1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Skylink] [Artigo sobre o vandalismo]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Skylink, 12 Out 2004.

  1. Skylink

    Skylink Squirrle!

    [Skylink] [Artigo sobre o vandalismo]

    O vandalismo, como toda vertente da sociedade, é apenas mais uma forma de expressão, ainda que às vezes seja tomado como afronta ou simples inconseqüência. Sua base se constitui, primordial e erroneamente, de qualquer dano ao bem alheio com o único fim de obter-se prazer. Já a definição histórica deste tipo de ação é marcada como característica dos jovens, dada sua aparente falta de noção e irrefreabilidade. Mas será mesmo que o motivo é apenas o fato de sermos jovens? Bem, vamos primeiro a um estudo da nossa atual situação:

    O referido ato se evidencia ativamente na nossa sociedade das mais diversas formas, como o espancamento de mendigos, destruição de orelhões e outros tantos casos que podemos observar ao olharmos mundo afora. E isso atualmente, considerando que estes atos são ações que acompanham a humanidade desde o seu surgimento. Mas o porque disso sempre foi um mistério, passível de muitas argumentações e dúvidas há muito já discutidas e rediscutidas. Porém, observemos algumas possíveis desculpas (ou culpas!?)...

    Ela, a desculpa, para casos extremos como o assassinato de mendigos, não tem uma justificativa totalmente clara; e na maioria das vezes não a nenhuma maior do que a péssima criação por parte do meio social. Por isso, não vamos nos ater a ela diretamente, e sim apenas observa-la como conseqüência extrema da falta de sentido das coisas, que é o grande problema da juventude atual.

    Já em casos menos graves, como a quebra de orelhões públicos ou outros tipos de vandalismo já tarimbados, há sempre um motivo ou desculpa (a não ser que os atores em questão sejam totalmente acéfalos). Ela, ou ele nesses casos, beira a insatisfação com uma sociedade caótica e extremamente enfadonha, da mesma forma que os outros causos; mas surge com uma variante que a torna diferente das demais, sintetizada sobre a forma de uma única palavra: protesto.

    Sim, protesto... Protesto, por mais absurdo ou inconveniente que possa parecer. Protesto que é levantado por motivos pessoais, é claro, mais ainda assim um protesto. Porém, nesses motivos a uma insastifação geral, que urge de uma explicitação para o resto do mundo. E ela toma a forma do vandalismo, pré-conceituado por uma sociedade hipócrita que é, muitas vezes, pior do que o próprio ato isolado em si.

    Porém isso não significa que a abrangência seja necessariamente geral. A nossa sociedade se resume também a aqueles que nos cercam e com quem convivemos, e não apenas àquilo que uma distância relativa acaba por tornar menos sensível. São os nossos pais e professores, são os nossos amigos e colegas, conhecidos ou inimigos, que surgem também como a nossa sociedade. E esta geralmente é pior do que nossos próprios atos impulsivos, seja pelo preconceito, pela falta de instrução, pela alienação, ou por quaisquer que sejam os motivos. Um exemplo clássico e bastante cultuado disso pode ser percebido no filme Laranja mecânica, onde um jovem humano totalmente "mal" nos mostra como todas as pessoas são iguais, ainda que se escondam sobre sombras de ações e palavras.

    Mas então, o que quero dizer com isso? Que o problema não se resume aos meus atos inconseqüentes, e mesmo eles são motivados por atitudes ambivalentes, dependentes apenas de determinada ótica. Porém, o bom senso, que é o que deveria predeterminar estas ações, da lugar ao sadismo, preguiça ou maldade, além de ideais que visivelmente o contrariam na maioria das vezes. Um deles, o julgamento, deve sim ser feito, mas nunca firmado sobre uma base irremovível, pois as pessoas não são lógicas fixas. Devo à falta deste conhecimento uma irritante desconsideração e perseguição por parte de uma professora de geografia... Irritante porque também sou humano, e tenho sentimentos como todos os outros, mesmo que saiba não demonstra-los quando necessário. E, além disso, é desconfortável, pois me priva de várias oportunidades...

    Enfim, isto é mais uma critica à falta de bom senso e cegueira geral, que apenas traz sofrimentos maiores a todos nós. E o vandalismo, ainda que errado, também o é da mesma forma. Cabe a nós apenas entender e julgar de maneira sensata, além de ver a vida pelos olhos dos outros durante esse ato. No mais, aprender com nossos erros e manter alguns conceitos importantes na mente. Um deles, é que o fato de sermos jovens define a experiência e tudo mais, mas não define um predomínio menor ou maior do certo ou do errado...

    (Escrito por um aluno entediado com o trabalho chato que uma professora mandou fazer; e que deixou pra última hora, como sempre...)
     
  2. §Etuerpe§

    §Etuerpe§ Usuário

    certíssimo o que vc disse

    Odeio vandalismo,ainda mais quando as vezes atingem o que mais gosto,como pichar a minha querida Cathedral da Sé.....

    parábens
     

Compartilhar