1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Laurelin Vox][A Caverna]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Northern Lad, 18 Abr 2003.

  1. Northern Lad

    Northern Lad Usuário

    [Laurelin Vox][A Caverna]

    Taí um texto que eu não gostei muito... Acho que ficou meio chato e confuso. Pr isso queria ver o que vocês acharam.
    Eu não sou muito bom em textos sérios., e também escrevi esse muito rápido.
    ----------------


    A CAVERNA
    Tudo era escuro. A água pingava suavemente, mas para eles era um barulho ensurdecedor. O som se multiplicava em ecos inumeráveis... A impressão era a de que els não cessava jamais. Os pingos eram muitos, e se chocavam com a pedra fria num intervalo de tempo sempre igual, formando uma canção inquietante.


    Não havia saída. A passagem estava bloqueada. O ar era extremamente rarefeito.


    - Se não fosse você e sua ignorância - disse Joana - não estaríamos aqui.
    - Eu só estava tentando me divertir, tá legal? - respondeu Rafael.
    - Não, você só estava querendo mostrar que era superior. O que você quer provar?
    - Não quero provar nada... Porque veio, então?
    - Eu vim porque não queria ficar sozinha...
    - Mas o Manoel ficou em casa.
    - Não gosto dele.
    - Engraçado, você sempre está falando com ele.
    - Isso não é verdade, Rafael! Porque você fica fazendo essas coisas?
    - Parece que era você quem queria provar algo.
    - Eu não sou desse tipo orgulhoso...
    - Você tem uma máscara nesse seu rosto... Porque não a retira?
    - E você, diga-me que não tem? Sempre querendo parecer melhor. Sempre querendo ser o mais querido. Porque não deixa as coisas ocorrerem naturalmente? E você deveria ter sido mais prudente.
    - Já disse que se não queria vir, que não viesse. Agora arque com as conseqüencias.
    - OK, bonzão. Ache uma saída.
    - E você vai ficar aí, sem fazer nada?
    - Não, é que...
    - Não quer sujas suas mãos, né? Então tá, você fica aí.
    Nesse momento, um estrondo é ouvido dentro da caverna.
    - Não se preocupe - disse Rafael. - Eu vou resolver.
    O som da água continuava. A cada hora passada dentro da caverna, era como se a escuridão aumentasse mais e mais. Era como se séculos se passassem. E nada mudava.
    Rafael olhou para trás, daonde o som tinha vindo. Viu um vulto, escutou um barulho, e se encolheu. Percebendo que Joana o ouviu com medo, se envergonhou.
    - Vá lá, você não disse que ia resolver! - disse Joana.
    - Eu estou com medo. Vai você.
    - Eu não vou sujar minha roupa...
    - Sua roupa é mais importante que as nossas vidas?
    - Como pode ser tão egoísta! Se eu for lá, vou morrer!
    - Não, mas simplesmente vai estragar sua maldita maquiagem!
    E Joana não falou mais nada.


    Com eles estava Carla. Sempre quieta, sempre observando. Lá ela foi. Sempre Carla, sempre em seu canto. Sempre retraída, parecendo tão vazia. Mas tão mais plena e bela que os outros. Lá foi Carla, e atravessou o que não era senão uma pedra caída, que abria uma passagem pela qual era possível enxergar uma luz.

    - Achei a saída. - disse ela.

    Rafael e Joana seguiram Carla, e finalmente puderam sair da caverna escura. Eles, tão mascarados, tão falantes e tão vazios, tão extrovertidos e tão mesquinhos, tão aparentemente confiantes quando o olhar alheiro é o pior de seus medos... Eles, tão perfeitos, tão cheios de problemas. E Carla, tão estranha, tão quieta, mas que a nada teme, pois é o que é. Máscaras destruídas por uma escuridão de caverna, por uma inquietação insufocável... E Carla, sem máscara, a única que achou o caminho. Pouco a pouco, tudo entrou em ruína. Rafael e Joana, sempre tão confiantes, sempre tão fortes, sempre tão fracos. Carla, sempre tão fraca, sempre tão forte. Sempre as aparências e as máscaras impedindo nossa visão.
     
  2. Clarice Starling

    Clarice Starling Usuário

    Nossa.. ficou perfeito.
    nao está chato, eu adorei.
    Parabens :mrgreen:
     
  3. Green Arrow

    Green Arrow Usuário

    Ótimo texto. Mostra a superficialidade de hoje em dia muito bem.
     
  4. Thrain...

    Thrain... Usuário

    O texto em si ta bom...

    Só acho que num precisava do finalzinho... A parte sobre mascaras... o texto mais compacto e sem essa "conclusão" no final ficaria melhor.
     
  5. Green Arrow

    Green Arrow Usuário

    Não concordo. Acho que realmente foi a parte das máscaras que fez pendant com o resto do texto. É um texto bastante simples e parece com uma das fábulas de Esopo
     
  6. Northern Lad

    Northern Lad Usuário

    Eu coloquei o finalzinho porque achei que ficaria meio mal-explicado... nem todo mundo iria entender, eu acho!

    E também pcausa disso q o Green Arrow falou!
     
  7. Thrain...

    Thrain... Usuário

    é mas tá um pouco ressaltada demais a idéia com o final assim....
    mas, de qualquer jeito, so só eu que to flando...
     
  8. Liurom

    Liurom Usuário

    Comentário SdL

    Pontos positivos e compreensão da história: Muito legal o seu texto. A história é aparentemente simples: três amigos presos numa caverna. Enquanto dois discutem, a outra acha a saída. O texto, na verdade, parece ser uma crítica à superficialidade mesquinha e arrogante dos outros dois e mostra que a verdadeira virtude nem sempre é evidente.
    Não sei se foi intencional, mas há uma metáfora bem interessante no texto. Você conhece o mito da Caverna de Platão? Segundo o mito, a maioria das pessoas está presa numa caverna e só vê sombras, acreditando que as sombras são a realidade. Só que, através da sabedoria, o filósofo escapa da caverna e torna-se capaz de ver as coisas como elas são. Quando retorna, ele tem dificuldade em convencer as outras pessoas de que as sombras que elas vêem não são a realidade em si.
    Sua história não é igual ao mito da Caverna, mas tem duas semelhanças. Os dois amigos que ficam brigando estão mergulhados nas sombras, presos na caverna e preferem continuar assim mesmo, em vez de correr o risco de se libertar, de encontrar a luz. É Carla, a mais virtuosa, que consegue encontrar a coragem para escapar das sombrar e indicar o caminho da liberdade para os outros dois.
    Pontos negativos: se tem que criticar alguma coisa, vou mencionar um aspecto de linguagem somente. Você poderia tentar eliminar uma ou outra expressão que podem soar para alugmas pessoas como lugar-comum. Por exemplo: "formando uma canção inquietante". Ou essa frase: "A cada hora passada dentro da caverna, era como se a escuridão aumentasse mais e mais". Para você tentar identificar os clichês tente imaginar se você já ouviu essa frase antes. É assim que eu faço. Mas não se preocupe muito com isso. Esse negócio de não usar clichês é mesmo muito, muito difícil... Eu, pelo menos, tenho uma tendência horrível de usar esse tipo de expressão.

    O texto é muito legal. Acho que a idéia nele proposta é bem atual.
     
  9. Northern Lad

    Northern Lad Usuário

    Parabéns, parabéns. Entendeu exatamente o que eu queria passar. Que bom!

    Bem, se teve metáfora não foi bem intecional. Eu já ouvi falar nesse mito da caverna, mas não o usei para produzir o texto. Ele é bem interessante, acho que tem um pouco a ver...

    Obrigado pelas críticas, espero melhorar ;)
     

Compartilhar