1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Maedhros] [Sobre Radagast]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Maedhros, 14 Mai 2004.

  1. Maedhros

    Maedhros Whadahell?

    [Maedhros] [Sobre Radagast]

    Eu escrevi esses trechos há muito tempo e achei que seria legal postar. Eu planejava fazer um conto enorme, mas minha inspiração só permitiu fazer dois trechos distintos e sem continuidade. Mas até que ficaram razoáveis...



    Abrindo caminho entre os arbustos, Gandalf chegou à borda de uma grande clareira. Ao centro havia um enorme carvalho que aparentava ser velho como as colinas, mas resistente como rocha. Sob a imensa árvore, estava sentado um homem de idade, com longas barbas grisalhas e trajes castanhos. Assobiava de modo espantosamente alto e com várias entonações diferentes, como se tentasse falar com todos os pássaros da mata. Ao longe, podia-se ouvi-los respondendo.
    Ao vê-lo, Gandalf sorriu e bradou:

    — Salve, amigo dos pássaros! Que notícias traz de sua terra?

    Num sobressalto, o velho avistou Gandalf e apoiando-se num cajado, correu ao seu encontro.
    — Gandalf, peregrino cinzento!
    — Radagast, o castanho!

    Ambos se cumprimentaram como se não se vissem há séculos. Os dois magos então começaram a caminhar pela clareira, enquanto conversavam. Em certo momento, Radagast fitou os trajes alvos de Gandalf, e curioso, perguntou:

    — O peregrino cinzento parece não tão cinzento agora. O que houve com você?
    — Muito sucedeu desde que nos encontramos no Caminho Verde. O destino nos levou para perto de Mordor e a coragem de um hobbit destruiu o mal que assolava a Terra-Média. E após perecer em uma batalha contra um dos servos do Escuro, fui enviado de volta como o Branco.
    — Algo me diz que tornei-me alienado do que se passa fora das florestas. A traição de Saruman já foi um duro golpe para mim.
    — Não se culpe. Saruman usou a todos nós. Mas já encontrou seu duro destino. Como soube de tudo?
    — Gwaihir me contou. Ao menos me sinto aliviado ao saber que enviá-lo à Isengard lhe salvou das garras de Saruman.
    Houve alguns momentos de silêncio, enquanto Gandalf aspirava o ar puro da mata e escutava o assobiar dos ventos. Então Radagast tornou a falar:
    — E o que o traz à Rhosgobel?
    — Na verdade vim me despedir. Queria dar uma última olhada nestas matas, antes de partir para o Oeste.



    Depois de uma longa espera finalmente Radagast deixou a cabana. Trajava seus trajes simples de cor castanha e agora carregava um cajado negro. Parecia triste e desolado por deixar seu lar. Andou alguns passos e apertou os olhos, como se quisesse chorar. Então voltou-se para o grande carvalho e disse em alto e bom tom:

    Nai lissë rosselya leryuva nóre morenen.
    "Que seu doce orvalho liberte esta terra do mal."

    Depois tornou a virar e seguiu em frente com o rosto erguido como quem sabe que precisa continuar.

    "Valinor enviou-me para defender a luz e a honra dos seres da Terra-Média. Admito que falhei. Minha perdição, quem diria, jazia na beleza das cataratas e nos olhares curiosos dos animais."
    "Não mais" disse Yavanna calmamente. "Triste é a culpa que agora assola tua mente. Mas tua passagem não foste em vão. Viveu por sua paixão que brotou como a flor primaveril. Dedicou-se a olhar por aqueles que vivem neste mundo mas nada podem fazer para impedir o mal de brotar, cumpriste sua missão, por mais insignificante que ela pareça. Protegeste tua terra.”

    Radagast cerrou os olhos com força e não pôde evitar uma lágrima. Ao reabrir os olhos, nada parecia ter acontecido. Não estava acabado. O mago sabia. Seu coração lhe dizia. Lentamente olhou para sua própria mão - áspera e calejada depois dos vários anos de dedicação aos seus queridos. Então fitou um ponto no ar como se pensasse e sorriu. Um sorriso fraco, mas esperançoso.
    Então assobiou com força nos lábios. Um som que toda a floresta poderia escutar. Ao longe muitos pássaros responderam, alegres.

    Então abaixou a cabeça e caiu num sono profundo.

    E não estava acabado.
     
  2. Maedhros

    Maedhros Whadahell?

    Puxa, gente. Tão ruim assim?
     
  3. Sméagol

    Sméagol Usuário

    Ficou legal. Pena que ficou curto, você podia ter escrito mais mesmo, como tinha dito. É uma visão interessante sobre o que aconteceu com Radagast. Seria legal que o encontro dele com Gandalf fosse mais longo, com uma conversa sobre as aventuras dos dois.

    Adorei a palavra da Yavanna, dizendo que a passagem do mago pela Terra Média não foi em vão... :D
     
  4. led_z

    led_z Usuário

    Sim, o conto está legal. Alias, acho que foi um dos primeiros que me chamou a atenção por aqui. A única questão, é que ele deixou um gostinho de 'quero mais', sabe?

    Se você puder continuar, ou incluir alguma coisa à mais sobre o Radagast, talvez, mais voltado à ele mesmo. Um encontro com o Beorn, uma reunião com as Águias gigantes. Bom, eu posso estar viajando aqui, mas queria saber mais sobre o Radagast.
     

Compartilhar