1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L][MartinsIV][Ainda sem título!]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por MartinsIV, 22 Jun 2007.

  1. MartinsIV

    MartinsIV Damm Right, I Got the Blues!

    Este é o prímeiro capítulo de uma história que criei há um tempo atrás... baseada nas Obras de Tolkien, mas reparem: sem seus personagens, lugares e histórias, apenas um outro universo!

    Na verdade eu disse, no tópico "Também Sou Escritor", q iria postar a Introdução desta msma história, mas acabei por optar colocar uma parte do primeiro capítulo... eu estou querendo fazer algo bem grande, e por isso talvez nem poste o resto da história aqui!

    Bom, diga se gostam, se não gostam, o q tem q melhorar, o q ta bom.... por favor, opiniem!!

    Capítulo I

    A Conversa e a Terra


    Havia lendas do Mundo Antigo que falavam de Deuses poderosos, sentados em seus Tronos Reais, independentes e sem mestres, que conversavam na escuridão (ou claridade) do Nada. A Conversa nunca teve início; ela apenas existia. Existia, e existiu por muito tempo, não se sabe quanto, ao certo. Alguns falam sobre milênios, outros em décadas. Nesta época remota, não havia Terra, e nem outra coisa. Por isso ninguém sabia quais foram os assuntos, e como tais demoraram.
    Tais lendas contam que todos os Deuses possuíam barbas; barbas que demonstravam e guardavam a sabedoria de cada. Estas lendas não retratam os nomes dos Deuses, mas, por necessidade, sábios lhe deram nomes inventivos. Havia o maior de todos; Awar. Seu nome, no princípio, era Awa, mas com a criação de gramáticas e regras na Língua Inicial, que acabou por se estender em todas as línguas do Mundo Antigo, foi colocado um “r” no final, mostrando importância.
    Tal importância não era à toa; Awar era o mais sábio e poderoso Deus da Mitologia Antiga, que continha uma barba que se alongava muito além do que a maioria podia enxergar. Este se sentava no seu trono, não se sabe se suspenso no ar, ou preso a algo ou alguém, no meio dos outros dois Deuses. Muitos contam sobre escravos que seguravam os tronos de todos os três, mas, para Awar, havia dois escravos: o que segurava seu trono, e outro que segurava o fim de sua barba.
    O Deus que, de acordo com as Lendas da Conversa, foi o que menos falou, ficava a esquerda de Awar. Seu nome era Iyn Hamma¹, e dizem que possuía uma longa barba, na qual, além de sua sabedoria, escondia os seus pensamentos dos outros Deuses; porém muitos dizem que Awar conhecia, e muito bem, tais pensamentos.
    E’fadul² era o nome do terceiro Deus que participou da Conversa. Apesar de sua lentidão, sua sabedoria era enorme, e, por isso, dizem que sua barba era maior da de Iyn Hamma.
    Dizem que os Deuses nunca falaram, e conversavam pensando (e talvez fosse por isso que Iyn Hamma escondia muitos de seus pensamentos na própria barba). Pouco se sabe sobre a Conversa, mas um conhecido pensamento de Awar, que se dirigia a todos, escravos e Deuses, foi traduzido nestas palavras: “Por muito conversamos, e até outros criamos. Mas não são somente os escravos que penso em criar, e, dentro de mim, criei algo parecido comigo. Este algo não me sai da cabeça; não sai e não quer sair. Me prende em meu inconsciente, querendo conversar. Por isso queria saber a opinião de meus irmãos, vós, que comigo tanto conversaram, deveria criar algo parecido comigo?”
    “Se quer, pode ter, ó Senhor da minha Alma” disse o seu escravo “Mas, pergunta minha, aonde colocá-lo irá?”
    Awar virou-se para o escravo, levantou as sobrancelhas, alegre, e depois dirigiu o olhar para E’fadul. Ele concordou, e então Awar olhou para Iyn Hamma. Este já nem dava importância ao pensamento; coçava a barba e parecia pensar, de olhos fechados.
    Nem o mais sábio dos Deuses descobriu o que Iyn Hamma pensava, mas muito depois, uma frase, que muito tinha a ver com tal acontecimento, foi criada por um sábio qualquer, cujo nome se perdeu ao passar dos tempos: “O Escuro sabe se esconder, com suas próprias artes e seus próprios medos".



    ¹ - Iyn Hamma, se lê "E-ín Rana". O "y" nunca existiu no dialeto Antigo, mas quando passado para o português, alguns nomes que contém um som de "í", e vem após outro "i" (que tem som de "e", se no começo de algum nome), se coloca esta letra (y), representando uma das letras da Língua Inicial (ou Antiga) com som parecido.

    ² - E'fadul, se lê "Erfadú", pois com um nome começado por uma vogal, não se pode colocar um "h" (que tem som de "r") depois do mesmo. O apóstrofo (') é colocado mostrando um longo som (que só poderia ser prenchido pelo "r", ou "h" no dialeto Antigo).
     

Compartilhar