1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Melkor, o inimigo da luz] [Ela, a menina de cá]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Melkor- o inimigo da luz, 1 Mai 2004.

  1. Melkor- o inimigo da luz

    Melkor- o inimigo da luz Senhor de todas as coisas

    [Melkor, o inimigo da luz] [Ela, a menina de cá]

    Olhava-se fixamente e não conseguia achar os porquês. Nenhum. Não enxergava nem seus próprios pés; era inútil. Bagunçava seus cabelos ruivos, cutucava suas sardas, cerrava seus olhos. E nada.

    Olhava-se fixamente tentando não se ver. Rasgava as bordas com suas unhas compridas, batia de leve. Alguma coisa, escondida, ali, atrás daquela mancha. E continuava, em vão.

    Encostou a ponta do seu nariz e viu tudo ficar turvo, conforme respirava, e foi além: beijou-se no mais longo – e o primeiro – beijo de amor. Com a manga da sua camiseta comprida listrada, limpou-o até que brilhasse feito novo.

    Queria chegar ao mundo que estava além dali, ao mundo de onde nunca devia ter saído. Estava tudo trocado, ela pertencia ao lado de lá e o seu lado de lá pertencia ao lado de cá. Simples assim.

    Viu o desapontamento dela, a do lado de lá, acusando-lhe. Olhou, em retorno, com desdém e foi olhada com um olhar de surpresa. Ela conseguia ver o lado de lá. Ela entendia. Só não via os porquês.

    Desde que nascera, a menina do lado de lá tentava avisar-lhe de tudo. Que naquele dia iria chover, que seus pais iam se separar, que aquela amiga iria mudar-se... Sempre, sempre via no seu reflexo o que só ela entenderia.

    Nunca, porém, pôde conversar com ela. Não conseguia encontrar algum modo de comunicar-se, sempre era ela quem escutava e via. Mas a menina de lá não conseguia vê-la. Sabia que, no dia que se libertasse, seria feliz. Bastava dizer para ela, a menina do lado de lá, que não precisavam mais uma da outra.


    Mas ela, a menina do lado de cá, era uma imagem, afinal. Era seu destino ser como ela, a menina do lado de lá. Um reflexo. Um mundo preso a outro. E quanto a todas escolhas e oportunidades, não caberia a ela escolher. Nunca.


    Sempre a vontade da menina de lá. Sempre ela.


    Até o dia em que se libertasse.


    Mas nesse dia o espelho não seria mais um espelho e, sem liberdade, ela desapareceria.
     
  2. Excluído004

    Excluído004 Excluído a Pedido

    Hmmmm, eu já vi algo parecido em algum lugar, mas não deixa de ter sua originalidade... e me inspira a escrever algo pra terminar o meu conto... 8-)

    Muito bom...
     
  3. Lord Meneltar

    Lord Meneltar Argerich

    :grinlove: Eu não tinha visto esse.É sempre bom dar uma visitada no "limbo" daqui.

    Clássico, Diogo, achoque todo artista tem uma obra para falar dos espelhos. essas coisas que nos fascinam.Muito bom!

    O jeito com que você deixa coisas sbentendidas é fascinante, suas obras são a expressão máxima do ditado "pra bom entendedor, meia palavra basta".Você consegue ser telegráfico sem perder a beleza.Fascinante.
     
  4. Evestar

    Evestar Usuário

    ta super legal, adorei mesmo vc escreve muito bem :clap:

    :kiss:
     

Compartilhar