1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Lucy][O conto do Livro do Dragão][Capítulo 3!!]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Lucy Folha Dourada, 23 Jan 2003.

  1. Lucy Folha Dourada

    Lucy Folha Dourada The designer Raccoon!

    [Lucy][O conto do Livro do Dragão][Capítulo 3!!]

    Esse é um conto meu, que eu fiz... (nao, sério?)
    Espero que gostem, aí vai o primeiro capítulo.
    Ah! é 1 capítulo por semana, e eles sao grandes... :roll:
    Hummm... pessoal, ao longo que vcs vao lendo, vcs vao pensar que sou um pouco metida pela história... pq a Lucy é a personagem principal e talz... Mas eu coloquei Lucy no forum depois de ter escrito alguns capítulos, entao Lucy é por causa do COnto, não considerem como eu mesma. (e eu tenho apenas 14 aninhos... hehehe) E se passa na idade média. (nao no futuro, como algumas pessoas pensaram...)


    CAPITULO 1 - O livro do Dragão.

    Cidade do Sol dourado, ano de 3980, era das Lágrimas congeladas

    Na bela cidadezinha do Sol dourado, vivia Lucy, uma garota de 15 anos que nunca conheceu seus pais. Ela vivia com a avó, que agora estava velha e doente.
    Nesse ano, ano da Lua de inverno, Lucy passava o dia cuidando de sua avó que estava quase morrendo, um pouco antes de morrer, ela chamou Lucy para seu quarto, e, suspirando baixinho, disse:
    --- Lucy, Quero que você vá até a casa de sua tia Margareth, e procure um livro, ele ficava sempre em baixo da escada, escondido. Eu quero que você o pegue e abra, e veja o que tem lá. Mas vá rápido, pois o tempo está passando depressa... Traga-o até aqui, mas não deixe sua tia perceber.
    --- Mas por quê vó? Porque não passar aqui o tempo com você, cuidando de ti! Não quero te perder! --- Respondeu Lucy, que começou a chorar --- Vou ficar aqui!
    --- Não! Você precisa pegar aquele livro... Rápido... Precisarei te dizer o que fazer com ele...
    --- Mas... Não posso deixar você aqui sozinha. Você pode precisar de mim.
    --- Vou ficar muito decepcionada com você, minha neta. Não fique com medo, Eu sempre estarei com você, onde quer que eu ou você esteja... Vá agora.
    --- Tudo bem, mas vou chamar a Mary pra ficar com você enquanto estiver ausente.
    Lucy desceu as escadas e entrou na cozinha, que era grande e bonita, simples, mas aconchegante pra época. Lá encontrou Mary, uma amiga da família que morava com elas, Aliás, a única, pois nessa cidade quase ninguém gostava da família de Sami. Lucy fez um aceno para que Mary subisse as escadas e ficasse lá com sua avó, depois saiu.
    As ruas estavam escuras, já era bem tarde e estava frio. Começou uma leve chuva, que logo iria virar um temporal. “Acho melhor eu me apressar” pensou a garota consigo mesma, e foi andando. A casa de sua tia ficava do outro lado da cidade, então ela montou em seu cavalo, que ficava em um armazém perto de sua casa, e foi, na chuva, com apenas uma capa.
    Após meia hora cavalgando, chegou na casa de Margareth. Deixou o cavalo amarrado ao poste de madeira e bateu na porta:
    --- Tia Margareth? Você está aí?
    Como ninguém respondeu, ela verificou se a porta não estava trancada; estava. Com frio e pressa, não conseguia pensar em muita coisa, foi quando lhe surgiu a idéia de arrombar a janela, pois sabia que a trava não era muito forte. Então se dirigiu para os fundos da velha casa de madeira e, com um golpe de sorte, conseguiu arrombar, depois explicaria o incidente...
    Lucy estava no quarto de Margareth, mas não havia ninguém deitado na cama nem nada. Foi então que percebeu que as roupas da sua tia não estavam no cabide, nem em nenhum lugar. “Deve ter ido viajar...” pesou. Continuando a atravessar a casa, que estava escura e só a lua iluminava a janela, ela chegou até as escadas. Apalpando com as mãos ela percebeu um pequeno lampião em cima de uma estante de madeira. Em baixo do lampião havia um livro, não dava para ver a capa, mas, mesmo assim Lucy o retirou de lá e o trouxe para a janela, sem o molhar, mas para conseguir ver a capa; que tinha um belo Dragão Branco. Ela o pegou e embrulhou em sua capa, saiu, desamarrou o cavalo e montou nele. Não atravessara nem um quarteirão quando seu cavalo escorregou nas pedras da rua e caiu. Lucy caiu e bateu a cabeça, desmaiou, e o cavalo se levantou e ficou ao lado dela, esperando como um fiel cão.
    Montado em um cavalo branco apareceu um homem, que, quando viu a garota no chão, correu para ajudá-la. Ele a cobriu com sua capa branca e colocou no cavalo dele, ele subiu e a levou para sua casa. Que era meio longe dali. Quando Lucy acordou, estava com dor de cabeça e espirrando. Então ela se sentou na cama onde estava e esfregou os olhos. Olhou profundamente para os olhos do belo rapaz que estava sentado na cadeira ao lado dela, ele tinha lindos olhos azuis, que combinava com seu cabelo loiro. Havia também uma mulher, bem mais velha do que eles, tinha aparentemente uns quarenta anos. Ela de dirigiu a Lucy e perguntou:
    --- Você esta bem jovem? Não quer nos dizer seu nome?
    --- Eu... Sou Lucy Goldenleaf. --- Então ela se lembrou do ocorrido ontem à noite. Apalpou suas vestes para ver se o livro estava com ela, e não estava.
    --- Onde está meu livro?? Eu preciso ir!! --- murmurou brava e triste.
    --- Seu livro esta aqui. --- Falou o rapaz, pela primeira vez, e deu o livro a Lucy.
    Então ela se levantou e foi para fora, quando abriu a porta levou um susto: já era dia.
    --- Que horas são?? Onde está meu cavalo.
    --- São meio dia, seu cavalo a espera lá fora. Aonde vai com tanta pressa? --- o rapaz foi até o cavalo e o trouxe a Lucy. Que começou a chorar. --- Por que choras bela moça?
    Ela nada respondeu e montou no cavalo, saiu desesperada cavalgando voltando pra casa. O rapaz montou em seu cavalo também e falou para a mulher “vou a seguir, não me espere” e foi atrás de Lucy.
    Quando ela chegou em casa, que estava em chamas, ela chorou desesperadamente, então, ainda vendo a porta que estava de pé, entrou na casa. O rapaz, chegando logo atrás, teria tentado a impedir de entrar, mas ele entrou também, temia por ela. Dentro da casa estava tudo pegando fogo, ele havia começado de manhã, e ainda estava bem forte. Subiu rapidamente as escadas e entrou no quarto, desviando das tábuas que caíam. Então viu o corpo de Sami, sua vó deitada na cama.
    --- Mika... Saia daqui... Depressa...
    --- Não a abandonarei de novo. --- disse chorando.
    --- Quem causou... Quem causou o incêndio... Quem causou o incêndio sabe do livro... Cuidad...... --- Essas foram suas últimas palavras, e ela morreu, deitada na cama em chamas. Então o rapaz entrou, e, com uma rápida troca de olhares entre os dois, ele pegou Sami no colo e, disse:
    --- Depressa, vamos sair daqui, isso vai desabar.
    A escada havia caído e, eles teriam que se pendurar e pular para baixo:
    --- E Sami? --- disse Lucy
    --- Desculpe... Não podemos jogar o corpo abaixo... Desculpe...
    --- Eu não vou conseguir, eu não vou conseguir pular a baixo.
    O garoto desceu, e falou para ela pular, que ele a seguraria; ela pulou e ele a segurou, depois a colocou no chão e, rapidamente, os dois saíram da casa em chamas.
    --- Obrigada --- Lucy disse chorando e abraçou o rapaz. --- Não quer me dizer seu nome?
    --- Sou Ivan, arqueiro humilde da cidade de Háven.
    Então Ivan a colocou em seu cavalo, vamos Goldenleaf, pode ficar em minha casa se não tiver para onde ir.

    CAPÍTULO 2 - Quem é Ivan?

    Duas horas depois, Lucy já havia parado de chorar, e começou a pensar sobre todos os fatos passados.
    --- O que tem esse livro de mais? Espere! O incêndio, ele foi causado! Onde estará minha tia Margareth? E Mary? Será que morreu no incêndio?
    --- Posso dar uma olhada no seu livro? --- Perguntou Ivan.
    --- Pode... quer dizer... eu nem o abri ainda... --- E pegou o Livro.
    --- Ele é bonito, o Dragão, você sabe o que significa?
    --- Não, não faço a mínima idéia.
    --- Nem eu.. --- ele mentiu.
    --- Não sei como te agradecer, você... você salvou minha vida.
    --- Ora, esse é o meu dever, quer dizer, não seria nobre de minha parte deixar uma dama jogada ao chão na chuva.
    Eles conversaram mais um pouco, até a mulher retornar, trazendo comida.
    --- Eu a chamo de Daly, Embora nunca soube seu verdadeiro nome, ela não fala Lucy. --- Disse o rapaz.
    Já era tarde e eles comeram algo rapidinho e Ivan disse que Lucy poderia ficar em sua cama e que ele dormiria no chão, mas ela recusou e se deitou no chão, e, pela primeira vez depois dos incidentes ela sorriu. E disse para Ivan que ninguém a tiraria de lá.
    Na manhã seguinte, ela acordou, mas não havia ninguém em casa, chamou por Ivan, Daly, mas eles haviam saído. Então, ela foi até seu cavalo, viu que o de Ivan não estava lá e saiu também, iria até a casa de Sami.
    Chegando lá, a casa tinha desabado, e tudo o que dava para ver eram destroços e cacos. Havia também alguns guardas da cidade, mas eles não deram muita atenção para o caso. Pois pensaram que foi acidental. Lucy então foi visitar Margaterh, ver se ela já havia chegado.
    A casa estava silenciosa, parecia não haver ninguém lá. Estava ainda trancada, mas com a janela aberta, então ela entrou, e percebeu que a casa havia sido saqueada, e o Lampião não estava mais lá nem nenhum objeto, ela pensou no livro: “Talvez saquearam procurando o livro...”
    Já eram umas três horas da tarde, então ela voltou para a casa de Ivan, mas, não havia ninguém lá, eles não haviam retornado. Ela os esperou até a noite. Mas ninguém retornou, Lucy se sentiu de novo sozinha, abandonada pelo destino e por todos, então se revoltou. E dormiu até bem cedo, quando alguém bateu a porta. Ela acordou e resmungou: “ele tem que bater na porta de sua própria casa?” Então abriu. Mas não era Ivan nem Mary, e sim cavaleiros enviados pelo rei. Um deles chegou à porta e falou:
    --- O rei irá fazer um baile, Trago esse convite para Ivan. --- Disse ele. Será amanhã no palácio, será que a senhorita poderia fazer o favor de entregar para ele?
    --- Ivan não... --- parou, e falou de novo --- Claro, eu entrego para ele.
    --- Certamente ele é um convidado de honra, então se não o entregar poderá ser enforcada.
    --- ...
    --- Adeus. --- E ele foi caminhando para as outras casas, mas, ainda ela pôde ouvir ele falando: --- Ivan precisa escolher melhor suas namoradas... Essa está um trapo.
    --- Trapo é você! --- Disse baixinho e entrou na casa. --- E agora? Como eu vou entregar esse convite a Ivan? E se ele não voltar até amanhã? E porque ele é convidado de honra?
    Como Lucy estava morta de fome, ela foi verificar se havia algo para comer. Encontrou Pão e muitas frutas. “Comida é o que não falta nessa casa... Acho que ele não vai se importar se eu comer um pouco” disse ela consigo mesma.
    Ela comeu até estar satisfeita, acabou com os pães e comeu algumas maçãs. Então resolveu finalmente abrir o livro. Já que não tinha nada pra fazer. De novo, o dragão na capa. Ela o abriu, e, na primeira folha havia um dragão vermelho, muito belo também. Em baixo havia umas inscrições que Lucy não conhecia. O livro inteiro tinha essas inscrições, também tinha algumas figuras, de dragões naturalmente. Mas, a ultima lhe chamou a atenção, pois eram dois dragões, um vermelho e um branco, parecia que um caçava o outro, em círculos. Como... Como o bem e o mal.
    Já era tarde e Ivan ainda não tinha chegado. Lucy começou a ficar preocupada. Então saiu, foi ver se arranjava alguma roupa de festa, mas, sem esperança, pois quem daria tal roupa a uma jovem pobre? Ela chegou em uma loja de alugar roupas, e, lá viu um arco e flecha. Quando ela era pequena, sempre ficava treinando com Mary, com o arco deixado por seu pai e que, agora, já estaria queimado na casa.
    --- Posso experimentar? --- Lucy perguntou para o dono da loja.
    --- Claro.
    Lucy o pegou e atirou, bem longe do alvo...
    --- Perdi as minhas habilidades. --- Exclamou fracassada.
    --- Por que não tenta de novo?
    --- Não... --- ela recusou.
    Então começou a ver as roupas de festa, e viu um vestido maravilhoso. Ele tinha a saia dourada, e a parte de cima tinha detalhes em preto e dourado.
    --- Ficaria lindo com seu cabelo arrumado --- Falou o dono da loja.
    --- Quanto custa? --- Perguntou inutilmente Lucy.
    --- Ele é caro, custa 20 moedas de ouro e 4 de prata.
    Lucy apenas tinha duas moedas de bronze em seu bolso...
    --- Eu faço pela metade do preço se você acertar o alvo.
    --- Mas... eu só tenho... Tudo bem, eu vou tentar.
    Ela pegou o arco e uma flecha. Relaxou os braços e se concentrou: A flecha foi direto ao alvo.
    --- Muito bem jovem! --- exclamou o moço.
    --- Ivan sempre vem aqui? --- perguntou Lucy.
    --- Ah sim! Ivan é meu amigo. Você é a namorada dele?
    --- Humm;... Sou sim, vou querer esse aqui, depois você pode cobrar dele as 10 moedas de ouro e 2 de prata.
    --- Certo, irei fazer isso. Esse vestido deve ser uma mixaria para ele. Tenho certeza que irá concordar. Onde você irá arrumar seu cabelo madame?
    --- Ainda não sei.
    --- Posso te indicar a Liv. Ela é divina! E Ivan sempre vai lá.
    --- Onde fica?
    --- Aqui do lado, daqui umas quatro casas.
    --- Obrigada. Irei lá mesmo.
    --- Espere, como é seu nome, para dizer a Ivan?
    --- É Lucy Folha-Dourada.
    Agora Lucy estava decidida a ir no baile. E voltou para sua casa com o vestido, Ivan ainda não tinha chegado. Ela resolveu dar uma olhada no convite, e ver que horas seria o baile: Seria à noite, para a sorte de Lucy, pois ainda teria mais outro dia para Ivan chegar. Ela pensou muito nele, sentia a sua falta, não gostava de ficar sozinha.
    No dia seguinte Lucy acordou de bom humor, pois iria a um baile no palácio. Ela pensou se estava fazendo a coisa certa, mas então que tinha o direito de se divertir...
    --- Onde está Ivan? Ele precisa voltar... Ou serei enforcada! Pelo menos só depois de me divertir. E, porque aquele vestido é uma mixaria para Ivan? E ele é convidado de honra? Não pode ser. Eles devem estar confundindo “meu” Ivan com outra pessoa.
    Lucy era uma garota de personalidade forte. Ela não tinha amigos, casa, nem nada, apenas sonhos, orgulho e vontade. Ela definia o que era certo e o que era errado, falhava com as palavras, mas era doce com quem sabia retribuir o carinho dado. Principalmente com sua Avó. A quem gostava muito mesmo.
    Ela comeu mais alguma coisa meio dia e saiu, tomou um merecido banho e foi até a Senhora Liv:
    --- Olá senhora, poderia dar um jeito no meu cabelo?
    --- Claro, mas, como irá pagar? --- respondeu a Senhora duvidando de Lucy.
    --- Bem, foi Ivan quem me mandou aqui, portanto ele irá pagar.
    --- Oh! O jovem Ivan? Ah sim! Seu cabelo vai ficar maravilhoso... Como é seu nome?
    --- Lucy Folha-Dourada.
    --- De que jeito quer seu cabelo?
    --- Posso desenhar? --- Perguntou a inocente.
    --- Hummm.. Claro, desenhe aqui como quer seu cabelo.
    Desde pequena Lucy queria fazer aquele penteado, fora Mary que inventou, e havia ficado esplêndido na pequena Lucy. Ela desenhou um penteado parecido com o da princesa Amidala, o cabelo enrolado dos lados (mas pequenos) e corrido atrás.
    --- Vai ficar lindo... --- Disse Liv quando viu o desenho, mas ela acreditava que iria ficar ridículo, mas mesmo assim fez o desejo de Lucy.
    Após uma hora fazendo o tal penteado, o resultado não podia ser outro: Totalmente original, maravilhoso!
    --- Maravilhoso! Divino! Vou indicar para as minhas outras clientes também. --- Disse Liv se orgulhando do penteado que acabara de fazer.
    --- Mas não para o baile de hoje à noite. --- Piscou Lucy para Liv.
    --- Se não quer estragar a surpresa, tome essa capa, assim ninguém verá antes do baile e ninguém copiará.
    --- Muito obrigada, Liv, você realmente é um encanto de pessoa!
    Lucy vestiu a capa e foi para casa, colocar o vestido, pois o baile seria daqui a meia hora. Ás oito, e Ivan ainda não havia chegado.

    CAPÍTULO 3 - O baile

    Lucy estava linda, com o vestido, o cabelo e seu rosto encantador. Só havia um defeito; ela sempre estava triste, o seu sorriso, que encantava mais ainda, fazia tempo que não aparecia. Sua expressão de tristeza a deixava sombria, a mais bela dama da escuridão. Ela queria que Ivan estivesse lá, com ela. Não porque achava que iria ser enforcada, ninguém a reconheceria, não dava para comparar a antiga Lucy em trapos com essa senhorita nobre, mas não queria ir no baile sozinha.
    Havia outro problema também, como ela iria até o Baile? Se ela fosse de cavalo, seu vestido poderia rasgar... Mas não havia outro jeito. Ela colocou uma capa para ninguém a reconhecer e foi até o baile. Porém, antes, viu o dono da loja de roupas fechando seu armazém. Deu um breve aceno, embora ele não a reconheceu devido a sua capa. O palácio do rei ficava longe dali, embora, por ficar em cima de uma colina em frente para o mar, todos podiam facilmente chegar até lá.
    Já havia passado uma hora quando ela chegou no palácio, e eles estavam fechando as portas pois Ivan, o convidado de honra, ainda não havia chegado; No convite estava escrito o nome dele, mas Lucy nem imaginava que eles notariam e, quando foi tentar entrar no palácio, os guardas a barraram e perguntaram por Ivan. Ela estava encrencada, agora pensava que ia para a forca realmente, quando, subitamente Ivan apareceu atrás de Lucy e falou:
    --- Como ousam prender a jovem senhorita? Ela está me acompanhando! Soltem-na ou algo ruim vai acontecer com vocês!!
    Os guardas, assustados e envergonhados, soltaram Lucy rapidamente e disseram:
    --- Me desculpe senhor Ivan, não o tinha visto. Me desculpe, prometo que isso não irá se repetir, é que nós pensamos que...
    --- Não me interessa o que vocês pensaram! Guardas inúteis! Vamos senhorita Lucy?
    --- Vá... Vamos --- Ela respondeu assustada.
    Eles entraram no salão principal, que era enorme e muito bonito, havia vários convidados, todos com roupas chiques. A maioria dos casais estavam dançando já, e Ivan estendeu a mão para Lucy e disse:
    --- A senhorita não gostaria de ser meu par nessa dança?
    Lucy sorriu, mas respondeu:
    --- Eu não sei dançar...
    --- Eu te ensino, vamos.
    --- Tudo bem.
    Os dois começaram a dançar, e, conversar:
    --- Lucy, você está linda. --- Disse ele.
    --- Você também. Obrigada Ivan.
    --- Como conseguiu esse vestido?
    --- Depois eu te explico tudo... Mas onde você esteve que me deixou sozinha?
    --- Sentiu minha falta?
    --- Senti... quer dizer, não quero mais ficar sozinha, me sinto abandonada.
    --- Sei... Eu tive que resolver uns assuntos com o meu pai, mas acabei brigando feio com ele.
    --- Seu pai? Quem é seu pai? E, porque você é convidado de honra?
    --- Lucy, tem algo que eu preciso lhe contar. Mas antes...
    Ivan, olhando nos profundos olhos verdes de Lucy e ela também olhando nos profundos olhos de Ivan, se beijaram, sem ninguém notar.
    --- Pela dança os casais trocam de par, e Lucy e Ivan se separaram. Ela começou a dançar com um outro convidado. E Ivan foi arrastado para perto do rei. Lucy chamava mais atenção de que qualquer outra dama, por sua beleza encantadora. Chamou a atenção também de um homem, alto e misterioso, que não parava de olhar pra ela. Lucy, parando um pouco de dançar, perguntou para um empregado quem era aquele moço. O garçom falou que ele havia chegado na cidade há pouco tempo, e se hospedou na casa do rei pois tinha muito dinheiro. Ele se chamava Hank.
    Nesse momento a música parou, e o Rei apareceu na escada principal do palácio. Silêncio total: o Rei começou a falar:
    --- A maioria de vocês sabem que meu filho quase nunca está em casa, e, aproveitando que ele está na cidade, eu resolvi dar uma festa para anunciar o casamento do príncipe! Ivan, por favor, venha aqui.
    Lucy não entendia porque o rei precisava de Ivan, e nem se passava em sua cabeça que Ivan...
    --- Meu filho Ivan, futuro rei dessa província irá se casar com Tina, princesa da nossa província vizinha, e assim teremos paz entre as nações. --- continuou o rei.
    Nesse momento uma bela dama estava a descer das escadas.
    Ivan deu um leve suspiro para Lucy, que estava do outro lado do salão foi ao encontro do Rei, seu pai. Então ele disse baixinho só para o rei escutar:
    --- Pai! Eu te disse! Não quero me casar com ela! Eu não a amo, e a nossa conversa de ontem?
    --- Meu filho... precisamos fortificar os laços entre as nossas províncias, você sabe! Eu decido com quem irá se casar.
    --- Você não é minha mãe para decidir! Tenho certeza que ela não concordaria.
    --- Sua mãe está morta! Cale-se e receba a sua futura rainha!
    Lucy, que não se conformava, saiu correndo do palácio. E Hank foi atrás dela, sem ela perceber.
    Lá fora Lucy foi correndo a ponta da colina, em frente ao mar, era um profundo abismo. Ela estava prestes a se jogar, quando uma voz falou atrás dela:
    --- Ora, Lucy Folha-Dorada, vai se jogar por um príncipe? Você sabe que nunca ficaria com ele! Suas vidas são muito diferentes! E outra, está na cara que você só quer chamar atenção, A pobre menininha que pensou que iria ser feliz com o príncipe... Esquece! Isso só acontece em contos de fada. Venha, desista de pular daí. Dê-me a mão.
    Lucy se virou, para ver quem era, e reconheceu o homem, que era Hank.
    --- Quem é você? E que vantagens você teria se eu não pulasse? --- disse ela com lágrimas nos olhos.
    --- Sou Hank! Não se lembra de mim bela Lucy... Quando você tinha apenas 13 anos, nos encontramos em uma taverna. Que vantagens eu teria? Hum.. Poderia ficar como herói. Mas você que poderia ter vantagem comigo... --- riu maliciosamente.
    --- Eu não me lembro de você. Você deve ser mais um amiguinho do príncipe... --- Se virou de novo para se jogar.
    --- Você não lembrar de seu juramento? Jurou se vingar de mim, nessa ou outra vida. Por causa de sua amiga, de um apelido que não me esqueço jamais: Faith.
    Lucy levantou a cabeça, olhou nos olhos vermelhos de Hank, e finalmente se lembrou. E falou com firmeza se afastando da borda, com um olhar de ira:
    --- Me lembro de você, você é Hank, o vampiro.
    --- Finalmente se lembrou, está feliz em me reencontrar após todos esses anos?
    --- Eu decidi esquecer. Esquecer os elfos, os vampiros e todos vocês que só me fizeram sofrer.
    --- E agora quer jogar sua vida fora com um humano de quinta?
    --- Cale a boca vampiro desgraçado. Porque voltou? O que você quer?
    --- O livro! Dê-me o livro!!!
    Nesse momento Lucy sentiu um desespero. Uns calafrios e uma única lágrima escorreu de seu olho:
    --- Você! Seu desgraçado!! Você matou Sami!!!
    --- Não querida, eu não a matei. Foi Mary que a matou.
    --- Não. Não acredito em você!
    --- Bem, eu te conto a história inteira, mas se você vir comigo. Agora. E traga o livro.
    Não vendo outra solução, Lucy o acompanhou até a casa de Ivan, que na verdade, era a casa de Daly.

    Por favor pessoal, comentem se estao gostando da História, pq daí eu sei que tem alguem lendo e vale a pena continuar...
     
  2. Kiwi

    Kiwi mi perna está jodida.

    Ei, tem alguém lendo! :D
    História OK. :P Estou curioso. :roll: Pode continuar... :wink:
     
  3. Eu tb estou lendo! :wink:
    É mto boa! Continue!! :D
     
  4. Taty

    Taty Visitante

    :|
    continua a historia...
    eu fikei curiosa tb agora... :?
     
  5. Lucy Folha Dourada

    Lucy Folha Dourada The designer Raccoon!

    Well...
    ateh que tem gente lendo :roll:
    ok, parte 2.
     
  6. Thrain...

    Thrain... Usuário

    Como assim "ateh"? tah dispensando os leitores só pq são pokos(embora eu num ache pokos)?


    quanto ao texto tah interessante, goste da mente da Lucy...Só ach q a parte do arco ta meio... sei lah, meio nd a ver... só se vc for usar issu no futuro pq aí td bem.
     
  7. Taty

    Taty Visitante

    poo.. :(
    continua logo, ateh o fim rss...
    agora to MTU curiosa :mrgreen:
     
  8. Lucy Folha Dourada

    Lucy Folha Dourada The designer Raccoon!

    Diculpa... nao to dispensando nimguem naum....... :roll:

    Espera.... essa parte do arco faz diferença pro resto da historia 8-)

    Capítulo 3!!!
     
  9. Thrain...

    Thrain... Usuário

    tava brincandu só :mrgreen: ...

    Tah legalzin até agora. fico um poco confusa a paarte dos "ampiros e elfos"; ms fora isso...
     
  10. Lucy Folha Dourada

    Lucy Folha Dourada The designer Raccoon!

    Isso é uma longa historia... mas nao vai aparecer nessa...... hehehehhe
    talvez eu esplique, depois... :mrgreen:
     
  11. Vinci

    Vinci Usuário

    Lucy, continue... Eu acho que ficou em algumas partes um pouco forçado, e, particularmente, não gostei do nome da era. Porém, está legal sim, e acho que ficaria melhor ainda se tivesse continuação (eu sou mala né??? :mrgreen: )!!!
    Entre mais no MSN pragente se falar. Que minhas críticas não tenham te traumatizado...!

    Vinci
     

Compartilhar