1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Knolex] A Traição é uma Falácia

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Knolex, 27 Nov 2003.

  1. Knolex

    Knolex Well-Known Member In Memoriam

    [Knolex] A Traição é uma Falácia

    Antes de postar o texto, quero só fazer um adendo.. esse conto eu escrevi prum trabalho de Lógica sobre falácias... é um texto meio vendido ao tema.. mas no fim, acabou ficando meio elgal como conto isolado, e umas pessoas do fórum me convenceram a postar aqui... é curtinho...
    Ah sim... é claro que eu retirei o posfácio que explica as falácias do texto e suas definições, etc. :mrgreen:
    _______________________________________________________

    A Traição é uma Falácia


    Já passavam das duas horas da manhã quando Johnny Tartuso entrou em seu apartamento com calma e jogou seu casaco no sofá, mesmo estando encharcado da chuva que ainda caía do lado de fora. Com um arfar de desolação em direção à janela, de onde podia se vislumbrar uma embaçada paisagem do Brooklyn, seguiu até um pequeno bar que mantinha na sala de estar, e encheu um copo com seu scotch favorito. Não tinha sequer bebido o primeiro gole quando ouviu um barulho vindo do corredor que dava no único quarto da casa, e se deteve com o copo já tocando a boca. A luz do corredor se acendeu e pelo reflexo na garrafa ele reconheceu o vulto que agora estava parado apenas alguns metros atrás de Johnny.

    - Nada como um drinquezinho após uma noite como essas, hein Johnny? - disse o vulto.

    - Al... err... você aqui? Achei que tivesse ficado isolado após a emboscada.

    A figura do corredor é Al Greene, funcionário de alta confiança de Michael Gambone, para quem Johnny trabalha.

    - É claro que você achou, não? Decepcionado em me ver?

    - Pelo contrário, Al! Pelo contrário! Apenas um pouco surpreso de encontrar você aqui na minha casa, a essa hora, depois de tudo que aconteceu hoje. Aceita uma dose?

    - Não bebo essa porcaria.

    - Não é porcaria, posso assegurar a você. É o melhor scotch que existe.

    - Você já provou todos os scotchs que existem?

    - É claro que não, mas o que...

    - Então como pode afirmar que esse é o melhor que existe?

    - Ora, Al... Você entendeu o que eu quis dizer.

    - Sim... Por mais tola que tenha sido a afirmação, eu entendi. Aliás, espero que você possa me ajudar a entender várias outras coisas.

    - Como assim?

    - Como a polícia ficou sabendo do carregamento? É bem estranho que eles estivessem lá na exata hora e local.

    - Eu fiquei tão surpreso quanto você. Você acha que eles já estavam nos rastreando?

    - Seria muita ingenuidade acreditar na inteligência dos tiras. Se eles tivessem qualquer capacidade de investigação, ou até mesmo de dedução, todos nós já estaríamos na cadeia há tempos, ou até mesmo mortos. Não... sejamos realistas. Eles souberam porque alguém contou. E vim aqui pra decidir como lidar com esse traidor.

    - E quem você suspeita que tenha sido o dedo-duro?

    - Achei que a minha presença aqui já tornasse óbvia minha suspeita. Acredito que você tenha passado as informações para a polícia.

    - Que absurdo! É claro que você está enganado, Al! Eu jamais faria isso com o Sr. Gambone!

    - Pois bem... Se for verdade o que você está falando, com certeza teria como você me ajudar a descobrir que mais poderia ter sido, não acha?

    Johnny limpou o suor e tentou controlar as engasgadas que incomodavam sua garganta desde que havia notado a presença de Al. Nervosamente passou os olhos pelo seu casaco no sofá, mais perto de Al Greene do que dele.

    - Acho que posso tentar ajudar. - disse Johnny - Não tenho idéia de quem tenha feito, mas se avaliarmos cada envolvido calmamente, talvez dê pra ter uma idéia ou duas.

    - Não vim aqui pra ter idéias, vim pra ter o nome do traidor.

    - Tem aquele garoto, o aleijado!

    - Billy "Maneta" deSanti? Devo admitir que estou curioso pra saber suas razões de suspeitar dele. - ironizou Al.

    - Em toda missão que ele vai acontece algo de errado.

    - Pare de falar baboseiras, homem! Nas pouquíssimas missões onde ele esteve, nenhum dos problemas esteve relacionado com ele. Como culpar o garoto pelo temporal ter feito o navio que trazia o tabaco da América Central virar? E só falta você me dizer que a morte de Emiliano Rossi é de responsabilidade dele.

    - Mas pode ser!

    - Cale a boca! - Al já não tinha o sarcasmo inicial, e esbravejava - Rossi tropeçou na barra de uma calça nova dele e ao cair disparou contra o próprio peito!

    - Tom! Tom Malaghi! Você sabe que ele é da pior espécie de ser humano possível! Mentiroso, traiçoeiro, egoísta, sádico!

    - Por que, ao invés de tentar simplesmente difamar o Tom, você simplesmente não me dá argumentos que sustentem a suspeita? Afinal, é deveras injusto que ele sofra tantos julgamentos rasos seus sem sequer poder responder. A menos que você aceite discutir isso frente a frente com ele. Que tal?

    - Não sei... talvez.

    - Infelizmente, isso não será possível. Ele foi o primeiro a ser baleado na emboscada. Levou um tiro saltando na minha frente enquanto eu tentava levar o Sr. Gambone pro carro. Desde quando o traidor se deixaria ser assassinado durante a operação, pra salvar aquele que ele traiu?

    Johnny olha novamente para o casaco. Al percebe.

    - Sim... - diz Al se recompondo - Sim. Sua arma está no casaco, não é mesmo?

    Johnny baixa a cabeça. Al ri baixinho, dominando ainda mais a situação.

    - Sabe o que me intriga, Johnny? Por que motivo alguém inocente estaria tão desesperado pra pegar sua arma?

    Com um movimento rápido, Al saca sua arma e a aponta diretamente para a cabeça de Johnny. Ele caminha olhando para Johnny e chega até o casaco. Sem desviar os olhos, apalpa a peça mal-cheirosa de couro e acha a pistola. Novamente solta uma risadinha irônica e guarda a pistola de Johnny para si.

    - Acho que não temos mais nada a discutir. Já está bem claro que foi realmente você quem passou todos os dados do carregamento de hoje para a polícia. Você conhece os procedimentos nesse tipo de caso. Já sabe o que vou fazer.

    Johnny se joga de joelhos no chão, com as mãos cerradas contra o próprio rosto em desespero, chorando e berrando.

    - Por favor, não! Eu não tive escolha! O Detetive Horton veio aqui, da mesma forma como você está hoje, e me ameaçou. Ele disse que ia me prender e torturar até que eu contasse tudo sobre a organização.

    - Era tudo o que eu precisava. Uma confissão.

    - Por favor, Al, você me conhece! Sabe que eu não faria nada contra o Sr. Gambone! Me dê só mais uma chance! Só uma audiência com o Sr. Gambone e tenho certeza que ele entenderá e me perdoará. Você conhece minha mulher e meus dois filhos que vivem em Boston, Al! Eles não sabem que trabalho pra Máfia! Eu não quero que eles vejam no jornal amanhã que o pai deles era um vagabundo qualquer que foi apagado por traição, e que agora eles são órfãos! Por favor, Al! Eu sei que você tem um bom coração!

    - Johnny, você já devia saber algo depois de tantos anos trabalhando para a organização. Eu sempre fui o mais fiel empregado do Sr. Gambone , seu assassino de confiança, sua espada inclemente, que respeitava a ele como um pai. Um pai que, depois da sua traição, foi morto por policias na emboscada. Você não sabia disso, não é? Se soubesse, provavelmente teria fugido de imediato. Como eu disse, ele era como um pai pra mim. Se eu o amava? Nunca amei ninguém. Você disse que tenho um bom coração. Mentira. Assassinos não têm coração.

    Com um único disparo, Al Greene eliminou Johnny Tartuso, e saiu calmamente do apartamento.

    FIM
     
  2. Ow, ficou foda. Mas acho que se fosse um pouco maior ia dar para explorar mais a história e ia ficar muito fuderoso. Mas em forma curtinha de conto ficou maneiro também, parabéns Knolex :clap:

    E eu continuo sem saber o que é uma falácia :think:
     
  3. Strider

    Strider Usuário

    Falácia é mentira, engano etc. :D

    É, eu gostei. Tava com um pouco de preguiça de ler, mas comecei e a história me envolveu. Apesar de ser bem pequena, os diálogos conseguiram desenvolver legal a trama e os personagens - dá pra imaginar o Al (Pacino? :roll: ) com um terno todo preto, cabelo todo pra trás etc. :wink:
     
  4. Knolex

    Knolex Well-Known Member In Memoriam

    Não.. o Al é uma homenagem ao capanga do Michael Corleone, Al Neri... o sobrenome tb é referência a Godfather... Moe Greene, aquele cara de Las Vegas do primeiro filme.
     
  5. Nossa, curtíssimo. Bom, mas curto demais. Não que eu tenha algo contra textos curtos, alguns conseguem ser extraordinários em apenas 4 linhas, digamos... só que o seu tava bem interessante, bom potencial, e termina rapidinho. :obiggraz:

    Tão rápido que não chega a aproveitar esse tema de lógica tanto quanto eu pensei que ia aproveitar. Acho que você podia botar aqui sim a sua introdução do trabalho, só por curiosidade. :D E você poderia, através de lógicas, fazer um final mais interessante... tipo, esse aí não fez a história sair do lugar... talvez no fim das contas, através de um raciocínio, chegasse a conclusão que o traidor na verdade é o Al... ou algo do tipo. =P

    Você escreve bem. =)

    Marcinho, falácia é enganação, logro... por aí. :P
     
  6. Knolex

    Knolex Well-Known Member In Memoriam

    Eu ontem comecei a pensar na idéia de escrever sobre o futuro de Al, agora que o Gambone está morto, e a "família" está desfeita (ou em transição, ainda não decidi)... independente de que rumo seguir, o Al será o protagonista, e a respeito de ser bom ou mal, isso é relativo num texto como esse... ele terá sua própria moral, etc...
     
  7. Melkor- o inimigo da luz

    Melkor- o inimigo da luz Senhor de todas as coisas

    Muito bom, Knolexy... Adorei como você faz o leitor ficar ansioso pra ver se o Johnny vai se safar... Me supreendeu no fim, apesar de eu ter certeza de que ele ia morrer assim, com uma frase curta e direta (acho que tudo leva a esse raciocínio).

    Parabéns mesmo, adorei! ^^
     
  8. Chester Cubano

    Chester Cubano Chester_Cubano

    BOM BOM BOM BOM! :clap:
    Muito bom!!!! :clap:
    Nota 10!!! :clap:
    Tem mais ou acabou???
    Se tiver bota logo ai!
     
  9. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Muito bom, Knolex. Adorei as referências ao Poderoso Chefão :grinlove:

    O fato da história ser curta não chega a ser um problema. Contos funcionam assim: as vezes precisam de muito para que se chegue ao clímax, as vezes precisam de pouco. O que importa é como o clima é construído, e nesse caso está muito bem feito.
     
  10. muito bom mermo Knolex..

    muito bem explorado o dialogo.....gostei muito e espero q tenha mais por vim .....e uma boa ideia deixar Al como o protagonista.

    Ah, so uma coisinha, acho q poderia ficar melhor ainda, se tivesse explorado mais a descriçao da cena, em q Al e Jhonny se encontravam....tipo falar do medo, dos sentimentos mais entendeu......mas ficou bom mesmo assim!
     
  11. Curunír

    Curunír Usuário

    É, eu também gostei. A história é envolvente, a caracterização dos personagens logo me fez criar uma imagem para cada, o texto é coeso e conciso.

    Interessante que, no momento que o interrogatório termina, acaba também o texto. Isso me pareceu uma ênfase ao objetivo do texto de ser um trabalho pra lógica, sobre falácias.

    Gostei da idéia de você desenvolver essa história, Knol. :wink:
     
  12. Findëlaurëa

    Findëlaurëa Usuário

    Gostei :)
    Também não achei a história curta um problema. Ficou interessante, prendeu minha atenção, está bem escrita, etc. :clap: Concordo com o Ristow que se a lógica fosse mais explorada no final, ia ficar mais interessante ainda :wink: Mas tá bem legal.
     

Compartilhar