1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L][Oropher][Sobre a chegada da sombra]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Oropher, 24 Jan 2008.

  1. Oropher

    Oropher Hmm... oi?

    Ok, primeira fanfic que eu escrevo na vida. Pequena e simples, mas se vocês gostarem talvez eu mande para a Lothlórien, ou mesmo me anime a escrever mais. Perdoem qualquer erro de grafia. ^^

    Autor: Germano Bortolotto (Oropher)
    Gênero: Fantasia Épica
    Título: Sobre a chegada da sombra

    Decidi escrever esse relato na esperança de que algum registro do que aconteceu sobreviva após a dominação total da sombra.

    Sempre morei neste palácio, trabalhando como mensageiro a serviço da rainha, em troca de algum pedaço de pão e um canto onde pudesse descansar. Embora fossem raros, nos momentos livres eu escapava até a torre sul, onde os antigos livros dos grandes sábios de nosso povo ainda eram guardados. O velho Rajan, que cuidava do local, me ensinou as primeiras letras. É com o pouco conhecimento que adquiri nesses encontros que tento escrever essas minhas memórias.

    Lembro-me que era um dia frio, algo não muito comum aqui no sul, que aquele cavaleiro apareceu. Estava todo vestido de negro, e mal se via seu rosto, mas seu olhar era cruel. Foi com uma voz poderosa que me mandou avisar a rainha de sua chegada e de sua requisição para uma reunião. Atravessei rapidamente os longos corredores até a sala do trono. Mal acabara de dar o recado quando o próprio cavaleiro entrou e se ajoelhou perante a rainha Idrys.

    A governante de nosso país não era uma mulher fraca. Apesar de jovem, já lidara com muitas situações difíceis e não estava disposta a permitir que um estranho se sentisse livre dentro de seu palácio. Levantou-se do trono e ordenou ao homem de negro que explicasse logo os motivos de sua vinda.

    Momentaneamente esquecido, dirigi-me à sala da criadagem, como era minha obrigação. Antes de a conversa ficar totalmente inaudível, lembro-me de ter ouvido a palavra “Mordor”. Senti um calafrio, apesar de não saber o que isso significava.

    Naquele dia não fui mais chamado pela rainha, embora tivesse sido designado a outros serviços pelo palácio. À noite, quando a maioria dos criados já havia ido dormir, aventurei-me até a torre sul e, em meio a uma animada conversa, perguntei a Rajan se sabia algo sobre Mordor. Seu rosto imediatamente assumiu um ar sério e seus olhos perderam o brilho. Pediu-me onde havia ouvido esse nome, e relatei o que se passara pela manhã.

    Após uma certa insistência de minha parte, o velho me contou sobre a terra cercada de montanhas ao norte. É dito que lá um senhor de grande poder domina muitas criaturas, governando seu território a partir de uma torre negra imensa que, dizem, é inexpugnável.

    Rajan também disse, entretanto, que é de Mordor que vêm todos os seres maléficos que perturbam as fronteiras do reino, assim como as pestes, que têm se tornado cada vez mais freqüentes. A presença daquele cavaleiro sombrio no palácio só podia significar uma coisa: os braços do Senhor do Escuro haviam finalmente alcançado o grande reino de Nyala. Tive sonhos terríveis naquela noite.

    No dia seguinte meus serviços foram requisitados logo cedo. A rainha precisava mandar mensagens urgentes ao general do Marco Leste, algo sobre a certeza de uma rápida vitória. Não foi sem surpresa que atendi àquelas ordens. A guerra na fronteira oriental havia desgastado profundamente o reino, e certamente não poderíamos agüentar por muito tempo.

    No entanto, a sabedoria do velho Rajan me advertia de que uma possível derrota nessa guerra não era tão terrível quanto o que estava por vir. Só dei atenção a essas palavras ao notar o novo anel de prata na mão da rainha Idrys.
     
  2. Feanari

    Feanari I say... fuck 'em all!

    *____________*
    Adorei Ger =D
    Continuaaaaaaaaaaaaaa
     
  3. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    Muito bom. Esse reino seria de Harad? Muito legal. Fiquei curioso pelo final.
     

Compartilhar