1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] Sempre levo pro meu lado...

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por M., 19 Abr 2003.

  1. M.

    M. Usuário

    Sempre levo pro meu lado...

    Tava reparando que qualquer coisa que escrevo, ou qualquer coisa que me mandam escrever, pode ser qualquer assunto, mas sempre coloco no que escrevo o que eu tô vivendo. Pode ser de uma forma inconsciente, mas coloco. E em qualquer assunto consigo enxergar alguma relação com minhas tristezas e meus problemas... E sempre mudo o tema principal, ou então coloco nele minha vida.... Acho q tô pirando, será? 8O
     
  2. Clarice Starling

    Clarice Starling Usuário

    Não, a senhorita está sã.
    É normal que aquilo que vivemos influencie de alguma forma os nossos textos, pq na maioria deles colocamos algo que tem a ver com a nossa vida ou pensamentos que gostamos.
    Só dando um exemplo:
    Se você adora história, vc vai ter facilidade e até gostará de escrever um conto de época.
    Se você é preconceituosa, você vai evitar colocar homosexualismo como uma coisa comum e legal nos seus textos.. e por aí vai.

    E tambem tem aqueles textos que refletem algo que se passa com você, por exempo a traição, a morte de um parente, etc.
    É uma forma de expressar e refletir aquilo que você sente, sem se expor(já q vc pode falar que foi ficcao).
    Essa influencia as vezes ocorre incosientemente.
     
  3. Largo Cavafundo

    Largo Cavafundo Usuário

    Nos meus textos, também tem muito do que eu vivo e/ou sinto. Na maioria das vezes, esses fatos são mais conjunturais (como diria minha professora de História, a Cláudia :grinlove: ), ou seja, são detalhes que não são determinantes no enredo ou na 'mensagem'. Só temos que preocupar quando nossa própria vida se torna estrutural nas histórias.

    Não estou dizendo que não se deve escrever assim. É até saudável. Só que temos que lembrar que um conto é diferente de uma manifestação de opinião. O autor é diferente do narrador/eu lírico. A capacidade de criar pessoas (e não só personagens) na história é desejável. A criação. Escrever o que você é é bom, mas cuidado para não deixar isto interferir com sua criatividade. :D
     
  4. Eru- o Ilúvatar

    Eru- o Ilúvatar Usuário

    Eu não sei... Escrevo poesia um pouco por rompante... Deposito no que escrevo a intensidade de um momento... Já pra textos maiores sou um pouco mais metódico... Acho que o manual do Sid Field ajuda bastante a criar roteiros... :mrgreen:
     
  5. eu sou diferente
    escrevo sempre o que espero de mim...
    sabe coisas do tipo....como vc queria ser?
    então... meus textos acabam tendo esse sentido
     

Compartilhar