1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Ogden][Lívia]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Ogden, 23 Mai 2003.

  1. Ogden

    Ogden Usuário

    [Ogden][Lívia]

    Lívia


    Lívia era uma menina rica que conheci há algum tempo. Há algum tempo me apaixonei, e há algum tempo a esqueci; mas há algum tempo voltei a pensar nela, não sei exatamente o motivo, mas levanto várias hipóteses. Ora, que homem deixa de pensar, de uma hora pra outra, em uma menina tão bonita? Mas o mais estranho não é a forma com que voltei meus pensamentos pra ela, mas sim como tudo aconteceu.

    Foi de forma precipitada, fomos apresentados por uma amiga em comum, que, aliás, eu não conhecia muito bem. Começamos a nos falar, mas não pessoalmente; era estranho como eu conseguia me dar tão bem com alguém que eu nunca tinha visto; mas uma coisa não posso negar, no início valeu a pena.

    A princípio minhas intenções e pensamentos voltavam-se somente para amizade (eu não podia me arriscar com alguém que eu nunca tinha visto pessoalmente), até que ela me mandou uma foto. Aqui não vou omitir que fiquei impressionado com sua beleza. Tínhamos que nos encontrar, eu precisava certificar-me da veracidade de tamanha harmonia que compunha aquele rosto. Sendo assim, tratei logo de marcar um encontro. Não foi difícil, pois não tínhamos ocupação alguma até fevereiro (era dezembro), e ela se dispôs a me receber em sua própria casa - e marcou em um horário no qual não havia ninguém na casa fora ela e a nossa amiga em comum. Feito isso, o meu problema maior seria locomoção, pois Lívia morava do outro lado da cidade – e, acredite, essa não é uma cidade tão pequena assim -, mas, ainda assim, eu estava tão obstinado a conhece-la que a distância não foi mais nada senão um contra tempo.

    Não consegui dormir naquela noite, ansioso por chegar a tarde do dia seguinte, e é claro, sonhando acordado com a musa que eu não conhecia senão por fotos e por sua voz.
    Ah! Ia-me esquecendo! A voz de Lívia! Tenho gosto em lembrar não somente do rosto harmonioso que possuía, mas também de sua voz clara, bela e bastante feminina; mais do que a voz, eu gostava muito do modo com o qual Lívia a usava, com um sotaque mineiro, mas também alguma coisa a mais.

    E foi pela voz que a reconheci; poderia tê-la confundido com a nossa amiga em comum –que eu também não conhecia pessoalmente. Ela me esperava à porta de casa, ou melhor, portão. Conversava com Luciana ao me esperar, e, mesmo quando cheguei continuaram o assunto (que, por um estranho acaso, era eu). Fui convidado a entrar, e nós três nos dirigimos ao quarto de Lívia.
    Como não estava muito à vontade, dirigi meu olhar para as janelas; mas fui logo censurado por ambas as meninas, insistindo que eu me “soltasse”. Não demorou muito para que Lívia, deitada em sua cama, me chamasse para me deitar ao seu lado. Fomos deixados a sós.

    Meu coração batia cada vez enquanto eu observava, paralisado, aos movimentos provocantes que ela executava ali, ao me beijar; naquele momento, mais do que nunca, Lívia me pareceu bela. Seus olhos castanhos brilhavam fixos no meu olhar; sua pele, muito clara, apresentava uma palidez incomum, de certa forma tímida; seu nariz, fino, ostentava uma respiração leve, até mesmo pura; seus lábios, bem vermelhos e um tanto macios eram, naquele momento, o meu maior objetivo (um pouco mais de ousadia poderia estragar tudo); seu cabelo, castanho e liso (feito de seda, eu diria), impulsionado pela força da gravidade, fechava-se como uma cortina a ocultar nossos beijos; mas foram poucos, ao que me pareceu, pois o tempo voou. Não demorou muito e eu tive que sair, correndo o risco de ser pego por um pai ciumento.

    Cheguei em casa ao cair da noite. Me sentia ligeiramente cansado, mas estava flutuando. E tinha que escrever. Me apressei para passar para o papel alguns versos que tinha elaborado no caminho de volta pra casa, acrescentando mais alguns. Ainda aquela noite troquei algumas palavras com Lívia –não somente algumas, conversamos até altas horas -, e escrevi mais um poema. Eu não podia e não queria admitir, mas estava apaixonado (ou pensava estar, vítima de um coração doentio que me atormentava).
    No dia seguinte eu iria visitá-la novamente, e decidi levar os dois poemas com a esperança de, talvez, conquistá-la.
























    tem mais coisa, depois eu posto
    saco... to com problema com os parágrafos, que naum tao saindo... e eu optei por naum pular linha em todos eles, entao fica dificil... :tsc:

    Editando:
    esqueci de acrescentar... isso realmente aconteceu, não mudei nada, só descrevi (só não coloquei no texto algumas coisas mto pessoais que eu preferri naum expor)
     
  2. ai o texto ficou da hr...boa descriçao e tals...achei legal.....isso aconteceu mesmo?

    kralho, queria achar uma mina dessa q me chamasse pra conhecer ela dentro da sua casa sem pai nem mae......puts! 8-)
     
  3. Melkor- o inimigo da luz

    Melkor- o inimigo da luz Senhor de todas as coisas

    Comentário SdL

    Gostei bastante da história, acaba de um modo que me faz esperar ansioso pela continuação... Sinto falta de dialogos, mas acho que a ausência deles é proposital, não é?

    O mais interessante é saber que isso realmente aconteceu... Me faz ver o texto com outros olhos... Você é um cara de sorte, hein? ^^
     
  4. Ogden

    Ogden Usuário

    sim, a ausência de diálogos é proposital...

    ha, e sim, eu sou um cara de sorte!

    qm sabe eu naum poste as fotos dela aqui?
    não...

    e tipo...

    acabou naum pq eu terminei um capítulo, mas pq senão ia ficar muito grande...
    deu exatamente uma folha, são quatro...
     
  5. liteeliniel

    liteeliniel Usuário

    Dé, mtu linda a tua historia... Mas faço a mesma pergunta, aconteceu mesmo, ou foi vc q escreveu tão bem q deixou essas duvidas nas nossas mentes, hein?? :eek:

    Olha q eu vou ficar brava se souber q foi verdade e vc num me controu hihihi
     
  6. Muito boa a história, e muito legal vc não usar diálogo para dar um "toque" especial na história. Parabéns!
     
  7. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Ogden, bem bacana sua história. Sobre os parágrafos, não esquente com isso: já é discutido pela crítica as mudanças no texto de internet, e uma das mais evidentes é a ausência de parágrafos. O que se faz é justamente o que você fez: deixa uma linha em branco para marcar o novo parágrafo :wink:
     
  8. Stanzi Bessie

    Stanzi Bessie Usuário

    Muito interessante seu texto pq é intimista, aproxima o leitor da sua historia, da sua privacidade, parace que a esta contando em particular para cada um de nós.
    Sua descrição também é de uma leveza que arrebata a dos contos classicos.
    Bem longe de mim dizer que vc mentiu, mas eu digo por mim mesmo é muito dificil imaginar que isso tenha aocntecido, veja bem, naum que naum tenha, mas isso ja virou uma especie de lenda urbana.
    Parabéns pelo seu texto.
     

Compartilhar