?" "tu entendeu o que ela tinha ali?". Pois é, no livro explica. Eli é um apelido para Elias. Sim, "ela" na verdade é "ele", e aquela coisa é a cicatriz que ficou depois dele ter sido castrado. Inclusive, depois disso, o autor passa a se referir a Eli usando sempre pronomes masculinos, enquanto antes só usava femininos.

    O livro é super violento, o John não te poupa de descrições bem detalhadas dos ataques violentos da Eli e do Hakan (o carniçal dela no filme).

    Aliás, a personalidade do Hakan é bem desenvolvida no livro, ele é um pedófilo que, quando realiza um trabalho bem feito pra Eli, ela deixa ele dormir com ela, ficar tocando ela enquanto se masturba. O elemento sexual do filme é bem hard, o Oskar comenta sobre o que ele e uns amigos obrigavam o coleguinha gay a fazer,

    o Hakan, diferente do que acontece no filme, não morre no hospital, ele vira vampiro e tenta currar o Eli, além de se masturbar enquanto admira os garotinhos tomando banho de piscina.

    Em alguns momentos a violência (sexual inclusive) chega a ser meio over, como na hora em que

    acontece o flashback da castração do Eli, com um cara que parece ser um vampiro mandando o servo dele castrá-lo e depois pratica sexo oral com o membro decepado enquanto bebe o sangue dele.

    Mas o incrível é que, mesmo com tudo isso, o livro consegue passar o delicado caso de amor entre Oskar e Eli com ainda mais sensibilidade do que no filme.

    No fim das contas é um baita livro, entrou pro meu top 3 de vampiros, junto com Salem's Lot e I am Legend.
     
  2. Devotchka

    Devotchka Usuário

    Estou ansiosíssima pra ler o livro, mais ainda depois dos seus comentários. Achei a história do filme belíssima, apesar de perturbadora, e com o que li aqui... o livro promete. Já achei-o com um bom preço, só estou esperando ter dinheiro pra comprar e me aventurar no inglês. Depois posto minhas impressões.
     
  3. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    nuss, eu não tinha comentado sobre o livro aqui? o_O

    eu acho que todo mundo que viu o filme tinha que ler o livro, só para começar. e quem não viu tb, hehe. não é que o filme seja ruim, adaptação e adaptação e blablabla. mas acho que é como o sky colocou: o livro é superlativo em violência, mas consegue se manter também na delicadeza. aprovadíssimo. :yep:
     

Compartilhar