1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Lembranças

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Mandark, 26 Jul 2011.

  1. Mandark

    Mandark Usuário

    Larguei a mochila no chão do banheiro. Nesse horário o instituto está vazio. Apoio as duas mãos sobre a bancada e passo alguns minutos observando a minha aparência no espelho manchado.
    Minha cabeça lateja um pouco, e fixo meu olhar numa fórmula de Cálculo Numérico rabiscada no azulejo da parede com um pincel atômico.
    Duas das lâmpadas do banheiro estão queimadas, restando apenas a iluminação no fundo e as luzes do corredor que entram pela porta encostada.
    Já passa das 22 horas, e a maioria dos alunos já foram embora.
    O ambiente está frio, sensação que é intensificada pelas minhas roupas molhadas. Posso ouvir a chuva caindo forte lá fora.
    Dou um suspiro alto, e deixo minha respiração pesada embaçar o espelho à minha frente.
    Com o dedo eu rabisco figuras desconexas sobre a área embaçada e observo gradativamente o desenho desaparecer.
    Aguardo mais alguns minutos e percebo que a chuva parece não querer dar trégua.
    Junto a mochila, e carregando-a pelas alças encharcadas, saio para o corredor completamente vazio e silencioso, a não ser pelo barulho constante de um aparelho de ar condicionado ainda ligado algumas salas adiante.
    Aproximando-me da escada, sento-me no terceiro degrau e fico olhando, pela janela no alto da escada, a chuva que continua forte lá fora.
    Encostando meu corpo na parede, fecho meus olhos e deixo o barulho ao meu redor embalar meus pensamentos, que pouco à pouco viajam para outro lugar...

    Eu calço o tênis apressadamente, e vestindo um casado de capuz, fecho o zíper até a metade e saio, apanhando as chaves sobre o balcão da cozinha. Já são mais de 3 horas, e já devo ter perdido meu ônibus. Tranco o portão e vou caminhando para a parada de ônibus enquanto coloco os fones de ouvido e ligo o celular no reprodutor de músicas.

    "I'm so happy/Cause today I've found my friends/They're in my head/I'm so ugly but that's okay..."

    Enquanto caminho, observo as pessoas passarem apressadas por mim, enquanto eu mesmo quase corro para chegar ao meu destino.
    Ao ver a parada vazia, percebo que meu temor se concretizou. Vejo o ônibus se afastar ao longe. Sento-me desanimadamente no banco de concreto próximo do senhor idoso que vende doces e balinhas num tabuleiro de madeira e deixo meu olhar solto, sem destino certo, percorrer o horizonte.
    Nesse momento percebo alguém se aproximar e tocar meu ombro:
    - Você pode me informar as horas?


    Levo um susto tão grande que quase chego a gritar. O segurança dá um sorriso debochado e retomando a postura séria, informa que vai fechar o prédio e precisa que eu saia. Levanto-me rapidamente, e meio zonzo, com a visão escurecida, me apoio na parede para não cair, até recuperar totalmente o equilíbrio.
    O homem me acompanha até a saída e fecha a porta após minha saída. Olho no relógio do celular e descubro que são 23h15. Dormi quase uma hora sentado naquela escada. A chuva continua firme e forte, e a cobertura da marquise na entrada do prédio não me cobre completamente, e em poucos segundos já estou encharcado de novo. Sem coragem, encosto na pilastra e tento da melhor forma possível me proteger do vento frio.
    Enquanto espero a chuva estiar, penso no sonho/lembrança que tive na escada. Diferente do dia de ontem, do qual mal lembro da existência, lembro daquele dia como se fosse a cena de uma filme que acabei de assistir. Ela era linda, e mal pude conter meu sorriso ao vê-la ali.
    Já faz mais de um ano, mas lembro-me daquela tarde com todos os detalhes. Tudo que eu tinha planejado para aquele dia deu errado, mas penso o que teria acontecido se eu não tivesse perdido aquele ônibus.

    Quando a chuva diminui até a intensidade de uma leve garoa, eu começo a caminhar para casa, com a mochila no ombro direito e a cabeça baixa.
    Então minhas lágrimas começam a correr, disfarçadas pela luz falha dos postes. Percebo que minhas lembranças misturaram-se com a minha fértil imaginação e desejos.
    E enquanto caminho, relembro o momento exato em que eu cheguei àquela parada de ônibus ainda em tempo de apanhar a condução... E como, pela janela eu pude ver aquela bela moça chegando, olhando-me nos olhos, aproximando-se do vendedor de doces para se informar das horas.
     

Compartilhar