1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Laurelin Vox][Reação em Cadeia]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Northern Lad, 21 Abr 2003.

  1. Northern Lad

    Northern Lad Usuário

    [Laurelin Vox][Reação em Cadeia]

    Notas iniciais: Este não é um texto para ser levado sério. O tom é escrachado e foi feito sem compromisso.
    ------------------

    Reação Em Cadeia

    "Salvador, Bahia. Começou com uma nota de um real, dada a um vendedor ambulante em troca de um prendedor de cabelo, comprado por uma menininha de 10 anos. Era o único lucro que ele havia tido naquele dia. Estava faminto, e resolveu gastar comprando um acarajé na barraquinha da Dona Jandira. Feliz, saiu comendo, e Dona Jandira colocou o dinheiro no bolso... ou pensou ter colocado, pois em sua distração deixou que ele escapasse de sua mão.


    A nota voa ao vento até o meio da rua. Dona Jandira nem percebe e continua gritando:

    - Olha o acarajé, é um real!

    Nesse momento, passa um garoto pela mesma rua, no mesmo momento. Em um impulso sai correndo atrás da nota, no meio da rua. Não há dúvidas que ele foi atingido por um carro.


    Minutos depois, chega uma ambulância. Horas depois, ele recupera a consciência. O médico diz que ele só sofreu alguns arranhões leves, e que logo seria liberado. Mas o garoto diz que não tem para onde ir. Sua mãe morreu quando ele era muito pequeno, e nunca chegara a conhecer seu pai.


    O médico acaba adotando o garoto, já que sua esposa não podia ter filhos.


    Anos depois, esse menino se forma em direito, tornando-se o orgulho da família (que era o médico, sua esposa e sua filha legítima, sete anos mais velha que o menino). Na faculdade, conhece uma moça chamada Rafaela, que sempre fora sua rival nos estudos. Acabam se casando e tendo um filho, João.


    João nasceu em berço de ouro, pois o menino, agora um homem, se tornara um famoso e rico advogado. Sempre teve tudo na vida, mas nunca fora uma pessoa materialista. Cresceu e fez o científico, mas sentia-se preso. Aos 18 anos fugiu de casa, e passou a habitar em um navios de ativistas contra a matança de baleias. Seu pai, a princípio, fica furioso. Mas depois, compreende o desejo de seu filho, apesar de sentir muita saudade.


    Três anos mais tarde ocorre um acidente no navio, na costa sul da Argentina. João consegue escapar em um dos poucos botes, mas muitos morrerram, tragados pelo oceano. Com muito esforço chega à costa Argentina, e lá é tratado pelos nativos. Permaneceu com eles por um mês, e fez amizade, mas logo teve de partir para sua casa. Deixou um colar de ouro com os argentinos como lembrança, que havia sido dado a ele por sua mãe adotiva. Futuramente, ele ficou reconhecido mundialmente por fundar uma organização ambiental.


    Alejandro era o nome do argentino que ficou com o colar. Um dia viajou até Buenos Aires, e teve seu colar roubado por um paraguaio chamado Pablo. Ele era um muambeiro, e vivia da troca de mercadorias Paraguai-Brasil em Foz do Iguaçu. Lá, o colar de ouro foi passado para uma senhora de Curitiba, que o vendeu e usou o dinheiro no salão de beleza mais caro do Paraná.


    Edinei, o dono do salão, ficou com todo o dinheiro. Finalmente poderia fazer sua tão desejada viagem à Itália. Passando pela torre de Pisa, fica emocionado. Aquela era a viagem de sua vida! A viagem tão esperada à terra de seus parentes.

    Senta-se em um barzinho e começa a contemplar a beleza da torre.

    Três horas da madrugada, depois de muito vinho, sai correndo tresloucado e ultrapassa a linha que interditava a passagem de pessoas. Encosta na Torre de Pisa, e começa a socá-la gritando:

    - Itália! Itália! Amore mio!

    Os guardas percebem a movimentação, mas nada fazem, pois também estavam bêbados. A Torre interditada desaba sobre suas cabeças, desaparecendo para sempre da face da Terra.

    --

    Enquanto isso, aquele prendedor de cabelo, que custo só um real, foi passado de mãe para filha. Depois de três gerações, permanece intacto, na gaveta de Leandra, uma garota que mora em Salvador, Bahia. Aquele prendedor de cabelo. Em Salvador, Bahia."
    ----------------------------------
     

Compartilhar