1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Melkor, o inimigo da luz] [Pablo]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Melkor- o inimigo da luz, 27 Mai 2006.

  1. Melkor- o inimigo da luz

    Melkor- o inimigo da luz Senhor de todas as coisas

    Pablo balançava, sozinho. O sol do fim de tarde queimava frio, alongando as sombras das coisas, no parquinho. Espreguiçou-se e pulou, caindo de pé no barro que se formara à noite, durante o temporal. Bocejou, grandioso como só a criança é, e olhou as coisas em volta, curioso.

    E pensou, tranqüilo, em todo o tempo do mundo - que parecia caber inteiro naquelas horas de luz que restavam - e em tudo que se podia fazer, ali. Observou os brinquedos, um a um, e não conteve um sorriso comprido e delicioso. Coçou atrás da cabeça com uma mão enquanto apoiava a outra na cintura, pensativo.

    Foi então que percebeu uma luz que cintilava, embaixo da gangorra. Correu até lá, todo estabanado, e tirou de debaixo de um amontoado de poeira um pião de vidro. Ficou maravilhado e o colocou na palma da sua mão, sentindo-o gelado e fúnebre. Olhou para ele durante um tempo, compenetrado na pequenez do objeto e em como ele era diferente da palma da sua mão, que era branca e opaca. Deu de ombros.

    Mirou num pedaço de terra que era plano, cerrou os olhos e o atirou com delicadeza, girando. E ele girou, girou e girou muitas vezes, cada vez mais rápido. A luz foi entrando, passando pelo vidro e se refletindo para todos os lados, alucinada, branca, magnífica. Quebrou-se, a luz, e se tornou o arco-íris, que foi projetado nas coisas ao seu redor, inclusive em Pablo.

    Mas, num só instante, o pião brilhou num fulgor instantâneo e se estilhaçou todo, espalhando o seu vidro transparente e pontiagudo – cruel – pelo parquinho. O menino, a criança, olhou para tudo aquilo, assustado, e afastou-se. Seu corpo, pequeno invólucro da sua alma tão grande, tremelicava. E foi só quando passou o susto que ele conseguiu chorar, triste por ter quebrado o pião de vidro que achara, o seu mais novo brinquedo.

    Voltou para o balanço, cabisbaixo, os olhos turvos das lágrimas. Enxugou-os na roupa amarrotada e suja, e, quando olhou de novo para o mundo, ele o viu todo diferente. As coisas – e não só os estilhaços do pião, os pequenos pedaços de crime – haviam se transformado, todas elas. Arregalou os olhos, assustado.

    O chão de terra e grama, a gangorra, o gira-gira, a corda bamba, os pneus de pular, o próprio balanço... tudo, que antes era feito de barro, verde, madeira, ferro, pano, corda, borracha, alma, essência, novidade, surpresa, felicidade, infância... tudo se transformou no mais translúcido e ridículo vidro. O mundo inteiro quebradiço e fugidio, agora.

    Ele, sentado no balanço, franziu o seu cenho e fundiu as suas sobrancelhas, preocupado. Respirava aos poucos, ainda se adaptando à mudança repentina. Soltou um gemido mudo. As suas mãos se esfriavam, no contato com as correntes geladas de vidro, quase de gelo.

    Quando viu que o mundo estava diferente, Pablo já não queria mais brincar. Não queria pular, rolar, gritar e se atirar, porque tinha medo de quebrar as coisas, como já quebrara o pião. Temia cortar-se com os estilhaços afiados do que se quebrou, e temia ele próprio se quebrar.

    E a sua vida não foi mais que o fraco e indolente vai-e-vem do balanço, seus movimentos à deriva do vento. Ficou olhando as coisas passando, no mundo, com olhos apressados e sorrateiros, temendo ver repetir-se o que fez com o vidro, e não viveu.

    DIOGO BERCITO
     
  2. O Sujo de Sangue

    O Sujo de Sangue Usuário

    Eu consegui imaginar uma animação certinho.

    Queria muito ver o desenhozinho que montei na minha cabeça. =]

    Imaginei até a trilhazinha.
     
  3. Melkor- o inimigo da luz

    Melkor- o inimigo da luz Senhor de todas as coisas

    Desenhe e me mostre ;)

    Valeu pela atenção =)
     
  4. Falassion

    Falassion Usuário

    Interessante...

    Gostei bastante da história, mas mais ainda do sentido implícito nela.

    Parabéns. =D
     
  5. Vanagristiel

    Vanagristiel With God I'm Alive!

    Nossa... que lindo e..... triste!!! :cry:

    Fiquei meio deprimida.... Tadinho do Pablo!!! :(
     
  6. Melkor- o inimigo da luz

    Melkor- o inimigo da luz Senhor de todas as coisas

    Obrigado, Falassion e Vanagristiel. =)

    Agora, só a título de curiosidade, vou explicar um pouco o texto.

    Eu curso jornalismo, estou no primeiro ano, e minha faculdade (Cásper Líbero) tem um jornal que se chama "Esquinas de SP". A edição desse trimestre abriu espaço para um conto que falasse sobre a criança, daí que resolvi pensar um pouco a respeito e escrever sobre esse menino aí, o Pablo.

    E tem todo o sentido implícito, como disse o Falassion.

    Ah, e o conto foi escolhido, vai sair no fim do mês =)
     
  7. Vanagristiel

    Vanagristiel With God I'm Alive!

    Que chique!!! Parabéns procê!!! :clap:
     
  8. Melkor- o inimigo da luz

    Melkor- o inimigo da luz Senhor de todas as coisas

    Calma, não é tanto assim não. É um jornal universitário, e sei bem que poucos contos foram enviados ;)

    Mas obrigado =)
     

Compartilhar