• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

[L] [Ka Bral o Negro][O Aventureiro e a Fada da Floresta]

Ka Bral o Negro

Tchokwe Pós-Moderno
[Ka Bral o Negro][O Aventureiro e a Fada da Floresta]

O Beijo da Fada da Floresta

E em meio à melancolia
Há enorme beleza
Na possível tristeza de outrora
Há delicadeza e doçura
Sincero amor oculto
Por sinistros pensamentos de dúvidas
E anseios
Cativante de modo tal
Que por apaixonar-se imensamente fácil é
Como nunca visto antes
O que no futuro poderá ocorrer?
O delicado toque de mào
Suficiente é para corações derreter
Mesmo o mais endurecido
E assim ela é
Bela Fada da Floresta
Das elfas a mais bela
Poderosa feiticeira
Que de forma ierrparável enfeitiçou
O grande guerreiro negro das áridas terras do Sul
O beijo da Fada da Floresta
Do qual ele sempre se lembra
E jamais se esquecerá
Momento máximo de carinho e amor
Como nunca antes por ele experimentado
Nunca antes
Eterna lembrança de amor
O Beijo da Fada da Floresta
 

Knolex

Well-Known Member
In Memoriam
Ka BRal.. provavelmente será um série tão boa quanto as outra.s.. mas não tinha titulo menos chabi não?
 

Ka Bral o Negro

Tchokwe Pós-Moderno
Senhor V, será no mesmo estilo que os outros, eu havia falado com a senhorita Lovejoy à respeito, perdão :wink:

O que quer dizer com "chabi", senhor Knolex? :eek:

Se esta série será boa não só o tempo poderá dizer, mas mesmo assim obrigado pelo apoio :mrgreen:

Vamos aos próximos poemas....
 

Fëaruin Alcarintur ¥

Alto-rei de Alcarost
Esse primeiro poema tá bem legal Ka Bral.

Só quero saber uma coisa, esclareça-me pois estou curiosíssimo:
Seria esse aventureiro Zaldar, sobre quem eu gostaria de saber mais??
 

Ka Bral o Negro

Tchokwe Pós-Moderno
Nascimento em meio a destruição

Ao sul do Estado de Dalressânia
A pequena vila de Zandara
Gente simples
Que simples vida levam
Felizes assim são
Da terra o sustento tiram
E satisfeitos assim estão

A pequena vila de Zandara
Vilarejo de gente simples
Homens de raça dalressana
Pele escura característica
E olhos cor de cobre
Vila comum
Como tantas outras

A ninguém fará falta portanto

E se fizesse
Que diferença para ele faria?

E então aparece
Barbarag
O Dragão das Trevas
Cuja a poderosa raça num longíquo passado
Governava suprema sob a Terra
Mas isso foi antes da Guerra
E da Catástrofe
E agora pelo Poder Negativo corrompido
O Fogo torna-se Fogo Sombrio
Fogo de Trevas e desespero
Que rapidamente a vida consome
E irreparavelmente a viva matéria destrói

O poderoso Dragão das Trevas
Uma gigantesca sombra sobre Zandara
Sombra de morte e desespero
Piedade nenhuma teve
Diversão pura e simples procurava
Prazer de matar e destruir
E de assistir ao alheio sofrimento

Barbarag o Dragão das Trevas
Cruel e covarde
Com o Fogo Sombrio tudo destruiu
Mais rápido do que um piscar de olhos
Zandara desaparecido havia
Homens, mulheres e crianças
Nem de gritar tempo tiveram
Em cinzas imundas transformados foram
Pelo Fogo das Trevas dolorosamente consumidos foram

E satisfeito então estava ele
O Grande Barbarag
Dragão maldito e impiedoso
Para seu lar voltava ele então

E nas cinzas
Daquilo que um dia fora a vila de Zandara
Escondido por escombros
E pelo corpo de seu bravo pai
Que até o momento último o filho protegeu
Estava um pequeno garoto
Cheio de dor e ódio no coração
Daldoran Zaldar
É o seu nome
E dele Barbarag se lembrará
Prometeu o garoto

Oh sim
 

Ka Bral o Negro

Tchokwe Pós-Moderno
DA DURA SOBREVIVÊNCIA

Pelo Deserto
Um garoto sujismundo
Pelo cruel Deserto
Anda um pequeno garoto

Zaldar
Sobrevivente único
De uma tragédia única
Ódio no coração
Lagarto maldito!
Haveria de pagar!

Pelo Deserto anda ele
o Grande Sol de Dalressânia
A ninguém perdoa
Vaga pelo Deserto
Comida e água?
Onde?

Algum líquido
O que era aquilo?
Não importa
Líquido
Um carcaça de animal
O que é aquilo que escorre?
Não interessa
Líquido
E a nojenta seiva
O garoto bebe com avidez

E sua carne imunda
Carne
Devora
Cru
O que se faz?

Dura sobrevivência
Como um animal
Mas movido pelo Ódio
Mantinha-se vivo
Sede de vingança
Quase desaminou
Mas vingada deveria ser sua família
Seu lar
Que não mais existe

Pelo Deserto vagava
Um pequeno garoto dalressano
Imundo e fedorento
Agora feroz como um animal
Com ossos caçava
Abatia suas presas
Deveroava sua carne
Carne crua
Um pequeno predador do Deserto
 

Fëaruin Alcarintur ¥

Alto-rei de Alcarost
Ka Bral, você está inspirado hoje não? :wink:

Interessante! Legal você mostrar a dureza do deserto. Algo que deveria fazer até um pouco mais. Dar mais um clima nas locações, descrever um pouco mais. Apenas uma sugestão. :wink:
 

Valinor 2020

Total arrecadado
R$1.470,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo