1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Scarlet Rose][Ações silenciosas no mundo...]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por {Scarlet Rose}, 20 Abr 2003.

  1. {Scarlet Rose}

    {Scarlet Rose} Uiiiiiiiiiii!

    [Scarlet Rose][Ações silenciosas no mundo...]

    Não vou me explicar... leiam e pensem sobre tudo o q existe.


    Ações silenciosas no mundo... relatos silenciosos.
    Eles surgem a primeira vista, como sendo uma construção casual. Puramente casual. Mas eles são bem mais do que casual. Na verdade estão mais próximos de uma construção do tipo “complexo” do que simplesmente do tipo “aleatório”. Há na verdade, a tentativa de construção de um campo, de uma área de proliferação de sentidos. De sentidos múltiplos, para sempre dispersivos. As dispersões... as combinações in-possíveis, os desvios inauditos contidos nas coisas...
    Levar de um lugar ao outro e depositar uma coisa em um lugar. O lugar onde esta coisa ficará já não é mais o lugar – é a coisa... Metamorfose de espaço em matéria? O lugar deixa de ser puro? As coisas não são puras. O lugar para existir depende do gesto que o aponte, da linha que o delimite, de uma coisa que o preencha?
    A coisa por sua vez, necessita do lugar que a receba, que a torne necessária, que a identifique entre tantas outras coisas? Há um espaço a ser preenchido? Há um vasto espaço.
    Coisas são ocupações de espaços e gestos locam – deslocam – relocam coisas no espaço. Neste lugar, esta coisa, neste gesto?
    Lugar persegue coisa e gesto; coisa persegue gesto e lugar; gesto persegue lugar e coisa... Uns e outros, por vezes, completam-se e anulam-se?
    Há um registro de transposição de informações: um entreposto – lugar sem pergunta e respostas, ocupado pelo incerto, por manuseios, por superações.
    E a coisa, esta, no lugar que não se preencheu?
    É impossível que reste um lugar... outra coisa-lugar.
    Tudo então passa a ser horizontal. Isonômico. Isonomia seu natural silêncio.
    O corpo parece já ser construído de determinadas idéias. A transposição desse corpo não é interpretativa ou comunicativa. É o próprio exercício do organismo, que em seu deambular cria excreções: obras de arte, textualizações... Existiria interpretação para excreções? Ou seria resíduos de atritos com o mundo?
    É exatamente a eliminação das distâncias, de convívio com o promíscuo... pensamento e carne. Pensamento como sinônimo de carícia. Os espaços também morrem. Morrem de tanto se estenderem e desdobrarem-se em outros espaços. Nascem a todo tempo e morrem a todo tempo. O universo está aqui e muito longe daqui, simultaneamente. Não há onde chegar!
    O erro... todo sistema tende a reproduzir-se integralmente... mas há o “acontentamento”. O “salto quântico”. Ambos surgem como o erro. O desvio de informação dentro do sistema. Elemento que impede que ele se mantenha íntegro. As ações disformes se desviam do processo natural de auto-duplicação do sistema. Funcionam como erros do sistema. Sistema este qe procura ser aquilo que sempre foi. Trata-se de um paradoxo, pois o “erro”do sistema é natural e necessário para o próprio sistema, que precisa do desvio para renovar-se e manter-se.
    Toda ação disforme tende a ser uma ação silenciosa, pois ela inclui-se no sistema de significações de forma indireta, dissonante, de forma desacordada. Não está inteiramente dentro; tampouco inteiramente fora. É portanto complexa.
    As ações disformes, tendem a ser o rebotalho dos grandes discursos. Apontam, portanto, para os micro-discursos, para os pequenos agentes. Mas há algo de problemático e arriscado nos micro discursos. Eles tendem a ser aquilo que os oprimiram um dia. Eles anseiam por comunicação e, conseqüentemente, por poder.
    E o desejo de poder não reconhece a co-habitação da diferença. As ações disformes não são sequer um micro discurso, pois sua natureza é desviante. Elas não reivindicam um lugar. Fenecem sem ganhar estabilidade.
    Ainda falando em ações. Ações disformes são encantadoras... Os indivíduos podem tornar disformes suas ações com o passar do tempo e como interação com determinados contextos. Quando se é disforme, não há distanciamento. Não se pensa sobre a forma. Exerce-se o disforme. E ele, posto em movimento, pronto para pôr coisas no mundo e dialogar com ele. Há aqueles que passam a vida inteira tentando ser disformes... Seria o resto? Por quê o resto? Ao invés de resto ele pode ser tudo. Mas não há como narrar o tudo...!
     
  2. Vilya

    Vilya Pai curuja, marido apaixonado

    Interessante este ponto de vista: o "erro" é o que gera a evolução do sistema.

    Não concordo inteiramente, na minha opinião o "erro" garante a evolução do sistema, mas o ser inteligente é capaz de identificar o que não lhe agrada e usar de sua criatividade para modificar. O "erro" vem a garantir que mesmo que todos os capazes de promover mudanças estivessem satisfeitos (acomodados), ainda assim, o sistema continuaria a evoluir.

    Não sei bem o que são construções do tipo "complexo" e do tipo "aleatório" :o?:

    Gostei do texto, é sempre bom ler e ser motivado a pensar. :wink:
     
  3. {Scarlet Rose}

    {Scarlet Rose} Uiiiiiiiiiii!

    É.. na verdade pensei no erro como uma parte integrante dessa evolução, mas ele realmente não é indispensável no contexo, ele apenas existe. Eu estava meio bolada quando escrevi esse texto, então, muitas partes ficaram confusas, como eu estava, e eu deixei bem claro que o erro existia, estava lah... como uma barreira, que eu ultrapassei... evoluí... entende?

    Usei esses termos como figuras de expressão... fui uma vez numa mostra de arte contemporânea, e uma artista usava esses termos no trabalho dela, com fundamento e tal, e eu assimilei aquela linguagem, e coloquei no meu texto, mas com um contexto e um significado diferenciado.

    Brigadinha moço! :kiss: pensei que meu texto ia ficar pra sempre sem cometários! hahaah :wink:
     
  4. Vilya

    Vilya Pai curuja, marido apaixonado

    Sim, existem erro que nós cometemos e existem "erros" inerentes a evolução. Estes últimos independem de nós.
    É que estes termos surgiram em contextos científicos e aos poucos foram tendo seus sentidos modificados com o uso, hoje quando os ouvimos não sabemos mais em que sentido estão sendo empregados.
     

Compartilhar