1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Ka Bral][Elfo da Luz - Relatos dos Sidhes de Outrora]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Ka Bral o Negro, 24 Dez 2002.

  1. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    [Ka Bral][Elfo da Luz - Relatos dos Sidhes de Outrora]

    O POEMA DOS ELFOS
    (ou O Relato dos Sidhes de Outrora)

    No início
    Haviam os Sidhes
    A quem os Homens chamam de Elfos
    Poderosos entre as Fadas
    E Senhores da Floresta
    Portadores de imenso Poder Mystico
    Superado apenas pela poderosa
    E orgulhosa raça dos Dragões

    E do líquido viscoso e puro
    Da Seiva Sagrada da Mais Velha das Árvores
    Emergiram então os Sidhes
    Mais belos dos seres
    Imensos em sabedoria e poder

    E em quatro Famílias distintas
    Se dividiram então os Sidhes
    Assim como são Quatro
    As Faces do Poder Mystico
    Fogo e Terra
    Ar e Água
    Em seu teor puro
    Tocados pelo Poder Supremo
    Assim são os belos Sidhes

    Os Elfos da Luz
    Maiores de todos os Sidhes
    Pele marrom dourada
    E dourados são seus olhos e cabelos
    Que brilham tal como o Sol de Arcamagom
    Poderosos e orgulhosos
    Mas esse orgulho porém
    Fora sua ruína

    Pois Zandar'eene
    A Rainha das Fadas
    A Mais Antiga dos Elfos da Luz
    E maior de todos os Sidhes
    Considerada Herdeira da Grande Mãe
    Pelo ódio e a loucura
    Deixara-se dominar
    E na Escuridão
    Irremediavelmente caíra
    Assim como quase todos
    De nossa raça infelizmente
    Uns por fidelidade e amor à Nobre Senhora
    Outros por motivos mesquinhos e obscuros
    A acompanharam no caminho desastroso e sem volta
    Rumo às Trevas

    E Elfos das Trevas
    Agora eles são
    De pele pálida sem vida
    Cabelos grisalhos envelhecidos
    E olhos completamente vermelhos
    Que brilham na mais sinistra escuridão
    Imersos em ódio e dor
    Manifestam o Poder Mystico Negativo
    Que controlam
    E que os controla
    Condenados a odiar e matar
    Até o fim de sua existência maldita

    Pouquíssimos Elfos da Luz restaram portanto
    E que não mais caminhamos no Mundo dos Homens

    Os Elfos da Floresta
    Alegres e despreocupados
    São os mais amigáveis
    De nossa orgulhosa e reclusa raça Sidhe
    São os mais próximos dos Homens
    Chegando a apreciar a companhia daqueles
    Que consideramos crianças tolas

    Alegres e despreocupados
    Porém grandes caçadores e guardiões
    Exímios conhecedores de suas florestas
    E mortais com arco e flecha
    Assim são os Elfos da Floresta
    Da mesma cor do tronco das árvores é sua pele
    E verde são seus cabelos e olhos
    Pois imensa é a sua ligação com os vegetais

    Os Elfos do Céu
    Os únicos alados
    Da nobre raça dos Sidhes
    E mais tímidos e reclusos eles são
    Evitam a presença do Homem
    Por temerem sua ganância e sede de poder
    E assim como os Elfos da Floresta
    Odeiam todas as criaturas que destroem as matas
    Mais vaidosos de nossa raça
    Desprezam os hediondos Duendes
    Por sua aparência macabra

    Os Elfos do Céu
    Também chamados de Sílfides
    Alados e graciosos
    Mais belos dos Sidhes
    Olhos azuis como o Céu
    E azul clara é a sua delicada pele
    Brancos são seus cabelos
    E delicadas asas de libélula
    Brotam de suas costas

    E por último
    (Não menos importantes porém)
    Vem os Elfos das Brumas
    Envoltos em névoas de mistério
    São ponderados e sábios
    Evitam contato com outros seres
    Porém não tanto quanto nossos irmãos alados
    Preferem os lagos e rios
    Pois maior familiaridade sentem com as águas
    E imenso é seu poder de controle sobre elas

    Os Elfos das Brumas
    Cujas as moradias secretas são envoltas por névoa
    Chuvas torrenciais são capazes de criar
    E assim alimentam as plantas da mata
    Exótica e bela é a sua aparência
    Pele cinzenta e cabelos prateados
    E olhos brancos com pupilas brancas
    Envoltos em névoas de sereno
    Que controlam com graça e maestria

    Assim descrevo portanto
    As Quatro Famílias de Sidhes
    Elfos da Luz
    Elfos da Floresta
    Elfos do Céu
    E Elfos das Brumas
    Acrescentando ainda
    O ramo desgarrado e sinistro
    Os Elfos das Trevas
    Ainda nossos irmãos
    Embora nos odeiem com todas as forças

    Assim são os Sidhes
    Belos e poderosos
    Nobres e orgulhosos
    Cuja imortal vida que nos fora concedida
    É benção e maldição ao mesmo tempo
    Pois enquanto o Poder Mystico
    Persistir nesta Terra
    Continuaremos a existir
    Nunca envelhecendo e definhando
    Pois do Poder Mystico viemos
    E a ele retornaremos

    O Relato dos Sidhes de Outrora por Tal'Aroon Elfo da Luz
     
  2. Fëaruin Alcarintur ¥

    Fëaruin Alcarintur ¥ Alto-rei de Alcarost

    Aí legal!!
    Curti mais os Elfos da Luz e das Brumas. Claro, os Elfos das Trevas tem um lugarzinho no coração, ehehe :wink:

    Essa estória será tipo em oposição aos Relatos de Dor e Ódio?
     
  3. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    Agradeço imensamente os elogios, amigo Alcarintur :D

    Ainda ouvirá muito falar dos Elfos das Brumas, aguarde... :roll:

    Oposição aos Relatos de Dor e Ódio? Logo saberá... :roll:

    Vamos ao próximmo poema...
     
  4. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    SIDHES

    Na Floresta do Esquecimento
    Caminha Tal'Aroon Elfo da Luz
    Mais Bela das Florestas
    Não pertence mais ao Mundo dos Homens

    Nas copas mais altas
    Das mais altas árvores
    Elfos do Céu executam seu belo
    E gracioso vôo

    Nos lagos e rios
    Erguem-se muralhas de névoa
    E nelas imenso prazer sentem
    Os misteriosos Elfos das Brumas

    Espalhados pela Floresta
    Cantando e dançando sempre
    Em maior número estão
    Os alegres Elfos da Floresta

    E em sua magnífica moradia
    O Palácio das Ilusões
    Estão aqueles
    Que governam supremos sob as Fadas
    Lá estão
    Belos e poderosos
    Os poucos Elfos da Luz
    Que restaram de outrora

    Na Escuridão do Mundo Subterrâneo
    Ruminando ódio e dor
    Estão os Elfos das Trevas
    Antes Elfos da Luz
    Agora não mais
    Odeiam tudo e todos
    Nada pode curá-los

    Na Floresta do Esquecimento
    Mais Bela das Florestas
    Não sopra o Vento Negro
    E sim uma leve brisa
    Leve brisa suave
    Abençoada pelo Poder

    O Poder Mystico

    suaves pensamentos de Tal'Aroon
     
  5. Knolex

    Knolex Well-Known Member In Memoriam

    hmmmmm...será que ao inves de ser uma oposição ao Elfo das Trevas, esse seria uma orignem?
    com a representaçãoi da Luz culminando do domínio das trevas?
    veremos...
     
  6. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    Pessoalzinho curioso.... :roll:

    Interessante definição, rapazinho

    Porém, logo saberá da verdade

    Oh sim, vc verá... :roll:
     
  7. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    SUPERIORIDADE

    O Poder Positivo que controlamos
    Não nos controla
    Pois não impomos nossa vontade
    Sobre os outros seres
    Mesmo estando acima
    Da inferioridade que nos cerca

    Superiores somos nós
    Criados assim fomos porém
    À imagem e semelhança
    Da Grande Mãe que tudo criou
    Arrogantes somos nós
    Perdoar-nos deveriam porém
    Pois de vida imortal séculos incontáveis
    Separam-nos da curta vida dos Homens Mortais
    Aos quais jamais ouvem falar de nosso paradeiro
    Nem sequer imaginam para onde vamos
    Após cerca de um milênio
    De existência no Mundo dos Homens

    Para onde vamos?
    Não cabe a mim responder
    Jamais será do conhecimento
    Daqueles de vida curta
    Não saberão jamais

    Grande Luz que me fortalece
    E que alimenta minha alma
    E que me confere poder
    Do qual bom uso faço
    A Grande Luz
    A Chama Sagrada
    Que concebeu todos os seres
    Que possuem vida mortal ou não
    O Fogo tocado pelo Poder Positivo
    Nos torna superiores
    A quase todas as criaturas
    Não é arrogância porém
    É fato
    Pois assim fomos criados

    E assim deve ser
    Jamais terminarei
    Como aqueles que caíram nas Trevas
    Aqueles que foram como nós
    A Queda Sem Volta
    Triste eu sei
    Mas eles foram fracos

    E não há lugar para fracos
    Entre os Elfos da Luz

    Tal'Aroon Elfo da Luz refletindo sobre acusações de arrogância que recebe dos Homens
     
  8. Fëaruin Alcarintur ¥

    Fëaruin Alcarintur ¥ Alto-rei de Alcarost

    Tá começando a ficar interessante...
    Bem arrogantes esses Elfos da Luz hein :tsc:

    Só uma pergunta Ka Bral: Esse Tal' Aroon tem algum parentesco com o Tel'Azzor??

    Pq seria beeeeem interessante... :aham:
    :beer:
     
  9. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    OS HOMENS MORTAIS

    Desafortunada é
    A raça dos Homens Mortais
    Dotados de vida curta
    Apesar de viverem esse pouco
    Com tamanha paixão e fervor
    Que quase equivalem a mil anos nossos

    A raça dos Homens Mortais
    Dominados pelo Fogo feroz de sua alma
    O Fogo Selvagem
    Que os torna inquietos
    Eternamente insatisfeitos
    Mas isso porém
    Os torna ambiciosos por demais

    A raça dos Homens Mortais
    Eternos insatisfeitos
    Multiplicam-se rapidamente
    Ampliando seus domínios
    E reivindicando para si
    Áreas que a eles não pertencem
    Moradias de seres ancestrais
    Mas os Homens Mortais
    Crianças tolas e prepotentes
    Não se importam
    Apenas tomam para si
    Tudo o que desejam

    Intrigante é a sua raça
    Imensa crueldade aparentam ter
    De acordo com minhas queixosas palavras
    Mas não se comparam em malignidade
    Àqueles que caíram nas Trevas
    Dos quais não citarei outra vez o nome

    Porém os Homens Mortais
    Apesar de demonstrarem nobreza incomum
    Em raras ocasiões diga-se
    E de serem mais propensos à Luz
    Apesar de suscetíveis à corrupção pelas Trevas
    Apesar de tudo
    A raça dos Homens Mortais nos intriga
    E é alvo de nossa eterna desconfiança
    Não sabemos como lidar com essas crianças
    Virtuosas e mesquinhas
    Justas e cruéis
    Amorosas e odiosas
    Tudo isso ao mesmo tempo

    A raça dos Homens Mortais
    Apesar de sua vida curta
    Um eterno enigma

    considerações de Tal'Aroon Elfo da Luz
     
  10. Finwen

    Finwen Usuário

    Uau!!! ai Ka bral, que elfos lindos!! bem mais esta sendo muito bem contado isso to adorando! para entender bem é preciso ler todos os relatos e isso é demais mais o tal`e o tel são parentes?
     
  11. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno


    Excelente!

    As pessoas lêem e gostam!

    Continuem lendom continuem fazendo suas suposições, e no fim terão sua resposta

    Vamos ao próximo
     
  12. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    A LUZ

    Para além da realidade
    Tal como a conhecemos
    Existe a Luz Ancestral
    E dela a Terra foi feita
    Mas não apenas a Luz
    É digna de adoração
    Todos os Quatro Elementos
    Os Quatro Aspectos da Realidade
    Merecem igual respeito
    A Luz somente é
    O Fogo tocado pelo Poder Positivo

    O Poder Positivo
    Que não controlamos
    Mas usufruímos de sua força
    E esse Poder não nos controla
    Mas ilumina nossas almas

    O Fogo Mystico
    Poder Puro
    Quando tocado pela Energia Positiva
    Torna-se Luz
    A Luz Ancestral de outrora
    Que brilha no semblante da Grande Mãe
    A Luz que tudo criou
    E a alma de todos iluminou

    Tal’Aroon Elfo da Luz
     
  13. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    Os Nobres Caídos

    Da Luz viemos
    E à ela retornaremos

    Em sua origem
    Mais poderosos somos nós
    Dentre todos aqueles
    Que pertencem à raça das Fadas

    Mais nobres e majestosos
    Cuja a beleza ultrapassa
    A de qualquer ser da Terra
    E imenso é nosso Poder
    Pois tamanha é a força da Luz
    Que em nossas almas pulsa
    Que com ofuscante aura nos envolve
    Aura de pura Energia Mystica

    Do Poder Mystico viemos
    E a ele retornaremos
    Maiores de todos os Sidhes
    Reis e Rainhas das Fadas
    Éramos nós no passado
    Descendentes diretos da Grande Mãe
    Orgulhosos de nossa majestade nós fomos
    Acometidos por extrema arrogância
    Superior e todos os seres
    Considerávamos nós

    Infelizmente porém
    Ocorreu que nossa Nobre Senhora
    Maior das Quatro Filhas da Grande Mãe
    Deixou-se dominar pelo ódio e pela loucura
    O Poder Negativo Ela manifestara
    Energia nefasta de dor
    E nas Trevas caíra

    E de nossa família quase todos
    Talvez contaminados por seu ódio
    Talvez por fidelidade à Senhora
    Ou talvez ainda por outros motivos mesquinhos
    A acompanharam em sua queda
    E são esses os ancestrais
    Da abjeta raça dos Elfos das Trevas

    Pouquíssimos de nós portanto
    Resistiram às Trevas
    Resistimos ao tormento e à dor da perda
    Mas não à desconfiança
    De nossos irmãos Sidhes
    Em descrença eterna
    Nós caímos
    Jamais confiarão novamente
    Naquela que já foi
    A mais nobre das Quatro Famílias dos Elfos

    Lamentos de Tal'Aroon Elfo da Luz
     
  14. Goba

    Goba luszt

    AEWWW!!! Ou, as poesias estão ficando muuuito boass!! E finalmente consegui, me liberaram para entrar no clubE! VIVAA! E ou quero ouvir sobre os Elfos das Brumas e sobre os mortais!! Sim, gostei bastaaaaante de ambos!! :obiggraz:

    Bom, issa Ka Brade, continua, que eu vou começar meu conto agora! Até mais.. :wink:

    Elen síla lúmenn' omentielvo! :beer:
     
  15. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    DAS ABOMINAÇÕES DA ALTA TECNOLOGIA

    Das tragédias de outrora
    Movidas por arrogância
    Assim precisava ser?
    Orgulho imenso
    E cegos para a verdade

    E se corromperam a maioria
    Para as Trevas
    Não isso apenas
    Pelas tolices do passado
    Renasceu a sinistra arte

    A Alta Tecnologia de outrora
    A antíntese do Poder Mystico
    Aberração
    Pelo Poder da Tecnologia
    Deixaram-se corromper

    Pior do que Elfos das Trevas
    São so Tecno-Dragões
    O máximo das Abominações
    De monstros de metal do passado
    Esses são os mais lamentáveis

    Abominações da Alta Tecnologia
    Praga imunda
    De metal e aço
    Misturadas à carne
    Das mais bizarras maneiras
    Pelo Poder da Razão criados
    Antíntese do Mystico Poder
    Blasfêmia contra a Criação

    E em nome da Grande Mãe
    Devemos caçar os desgraçados que restam
    Nestes anos infelizes
    Pois os Homens facilmente corrompidos são
    Pela Razão facilmente se adaptam
    Parece que dela nasceram!

    Feridas pelo Mundo
    Destruição sem motivos
    Nas Montanhas do Terror
    Destruição maciça
    Despertaram o mal
    Malditos Gnomos das Rochas
    Ambição sem limites
    E a pior das Abominações despertou

    Que a Grande Mãe de nós tenha piedade...

    E nos Céus está ela
    A Fortaleza do Destino
    Maior manifestação da Alta Tecnologia
    O Reino dos Pálidos do Norte já destruiu
    Qual será o próximo alvo

    Eu já sei qual será
    O coração dos Homens
    Para seu serviço ele os atrai
    Pois ele sobreviveu

    Novamente ele sobreviveu

    Tristes constatações de Tal'Aroon Elfo da Luz
     
  16. Fëaruin Alcarintur ¥

    Fëaruin Alcarintur ¥ Alto-rei de Alcarost

    Humm, muito bom.

    Legal você mostrar a frieza e a, como posso dizer, a antinaturalidade das máquinas. O quão abominante isso pode ser. Pavor da mudança, da deturpação. Acho que nesse sentido em que você mais se aproxima das idéias do Tolkien.
     
  17. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    NO MUNDO DOS SONHOS

    Devaneios
    Fantasias
    Utopia
    Irrealidade

    O Mundo dos Sonhos
    Além dos Limites da Terra
    Inesperados acontecimentos
    Desejos realizados
    Fantasias satisfeitas

    Homens visitam este Mundo
    Durante noites agradáveis
    Inspiração
    E potencial criativo liberto

    Homens visitam este Mundo
    Aleatoriamente
    E somente quando assim desejam
    Os misteriosos nativos

    Elfos das Brumas
    Aos Homens permitem visitas
    E a todos seres pensantes
    Que de bem consideram
    Em noites de agradável sono
    Incríveis situações ocorrem

    Imersos em devanio e fantasia
    Seres fantásticos e quiméricos
    Aos olhos dos Homens
    Pois na Terra habitavam
    Mas pela Guerra e pelo Ódio
    Deixaram tudo para trás

    Para o Mundo dos Sonhos
    Que fica além dos Limites da Terra
    Lá vivem agora
    Seres quiméricos
    E misteriosos Elfos das Brumas
    Sidhes de cinzenta pele
    E prateados cabelos
    Aparência alienígena
    Bela e exótica

    Brumas e névoas
    Poder Mystico que flui
    E alimenta esses seres
    Pois no Mundo dos Sonhos
    Imensa concentração
    De Mystica Energia
    Não tanto quanto a Terra Mystica jovem
    Mas muito mais que a atual

    E sentada em seu trono de cristal
    No Palácio das Maravilhas
    Está Neldar’ane
    Imortal Superior do Tempo
    E Rainha dos Sonhos

    E lá tudo acontece
    Ou deixa de acontecer
    Tudo o que Neldar´ane determina
    Tudo o que ela imagina
    Criatividade sem limites
    E a imaginação ganha vida
    E inspira Elfos das Brumas
    E os Homens

    Em agradáveis noites de sono
    O Mundo dos Sonhos
    Onde Aquele Que Sobreviveu
    Não pode entrar
    E onde o Ódio da Rainha das Trevas
    Não alcança
    Corações livres do medo
    E da inquietação
    Da atual Terra Mystica
    Do chamado Mundo dos Homens
     
  18. Fëaruin Alcarintur ¥

    Fëaruin Alcarintur ¥ Alto-rei de Alcarost

    Bom bom. Estou cada vez mais gostando dos elfos das Brumas, muito interessantes!
     
  19. Amiguinha Wood

    Amiguinha Wood Usuário

    Pq os Elfos da Floresta ñ gostam dos Duendes?os Duendes ñ ajudam a preservar as florestas?Só por causa da aparência?Qtos elfos.....ñ sabia dles ,agora eu sei!
     
  20. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    Pequenos e Imundos

    Pequenos e Imundos
    Sim somos nós
    Os Duendes-Pequenos
    Menores dentre a assim considerada
    Abjeta e assustadora
    Terrível e cruel
    Raça dos Duendes

    Pequenos e Imundos
    Nós os Duendes-Pequenos
    Assim como nossos primos todos
    Pele escura como a própria noite
    Grandes olhos vermelhos
    Orelhas enormes e disformes
    Pequenos e imundos
    Os Duendes-Pequenos

    E aqui estamos nós
    Aqui e ali
    Hoje em qualquer lugar
    Uma praga dizem alguns
    Em qualquer buraco estamos nós
    Escória sem valor nem honra
    Pequenos e fracos
    Sim somos nós
    Os Duendes-Pequenos

    Há os Duendes "normais"
    Cruéis e astutos
    Que odeiam tudo e a todos
    Inclusive a si mesmos
    Amaldiloçoam sua amaldiçoada existência
    E vivem para brigar e matar
    A todos os seres que existem
    Inclusive a si próprios
    Saqueiam e devastam
    Consquistam territórios
    Anseiam por mais e mais escravos
    Desejam vingaça contra tudo e todos
    Mas não nós
    Pequenos e covardes
    Os Duendes-Pequenos

    Há os Duendes Gigantes
    Maiores de mais fortes
    De nossa raça hedionda
    Enormes e abrutalhados
    Máquinas de matar e comer
    Porém dotados de sinistra malícia
    Se mais organizados fossem
    Terríveis e poderosos seriam seus exércitos
    Capacitados eles são
    Mas desperdiçam seu potencial
    Em violência sem sentido
    E em ódio eterno
    Contra seus pares
    E contra todos os outros seres vivos
    Mas não nós
    Pequenos e despreocupados
    Os Duendes-Pequenos

    Sim os Duendes-Pequenos
    O "resto" da raça Duende
    Considerados a escória do Mundo
    Habitantes de favelas miseráveis
    Na sociedade dos Homens
    Seres pequenos e mesquinhos
    Dignos de pena
    Ladrões desprezíveis
    Incapazes
    Incompetentes

    Assim nos consideram
    Oh sim
    Mas não sabem que não nos importamos
    Ainda não
    Em breve compreenderão
    Que os pequenos e sujos
    Pequenos e covardes
    Pequenos e imundos
    Sim nós
    Os Duendes-Pequenos
    Somos mais do que aparentamos
    Oh sim

    Oh siiiiiiimmm.....
     

Compartilhar