1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Liteeliniel][Contos de Infancia I - O Nascimento de Hasufel

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por liteeliniel, 23 Abr 2003.

  1. liteeliniel

    liteeliniel Usuário

    [Liteeliniel][Contos de Infancia I - O Nascimento de Hasufel

    quarta-feira, 23 de abril de 2003 15:08:54

    Liteeliniel - Contos de Infância I

    O Nascimento de Hasufel



    Liteeliniel, menina elfa, morava em Valfenda com seus pais e irmãos. Nasceu com um certo poder com animais. Desde pequena, eles já a faziam sorrir e ela podia tocar até o mais esperto esquilo.

    Dos estábulos do casarão onde vivia com sua família, tinha o respeito de todos os cavalos. Seu pai a deixou escolher qualquer um dos animais que se encontravam na cidade, entretanto, a garota preferiu não possuir nenhum, pois ela sentia que a hora ainda não chegara. Ele teria que provar o quão leal era.

    Eis que num dia do inverno, Elrond, seu pai, fez um acordo com o rei de Rohan, procurando trocar a linhagem de seus animais e conseqüentemente, trazer mais opções para a filha. Por vontade própria, ela, mais uma escolta inteira foram buscá-los. Não descansaram, apenas chegaram e logo estavam no caminho de volta. Durante o regresso, foi relatado o primeiro ataque de orcs nas estradas elficas.

    A garota, pegou o primeiro cavalo que viu em meio a confusão e galopou, enquanto os guardas tentavam conter o bando. Era uma égua e estava prenha. Seus passos tocavam o chão como brisa flutua no ar. Embora, as duas ainda estivessem sendo seguidas, havia uma grande distância a ser percorrida pelos orcs. Liteeliniel aliviou-se ao ver os portões da cidade. Porém, pouco antes de atravessa-los, a égua tropeçou e elas se separaram.

    Foi o suficiente para que as malditas criaturas pulassem em cima do animal, cobrindo-o por uma nuvem preta. Uma chuva de flechas veio das árvores e delas, desceram elfos arqueiros. Eles levaram a garota, que deu seu último grito em socorro do cavalo antes de desmaiar.

    Ela acordou apenas no dia seguinte, já em seus aposentos, e procurou o animal. A égua estava em uma baia separada dos outros. Ao se informar sobre, a elfa descobriu que ela estava tão selvagem como se nunca tivesse convivido em qualquer comunidade antes e assim que se aproximou dela, foi mordida em sua braço direito propositalmente e ferozmente. Decidiu dar um tempo a ela.

    Meses se passaram e a primavera chegara, cheia de alegria. E com ela, um novo corcel fora trazido a vida. Ao saber da noticia, Liteeliniel, entusiasmada procurou o potro, mas ele não estava junto com os outros. Estava com sua mãe, a égua intocada e revoltada.

    Ela não permitiu que nenhum bípede se aproximasse dela. No entanto, a garota não desistiu. Subiu num pilar, laçou o seu pescoço e a trouxe para um pasto cercado, onde a soltou.
    No dia seguinte, a elfa trouxe consigo, uma rapada de aveia e maça. O cavalinho se aproximou curioso. Alguns minutos depois, já comia em sua mão. Indignada, a mãe, galopou furiosa na direção dos dois, separando-os e obrigando o filhote seguir-la.

    À noite do mesmo dia, a garota examinava as estrelas e pouco a pouco, sem perceber, se aproximava do cercado proibido. Chegou a sentar-se e encostar na cerca. Suas pálpebras se tornaram pesadas e cada vez mais o brilho das estrelas se tornava apenas uma lembrança: adormeceu. Sonhou profundamente. Até que foi acordada. Algo puxava seu cabelos. Assustada, ela se virou e caiu. O potrinho a olhava de um jeito estranho. Ele passou por entre duas toras paralelas da cerca e se aproximou dela mesmo assim.

    Ao ver o balde da mistura que fizera antes ali encostado alimentou o pequeno. Ambos brincaram por um tempo e depois, ela deitou na grama e ele colocou a cabeça em seu colo. Dormiram juntos.

    O sol escaldava-se cada vez mais e a garota acordou assustada e sozinha. O pequeno corcel já houvera de ir ao encontro de sua mãe, antes que ela acordasse, para que não se zangasse.

    Todas as noites repetiam o mesmo encontro e a cada vez ele parecia mais emocionante. E assim, alguns meses se passaram.

    A égua, estranhado o cansaço excessivo do filhote durante o dia, resolveu espiona-lo. Ficou atrás de uma enorme figueira . Assim que viu como ele escapava para ficar com uma elfa, sua indignação e medo se transformaram em um profundo ódio.

    Na noite após a descoberta da mãe, Liteeliniel, que ainda não soubera, foi encontrar o potro, agora encorpado em um cavalo e cada dia mais bonito. Mas a imagem a se revelar no escuro não foi a dele, e sim o da égua. Murchou as orelhas e correu para um ataque mortal à jovem. Assustada, essa largou tudo e correu, porém, não era rápida o suficiente: levou uma cabeçada e caiu. Teria sido seu fim se em sua defesa, o corcel não tivesse empurrado a mãe e ficado parado em frente a Liteeliniel.

    Ao ouvir os barulhos, elfos surgiram de todos os lados e a égua assustada fugiu. Dela, nunca mais se soube. O potro correu atrás da mãe sumindo na estrada escura. A jovem , pensando que finalmente achara o animal ideal, havia se enganado.

    Dias de sol se passaram, mas o cavalo não retornava.

    Num dia nublado e escuro, Liteeliniel estava apenas caminhando e quando olhou para o céu, viu das nuvens, um cavalo se formar. Patinou por elas e desceu até a montanha mais alta, onde empinou. Ao vê-la galopou em sua direção. As lágrimas da jovem escorriam por seu rosto uma a uma. Ao se depararem, ela abraçou, agarrou em seu pescoço e montou nele. Cavalgaram sozinhos durante três dias seguidos.

    Algumas semanas depois, descobriu-se que ele era da linhagem dos Mearas. Eles se amaram. Seu nome, ficou Hasufel, quem desceu dos céus para servir Liteeliniel pela sua eternidade.













    Obs: Se alguem tiver a música When You Love Someone - Bryan Adams, coloque-a enquanto estiver lendo a historia, ela tem tudo a ver!!! :wink:

    Deixem opiniões!!! :obiggraz:
     
  2. liteeliniel

    liteeliniel Usuário

  3. Excluído004

    Excluído004 Excluído a Pedido

    :lily: Lindo.... :D :mrgreen: :grinlove: :D
     
  4. Vinci

    Vinci Usuário

    Olha, Lit, a ideia foi boa, o conto ficou legal, mas devia ser escrito com mais detalhes. A história e o enredo ficaram legais, mas acho que ficou meio confuso para o leitor.
    E eu não entendi o final. O Hasufel desceu do céu e aí foi pro morro, desceu e foi correndo pra Liteeliniel... E aconteceu o q? Não saquei...
    E cuidado! Vc usou HUMANA no lugar de ELFA...
    Que minhas críticas não tenham te traumatizado, volte a postar aqui, sim senhora!

    Vinci
     
  5. **Anarya**

    **Anarya** Usuário

    LIte, ficou mto cuti!!!! :obiggraz: mto bom sim. mas vc podia deixar maior :D
     
  6. Heruost

    Heruost Banned

    Ficou legal....
     
  7. O Sujo de Sangue

    O Sujo de Sangue Usuário

    Ficou muito fofo!

    Impossível não sentir a inoscência da escrita, imaculadamente pura.

    Muito bom!
     
  8. Saranel Ishtar

    Saranel Ishtar Usuário

    ÓTIMO!!!
    Adorei!!! Eu não consigo inventar histórias com o mundo de Tolkien...só com Frodo! :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen: Mas essas são secretas.......... :grinlove:
     
  9. Q Lindo Ju!!!! vc tah de parabéns... devia colocar outras histórias como esta!!! bjão! :grinlove:
     

Compartilhar