1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Melkor] [Da Desarmonia]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Melkor- o inimigo da luz, 8 Jul 2003.

  1. Melkor- o inimigo da luz

    Melkor- o inimigo da luz Senhor de todas as coisas

    [Melkor] [Da Desarmonia]

    Mais uma lenda que se passa no mundo que dou forma aos poucos. Conta uma histórinha com lição de moral que explica como surgiu a desarmonia na natureza. É bobinho, mas achei legal postar pra quem já acompanhou as outras duas lendas que postei....


    --------------------------------------------------------------------------------


    Quando os animais e plantas foram criados uma harmonia estabeleceu-se entre eles de início e foi chamada de Harmonia Natural. As leis da natureza se entrelaçaram e as espécies adaptaram-se ao ambiente com ajuda de relações entre elas onde não havia dano, tudo parecia em perfeita paz aos deuses que buscavam descanso após árduo trabalho. Em um presságio de frio, porém, um esquilo dedicou seu tempo a colher nozes para sua reserva de inverno. E este mesmo esquilo, instigado pelo vento gélido, que sopra maus pensamentos a ouvidos fracos, resolveu colher mais nozes do que sabia necessário.

    Outro esquilo não teve nozes para colher e viu-se obrigado a nutrir-se da pinha para não morrer de fome. Dirigiu-se ao pinheiro e clamou:

    - Ó majestoso ancião, estás aqui há tanto tempo quanto meus ancestrais e sabes como difícil é viver. Concede-me, então, uma pinha tua para que eu possa alimentar-me no inverno que chega implacável.
    - Pequeno esquilo, como choro por teu destino! Saibas, infelizmente, que apesar de grande amor ter por ti, não poço dar-te uma pinha minha. A mesma já é prometida ao solo, já que semente minha é, e aos homens que as colhem todos invernos.

    Desejou ao esquilo boa sorte e tornou-se novamente árvore, mudo e imóvel. Mas ao ver o roedor afastar-se com frio e com a sombra da morte a segui-lo não conseguiu suportar tamanha tristeza e derrubou três pinhas de seus galhos.


    O esquilo apanhou as pinhas e correu para sua toca satisfeito sem preocupar-se em agradecer o gentil pinheiro, que então ouviu o solo dizer-lhe.

    Ó majestoso ancião, onde está teu fruto que me prometeste no início dos tempos? Pois desde que o mundo tem chão e céu eu nutri tuas raízes e concedestes a mim seus galhos e folhas para que eu mesmo tornasse-me mais nutritivo para ti. Hoje, porém, sinto falta de uma semente para germinar e de uma folha para aquecer-me. Dá-me agora o que é meu de direito, ó pinheiro!


    Sem outra saída derrubou mais um fruto de seu galho que viu o solo engolir com voracidade e com duas folhas o aqueceu. O homem mais tarde surgiu por entre a neve que começava a cair e gritou para o alto:

    - Ó majestoso ancião, espero por uma pinha para alimentar minha família esta noite, tal como lenha para aquecer-nos a fim de manter-nos vivos por mais uma temporada. Espero de braços abertos pelo que é meu de direito, pois existes somente para manter-me vivo, como sabes. Ande, não seja mesquinho e divida conosco o que a natureza deu-te para dar-me.

    Triste pela sina do homem que não teria como aquecer sua prole nem sua mulher em seu leito de morte, já que a mesma estava doente, derrubou quase todos seus galhos e duas pinhas concedeu a ele.

    Naquela noite o primeiro esquilo fartou-se com as nozes em excesso que pode comer sem economia, o outro pôde dormir sem preocupar-se com a comida do inverno, o solo pôde nutrir-se com a pinha que não conseguiu fazer germinar e o homem aqueceu e alimentou sua família. Mas o pinheiro passou frio seu seus galhos e tentou, em vão, gerar três pinhas para dar ao solo e ao homem, que clamariam pelo que era de seu direito e havia sido dado ao esquilo.


    No dia seguinte, o solo, desapontado, sufocou suas raízes, e o homem derrubou a árvore morta para aquecer seu corpo pelo tempo que quisesse com o tronco antigo do último antigo pinheiro. E assim, com lento avanço, a desarmonia cresceu na natureza e o homem viu que era mais forte do que o que não se move nem se defende e a morte do que é estéril lhe é proveitosa.


    --------------------------------------------------------------------------
     
  2. Lord Meneltar

    Lord Meneltar Argerich

    Muito bom.Meio triste :(

    MAs, sempre com o estilo melky de escrever, é isso que mais me agrada :wink:
    :cheers:
     
  3. Vinci

    Vinci Usuário

    Interessante. Esse texto é uma metáfora ou eu que vivo procurando metáforas em tudo?
     
  4. Melkor- o inimigo da luz

    Melkor- o inimigo da luz Senhor de todas as coisas

    Mais ou menos... Que metáfora você encontrou? Seria interessante saber o que você viu quando leu...

    (obrigado!)
     
  5. Vinci

    Vinci Usuário

    A do pinheiro, que pode ser usada como, mais ou menos "aquele que por todos se compadece acaba sem fruto para a própria necessidade"...
     
  6. Melkor- o inimigo da luz

    Melkor- o inimigo da luz Senhor de todas as coisas

    Perfeito, foi mais ou menos isso que o pinheiro simbolizou pra mim tb. ^^
     
  7. Lord Meneltar

    Lord Meneltar Argerich

    Idem,pra mim tb.Isso coloca a bondade incondicional em xeque... :|
     

Compartilhar