1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Vikingaälva] Parole

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Vikingaälva, 7 Mar 2008.

  1. Vikingaälva

    Vikingaälva Samson came to my bed

    Deixo avisado que isto não é uma fanfic.

    Autor: Luciana M.
    Gênero: Ficção.
    Título: "Parole"

    Primeira Parte - "Manhã"

    Esses dias eu me lembrei da época que eu te mandava metáforas embrulhadas junto com a garrafa de leite; sempre às seis horas, eu acordava junto com o carteiro e com o gato que ia pegar o jornal, e as deixava ali, penduradas na sua porta.

    Foi numa manhã em que eu me lembrei disso, justo quando eu tomava o leite deixado na varanda por um senhor muito simpático. Não vi o carteiro naquela manhã; não quis pegar o jornal e nem o resto da correspondência que estava certamente me esperando, e por um motivo que desconheço, pensei que você pudesse ter tomado o lugar do carteiro e estivesse me esperando ali, na frente da minha casa, perto da caixinha de correio.

    Há um bom tempo não mando cartas, mas não que isso me faça muita falta. Aliás, eu escrevia para um amigo que faleceu há algumas semanas, e por vezes me pego lendo algumas setenças soltas, e corrigindo algumas palavras. Exclamações soltas. Não faz sentido ler cartas que você nunca mandou. Mas tenho permissão de guardar coisas que amei; o fato de que algumas sentenças falavam de você talvez ajudem-no a entender o porquê que passei uma boa parte de meu tempo lendo aquelas cartas.

    Acho que meu problema não seja a correspondência, e sim o jeans que eu estava usando. O jeans que você me deu, com quem de pé em pé eu me levanto. A sapatilha como sempre fazia tap tap, naquele dia, e eu a usava porque o sapateado não ficou menos interessante depois da sua partida. Cheguei a procurar Desyon no rádio, mas você continua a não pensar muito em música, certo? O rádio acabou fazendo tap tap também, e morreu logo depois. O rádio, por sinal, era aquele mesmo que você me deu.
     
  2. Edu

    Edu Draper Inc.

    É sempre bom ver que o CdB atrai pessoas que conseguem conjugar simplicidade e boa literatura. Seu texto é curto e não dá uma grande base para supormos se o que virá pela frente será tão bacaninha quanto essa introdução, mas vou esperar com as melhores expectativas os próximos capítulos =]
     

Compartilhar