1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Green Arrow] [Loriani Nedeferal]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Green Arrow, 5 Abr 2003.

  1. Green Arrow

    Green Arrow Usuário

    [Green Arrow] [Loriani Nedeferal]

    Bem, eu estou fazendo um poema longuísssssssssimoooo sobre um mundo de rpg que criei. Esta é só a Introdução, e se quiserem que eu continue, eu continuo. Mas acho q vcs vão simplesmente me ignorar.

    Esquema da obra:
    Proposição (Miniuridë)
    Canto Primeiro (Turidä) – Introdução
    Canto Segundo (Musirä) – Goesírir
    Canto Terceiro (Esbirä) – A Floresta Branca
    Canto Quarto (Redirä) – A Sombra Ormindìrë
    Canto Quinto (Monodä) – Saurinith
    Canto Sexto (Vogorä) – Linior
    Canto Sétimo (Humirä) – Qinor
    Canto Oitavo (Di-Turidä) – Nenian
    Canto Nono (Di-Musirä) – Bório
    Canto Décimo (Di-Esbirä) – Oito Cidades
    Canto Décimo Primeiro (Di-Redirä) – Os Povos
    Canto Décimo Segundo (Di-Monodä) – Emiroth
    Canto Décimo Terceiro (Di-Vogorä) – As Glórias
    Canto Décimo Quarto (Di-Humirä) – A Grande Guerra

    Começa Agora A Narração Dos Reinos, Por Ceriumi Cortas, Poeta Do Povo Ério.

    Que se inicie a:

    LORIANI NEDEFERAL

    Narração da vida e feitos dos povos que habitaram, fizeram e criaram a Vida Antiga de Duredin, por Ceriumi Cortas, bardo Amigo-de-elfos, Embaixador de Grifos e Emissário do Rei Supremo de Emiroth, Giliath IV, o Batalhador.


    Loriani Nedeferal

    Miniuridë

    Por estas palavras rudes e dispersas
    Que lanço no momento irado do dia
    Preparo os leitores e leitoras, imersas
    Que estão na história por demais fria

    Preparo os lances de feitos sem igual
    Armados e realizados por tal povo nobre
    Liberto e desembaraçado de qualquer mal
    Tais nunca feitos por algum qualquer pobre!

    Vários outros povos cantarei soberbo
    Sem quaisquer mudanças ou outrem
    Meus versos podem ser para qual mancebo?
    Quem pode dizer qual é este quem?

    Ainda penso neste povo forte, mesmo tendo visto
    Que muitos lhe roubaram a glória e virtude
    Por feitos tão menores quanto inúteis, mas disto
    Escaparei de dizeres mal pensados, amiúde

    Assim, meus caros ouvintes, paciência terão
    À minha tão bendita obrigação de a todos
    Agradar em minhas folhas escritas em serão
    Livrarei meus versos de todos estes engodos

    Direi aos monstros e aos Negros Corações
    Também aos Homens, Elfos, Grifos e mais:
    Para os Érios, Gnomos, Goesi e Anões
    E jamais acharei citações a reinos demais!

    Mas depois de todo este meu comprometimento
    Versos escapam por minha pobre goela!
    Devo logo começar, sem mais seguir o vento
    Que a mente dá aos nomes que citarei à vela

    Chega agora o esperado momento da contenda
    Prometida nas estrofes acima nomeadas
    Que trouxeram apenas dúvida; que então se acenda
    O fogo poético em minha alma, que comecem as baladas!
     
  2. Vinci

    Vinci Usuário

    Green, não entendi, você quer contar uma história de fantasia em poemas? Não sei se vai dar certo, mas gostei dessa primeira...
     
  3. Green Arrow

    Green Arrow Usuário

    Bem, essa é a idéia... Fazer algo parecido com Os Lusíadas e Odisséia... Mas inspirado neste mundo...

    Vou postar a Turidä em partes...
     
  4. Vinci

    Vinci Usuário

    O primeiro canto é mais que isso? Legal... Vou ver se acompanho regularmente esse tópico aqui, Arrow.
     
  5. Liurom

    Liurom Usuário

    Comentário SdL

    Compreensão do texto

    Pelo que eu entendi, nessa primeira parte você só está apresentando história. É como as trombetas que soam para receber o rei.
    Sugestão: no começo dos Lusíadas, se não me engano, existe uma invocação às musas. Por que você não faz algo desse tipo? Um invocação aos deuses, por exemplo? (bem, talvez não seja mais possível, já que não está previsto no seu programa).

    Pontos positivos

    Nossa! Só você se dispor a fazer uma coisa assim já é muito positivo. 8O Eu não conseguiria. Especialmente por que você está tentando fazer todas as poesias rimadas, o que aumenta ainda mais a dificuldade, não é mesmo? Meus parabéns. A história não lembra apenas os Lusíadas, ou a Odisséia. Lembra também aqueles poemas que Tolkien coloca no Senhor dos Anéis, muitas vezes descrevendo eventos do passado.

    Pontos negativos

    Bem, não sou nenhum perito em poesia, portanto, meu comentário nesse aspecto pode soar meio idiota... Às vezes, o poema parece um pouco truncado (em uma ou outra estrofe apenas). Talvez haja alguma sílaba a mais.
    Talvez você esteja se preocupando demais com a rima. Concentre-se mais no aspecto melódico e no significado.

    Estou curioso para ver como vai ficar o restante. Não deixe de postar. :D

    Observação: vi seu comentário a respeito do meu conto, e gostei bastante.
     
  6. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Green, acho que o Liurom está certo sobre a questão da rima. Você tem que pensar na poesia como uma canção, ela tem que fluir, seguir um ritmo. Se você manter o ritmo, a rima vem naturalmente :wink:

    É um trabalho para lá de chato, mas os poetas clássicos trabalham normalmente com decassílabos, se não me engano as sílabas tônicas são sempre a 6ª e a 10ª (heróicos), mas acho que Camões trabalhava com sáficos também (4ª, 8ª e 10ª). O que eu posso sugerir para você é que você pratique com frases simples, só para exercitar mesmo. Então você passa para o poema.

    Hum, mais uma coisa: dá para compreender perfeitamente o texto, a linguagem está bem acessível e você apresenta boa coerência. Mas mais para ficar naquele "molde bonitinho dos clássicos" (aqui também entra a questão da invocação às musas que o Liurom falou), não deixe de colocar antes de cada canto um breve resumo do que ocorre nele.

    No mais, está indo muito bem! :clap:
     
  7. Northern Lad

    Northern Lad Usuário

    Adorei, adorei a idéia e o poema.

    Eu tinha feito uma historinha em poema em três partes, mas perdi... Eu acho bem legal, escrevo melhor em poesia do que em texto normal :mrgreen:

    Até hoje eu não entendi esse negócio de sílabas da poesia... proque elas são diferentes daquelas sílabas que a gente aprende na escola :(

    Parabens :clap
     
  8. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Laurelin, para escandir um poema é assim:

    Por es/tas/ pa/la/vras/ ru/des e /dis/per - sas

    entendeu? vogal junta com consoante e a sílaba que vem depois da última tônica cai :wink:
     
  9. Green Arrow

    Green Arrow Usuário

    Bem, algumas vezes eu já escrevi poemas pensando em sílabas poéticas, mas sempre me enganava em como contá-las. Neste eu não tive nenhuma intenção, apenas na rima. Portanto fiquem despreocupados quanto a isso.

    Quanto a eu estar escrevendo isso, é apenas uma tentativa de se fazer alguma coisa parecida com os poemas clássicos de outrora, e meu mundo de RPG cabe perfeitamente neste panorama.

    No próximo canto eu pretendia colocar uma espécie de Invocação aos Csomas, que vocês vão entender melhor. Eu vou colocar em partes, como já disse, pois os cantos trabalham com grupos de oito estrofes (e vai haver umas dezenove no primeiro canto).

    A idéia do resumo é boa. Thanks. :mrgreen:
     

Compartilhar