1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Lembas][rapsódia do vestibulando]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Lembas, 27 Dez 2003.

  1. Lembas

    Lembas Usuário

    [Lembas][rapsódia do vestibulando]

    Uhn, desafiei-me a escrever sobre algo que não queria. Acho que ficou legal....

    Rapsódia do Vestibulando

    Luzes, câmera, ação! O despertador toca, filho da mãe. Mas uma ironia cruel do cotidiano que esse maldito aparelinho paraguaio made in China seja o arauto do novo dia. E hoje, da nova vida. Ou não, pois como em todos os dias cruciais, seu final era incerto e angustiante. Não obstante, ela se levanta e se arruma, tentando pescar nos resquícios do sonho mal dormido algum augúrio para o teste. O Teste. Testando seus últimos onze anos de vida... Valeram a pena ou foram privada abaixo? Um arrepio gélido percorre seu estômago. O primeiro de muitos, por certo. Beija seu escalpulário e veste-se com esmero. Até mesmo cuidar da vaidade era uma tentativa desesperada de melhorar seu ego naquele dia. E se não passasse? E se passasse? E se se sentisse sensível (aliteração é uma figura de linguagem onde os sons são repetidos para gerar musicalidade)? E se vomitasse em cima da prova? Pega a bolsa, checa a ponta do lápis, a carga da caneta, o passe de ônibus e sai. É tudo ou nada. É guerra. É o Vestibulaaaar.

    "Come as you were...as you are... as I wanted you to be" Nirvana a todo pique pelos fones do diskman. Da janela do ônibus, a cidade até parece a mesma, sem parecer se importar com os tantos futuros que serão definidos hoje. Ele também não se importa. De que adianta ficar nervoso? Qualquer tentativa de planejamento é como implorar para o destino puxar o seu tapete. Então, que se dane. Ele só se lembrou de pagar a inscrição meia hora antes do prazo final, bicho estúpido. Mas pelo menos tinha dado certo. Ele está curioso com a densidade de metaleiros fazendo a prova, e quantos deles serão realmente bangers e quantos seriam nerds e posers disfarçados. No ano passado, tinha dado pra analizar a fauna graças ao atraso no início da prova. Esse ano não seria diferente. No entanto, no ano passado também ele cultivava esperanças, também ele traçava sonhos e planos. A pneumonia de depois do resultado do exame, pega na noite em que ele celebrava seu sucesso no vestibular, acabara com isso. Agora, ele era o vestibulando soro positivo. E daí? De certa maneira significava que ele tinha liberdade total para gabaritar ou zerar as provas. "come as you are, vestibular!". Ele brinca com as rimas, trovador urbano que não deixara de ser.

    Multidões se juntando na frente do portão. Gente se amontoando pra conferir as listas das salas. Mas o que importava isso? " A DDP DOS RESISTORES ASSOCIADOS EM PARALELO É CONSTANTE!!!!!" Com os cadernos no colo ele estuda febrilmente. Ele vai passar. Ele tem que passar. Em primeiro, para honrar o nome da família. Para isso os dois anos de cursinho entremeados no Ensino Médio. Por isso ele ainda era o ÚNICO VIRGEM de sua turma. Ele franze o rosto com tal desespero que o óculos desliza até a ponta do nariz. Seu hálito tem a fragrância do vício de cafeína. Por quê ele não podia ser um nissei normal, baladeiro e fanático por animes? Ora, porque seu pai, Yuri Kawasaki, havia sido o PRIMEIRO. Era seu dever, sua honra. Para isso ele praticava kendô com a física, ju jitsu com a matemática e figurava como o estereótipo do japonês neurótico para sua aloprada professora de História, quer carinhosamente o apelidara de Hirohito.

    Os portões se abrem. Os caras dos cursinhos fazem um corredor polonês enfiando panfletos, suquinhos, lanchinhos e fichas de fórmulas ao bando de condenados àquele sistema segregador e injusto (maldito Vargas!). Seguindo coincidentemente juntos, a patricinha, o meteleiro e o nissei se dirigem à mesma sala 5A, junto a outras patricinhas, metaleiros, nisseis, cdfs, paraquedistas e "amadurecidos" em busca de novos horizontes. A fauna é diversa sim, mas os elementos que compôe e sua história são sempre os mesmos em diferentes combinações: citosina, guanina, timina e adenina. Estudiosos, vagabundos; ricos, pobres; desesperados, non chalants... todo mundo com garrafinha de água mineral, barra de cereal e estoque de bombons como seu parco arsenal contra uma prova de fogo. Silêncio. O fiscal dá as instruções. O metaleiro percorre o olho pela sala, divisando quem alí se sairá bem. A patricinha brinca com o cabelo, lembrando de (puxa!) rezar um Santo Anjo. O nissei repassa fórmulas "compostos aromáticos possuem um anel em seu interior!!!". As provas circulam lentas, como relutantes oráculos do futuro deles, todos crianças entre 16 e 55 anos, apavorados com mais um descarrego do mundo cão.

    - Podem começar!!!! - e subitamente o mundo acaba num papel.
     
  2. Minas Ecthelion

    Minas Ecthelion Usuário

    Muito legal! O mais interessante são as observações do narrador a respeito de todo o ambiente à volta. Bem descontraído, muito legal de ler! :wink:
     
  3. Thrain...

    Thrain... Usuário

    Gostei de vc ter representado a angustia atravez de três diferentes pontos de vista, apesar de ter usado três esteriótipos bem batidos...

    Fora isso dos esteriótipos, a visão do teste que os três tem e os "comentários " do narrador ficaram mto bons...
     
  4. Cults

    Cults Usuário

    Nossa, excelente! O final foi perfeito, nem imaginava que fosse terminar, e de repente bum!, acaba. "e subitamente o mundo acaba num papel" - isso foi realmente ótimo.
     
  5. karenina

    karenina Usuário

    ehehehhe
    naum sei pq me identifiquei...
    muito bom!!
     
  6. Fera

    Fera Sóbrio habitual

    Muito bem bolada, o tom envolvente e meio que progressivo junto com o final que desaba de uma vez deu um tom impactante no seu texto.

    Resumindo, gostei muito. :wink:
     
  7. Melkor- o inimigo da luz

    Melkor- o inimigo da luz Senhor de todas as coisas

    Adorei, Bolinho. A frase final foi perfeita.

    Não conhecia esse seu lado artístico! =)

    Parabéns!
     
  8. Lembas

    Lembas Usuário

    Os estereótipos são propositais... eu senti as pessoas lá fazendo a prova tão massificadas, porque o mecanismo de entrada no vestibular ignora o indivíduo em seu conjunto de sonhos, objetivos e potencialidades, só o quer resolvendo a porcaria da prova. Assim o que sobra é o punk, o nerd, a paty, o falastrão...uma sensação horrível.
    Na primeira fase da fuvest havia uma menina do meu lado, uma paty simplificando, prestando pra direito, que foi entrando em pânico enquanto a prova não vinha e um infeliz com a camiseta do Blind Guardian dizia como ele era fodã*. Enquanto eu acalmava a garota, ficava me perguntando onde estaria a dignidade da situação... e se ela estivesse prestando pro mesmo curso que eu, eu tentaria ajudá-la mesmo assim?
    E quando se está lá, parece que tudo o que importa termina naquela folha de papel, suas perguntas te desafiando a dar rumo na própria vida.
    O texto é cômico, a situação é lamentável.
     
  9. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    Eu deveria ter lido isso antes 8O

    :clap: :clap: :clap:

    Excelente a descrição inicial do desespero e ansiedade.

    Excelente as sensações e julgamento do personagem acerca das pessoas à sua volta.

    Excelente a forma de como um situação comum foi narrada de forma maestral, com as palavras certas, tornando a leitura imensamente agradável :obiggraz:

    Os estereótipos são necessários sim, um recurso para explicar rapidamente as pessoas envolvidas. Mesmo pq na vida real as pessoas se valem de estereótipos para se referir as pessoas. Isso não significa que todos hajam da mesma forma, mas fica sub-entendido. Normal.

    A cobrança que o jovem sente, o peso da obrigação, muito bem retratados, muito bem lembrados, muito bem descritos :D

    :lol:

    Em resumo, adorei o texto. 8-)
     

Compartilhar