1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Goba][Passchendaele]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Goba, 13 Jan 2004.

  1. Goba

    Goba luszt

    [Goba][Passchendaele]

    Introdução

    A guerra está presente na história do homem desde os primórdios de sua grandiosa existência. Guerreávamos pela honra de nosso clã. Passamos a guerrear em nome de Deus. Então guerreávamos por petróleo, pelo honra do País ou pela honra do País alheio. Sobre tudo, guerreávamos e guerreamos por poder.

    Neste século XX, o homem presenciou e fez guerras que ostentavam como objetivo mor nada mais do que o mundo. Homens ambiciosos tiveram idéias ambiciosas, que mataram muito por elas, para acabarem morrendo sem vê-las.

    Devo denotar que os textos que seguem não são monólogos sobre os horrores da guerra, ou ensaios sobre as vidas de qualquer um dos grandes gênios da morte. Não. Estes devem ser encarados como relatos sobre o homem e a guerra. Simples assim.

    Após essa maçante apresentação, devo apressar o início destes mórbidos desabafos literários. O primeiro deles passa-se no ano de 1917, na Bélgica, tempos em que o homem apreciava a primeira das guerras tachadas de “Mundiais”; mais uma das guerras que deveria ter feito o mundo chorar.

    Continua.
     
  2. Eldarwen

    Eldarwen Usuário

    Estou curiosa para ler! :D

    E falou bonito na Introdução, hein? :P
     
  3. Goba

    Goba luszt

    Primeiro relato: O Tradutor

    Parte 1 – O tradutor

    “Cabo Fillehan, seus serviços como soldado e poliglota são requisitados para o próximo passo na missão ‘Passchendaele’. Uma equipe de soldados do batalhão do General Plum está a caminho para buscar-lhe. Carregue seu rifle, muna-se com algumas granadas e espere no limite norte do Cume de Messines, e espere pela sua escola. Eles chegarão à meia-noite pontualmente. Se houver atraso de 10 minutos, recolha-se e avise seus homens para a batalha. Do contrário, venha com eles até a Mata Polygon, então você receberá outras ordens.

    28 de Setembro de 1917, Gen. D. Haig.”


    Isso era tudo o que continha numa carta que recebi. Eu me encontrava, na ocasião, no Cume de Messines, fui mandado para lá para sustentar a ocupação do local e coordenar a defesa externa. O Cume havia sido conquistado pelo General Plumer cerca de um ano antes, e de certo era de extrema importância estratégica para a ocupação da Bélgica por parte dos Aliados.

    O lugar tornara-se um acampamento de soldados ingleses e franceses, muitos dos quais eram mandados para apoiar a empreitada comandada pelo General Doulgas Haig, o remetente da correspondência, porém algumas técnicas haviam sendo advogadas pelo General Plumer, com quem tive algum contato quando ele me requisitou para cumprir algumas ordens aqui. O mais estranho é que minha posição na hierarquia é extremamente baixa para as ordens as quais recebi, e até mesmo alguns cadetes deram risada de certos planos que tracei para a segurança, porém nada aconteceu até hoje. O local se tornou um sítio de planejamento militar para possíveis ataques que nunca viriam acontecer, em conjunto com o estado de acampamento. Iniciou-se, até mesmo, a construção de alguns chalés, porém eles acabaram tornando-se lenha para a fogueira das centenas de barracas que transitaram durante este ano que aqui estive.

    Sou inglês, natural de Liverpool. Cresci numa família de artesãos: minha mãe alfaiate, meu pai marceneiro e minha avó (a única que conheci) costureira que, em conjunto com minha mãe, mantinha uma pequena loja no centro da cidade que fazia roupas por encomenda. Não tínhamos muito dinheiro, mas o bastante para viver bem na casa em que vivíamos, numa vizinhança tranqüila.

    Apesar de minha antecedência, nunca tive talento para trabalhos manuais, mas era astuto em aprender línguas e manusear objetos cortantes. Por essas e outras, era muito companheiro de Yuri, um vizinho russo que tinha. Era um gordo contente, que vivia escondendo o medo misterioso que tinha, sendo também muito feliz e jovial com todos: sua casa pequena recebia pessoas todos os dias para o almoço, porém Yuri jantava apenas aos sábados, ocasião em que eu estava sempre presente. Ele fugiu da Rússia 10 anos antes do ano em que nasci, 1897. A data de sua fuga compartilhava também a data de quando meus pais se conheceram. Enfim, Yuri nunca revelou-me seu sobrenome ou o motivo pelo qual fugira da Rússia: temia até mesmo a sombra de seu inseparável felino, Lêniro.

    Yuri era alguém muito inteligente, um poliglota, que falava com fluência alemão, inglês hebraico. Ensinara-me com maestria o alemão, e apenas me ensinava hebraico quando me ensinava sua religião, o judaísmo. Em família de pais protestantes, eu mantive em segredo minhas tendências para o judaísmo, porém tenho costumes fundidos das religiões, porém meu lado judeu pesa mais: me fascinei muito como tais crenças trouxeram-me grande paz em momentos turbulentos de minha vida. Hoje, em guerra, tenho decepcionado-me muito com o homem, porém os ensinamentos judeus me trazem muito conforto em épocas de dor. Apesar de discordar de certos costumes, obedeço alguns desses por respeito a D-us*, quem creio que há de me acudir em horas de desespero.

    Foi Yuri também quem sugeriu-me o militarismo, ao conhecer meu fascínio e habilidades com facas. De fato eu tinha uma afinidade grande com objetos cortantes, tendo, aos dezesseis anos, impedido um estupro que sofreria minha irmã mais velha, Felicia, cortando a mão do inescrupuloso homem com uma pequena faca que sempre carregava comigo, estando aproximadamente dez metros longe deste. A faça atravessou a mão do animal, fazendo-o desmaiar, imagino eu por ser intolerante à visão de sangue.

    No início meus pais eram contra a idéia de eu me alistar ao serviço militar, pois imaginavam que a guerra levaria minha vida embora logo no início, e que eu deveria ser repórter do jornal local, levando uma vida pacata e dando-lhes netos saudáveis e fortes. Eu relutava, dizendo que se eu ficasse em Liverpool, seria triste e nenhuma mulher haveria de me querer. Após severas brigas, eles aceitaram que, querendo ou não, eu prestaria serviço militar para o meu país. Yuri conseguira fazer minha cabeça de jeito para isso, motivo pelo o qual meus pais brigaram muito com ele após eu sair de casa.

    Quando fui requisitado para ir ao Cume de Minesse, fiquei triste, pois havia começado um namoro às escondidas com Linda Brook, a enfermeira do meu pelotão de treinamento. No último encontro a sós entre eu e Linda, ele me entregou um pingente que usava no pescoço, para que eu trouxesse este de volta. Isso me deixou pesaroso ao extremo. Parti a navio.

    Na viagem eu tive o desprazer de assistir a morte de um caro amigo meu, o Cadete Hërman. Morrera de febre amarela, agonizando em meus braços. A viagem e o início de minha estada na Bélgica fora muito infeliz para mim, até que, após dois meses de profunda depressão, recebi as cartas de minha família e amante. Essas reacenderam meu coração, pois apenas traziam notícias boas.

    Passado sete meses após as primeiras cartas soube que Linda fora requisitada para ser enfermeira no mesmo lugar onde eu me encontrava, pois chegavam ali diversos soldados que precisavam de atenção especial. Um mês depois, vejo-me encolhido, embebido em lágrimas e, novamente, uma profunda depressão toma conta de mim: o navio em que Linda se encontrava fora bombardeado três dias após ter saído do cais. Após isso não ouvi mais nada e desatei-me a chorar em frente aos oficiais que me deram tal notícia. Saíram embaraçados de minha cabana, onde permaneci vivendo de água apenas por uma semana. Passei a odiar a guerra, a odiar aqueles que a inventaram e a odiar quem começou esta. Odiei também as palavras sedutoras de Yuri, que me trouxeram para o militarismo. Odiei, também, a mim mesmo por amar cegamente alguém, e por tentar dividir esse amor com o que tinha pelo meu País. Odiei o chão em que pisava, e o ar que respirava.

    Após eu me recompor do estado em que estava, mas ainda triste, me tornei um homem amargo e ríspido. A partir do momento em que saí de minha bacana, eu quis terminar minha parte naquela guerra ou ser expulso dela, porém não me deixei ser relapso: já que estava ali, eu seria o melhor. Tornei-me severo para com todos os meus subordinados, e absolutamente obediente para com os meus superiores. Trabalhei para sair dali e voltar para minha casa, ao lado de meus pais.

    Quando recebi a carta que já citei encontrei-me muito animado, pois imaginava que, finalmente, voltaria para casa. Quando a li, apesar de sentir-me repentinamente triste, não baixei a cabeça e, como requerido, esperei pelos soldados à meia-noite no local combinado. Comigo estavam apenas os guardas que ficavam naquela posição, no total, cinco pessoas. À meia-noite outros cinco soldados chegaram: a minha escolta. Após apenas quinze minutos de descanso e vistoria (eu podia levar apenas o que a escola tinha ordens para que deixasse comigo: todas as cartas ou fotos foram jogadas foram, com exceção de uma de meus pais; o documento que me dava direito a viagem de volta para a Inglaterra foi jogado fora, junto com meu passaporte), partimos.

    Notas:

    *Judeus ortodoxos não escrevem o nome de Deus de forma alguma, usando esse tipo de escrita como recurso para expressão do nome quando necessário.


    Continua.
     
  4. muito bom mesmo...gostei do texto, gostei da ideia.....puts adorei a linguagem q vc expressa vei...

    a introdução fico muito boa, e a narração do personagem tb fico muito da hr!

    espero a continuação! :mrgreen:
     
  5. Goba

    Goba luszt

    Eu vou postar algumas fotos aqui para a melhor compreensão de alguns termos que serão usados no próximo texto. Basicamente são armamentos usados na Primeira Guerra Mundial pelos ingleses e se faltar alguma coisa caso eu adicione mais nomes no texto, eu edito esse post e os coloco aqui, ok?

    Granadas Mills:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Fuzil Springfield (americano)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ~

    Revólver Webley Mk IV

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Acho que por hora isso basta pra compreender o texto que eu tento colocar aqui ainda essa semana. Aliás, obrigado pelos comentários de motivação, está sendo muito bom fazer esse texto e eu espero que ele realmente agrade, pois tem exigido muito estudo para que não se torne uma estória com furos, sendo esta baseada em um fato histórico. :) Enfim, obrigado! :wink:
     
  6. Eldarwen

    Eldarwen Usuário

    Puxa, gostei muito mesmo :clap: . Tem bastante do personagem, é como se estivessemos ali com ele. :D

    E se não me engamo, Tolkien lutou nessa guerra também. Certo :think: ? Acho que é isso mesmo.

    Bem, estou ansiosa para ler a continuação.
     
  7. Goba

    Goba luszt

    Parte 2 – Caminhando rumo à vida


    Minha bagagem era simples: quatro Mills, um fuzil Springifield, um revólver Webley, duas outras vestimentas militares, pão e água. Levava, também, um binóculo, mágoas, determinação e a vida, eterna escrava da morte.

    Os soldados, estranhamente, não deram seus nomes; apresentaram-se para mim com seus (imagino eu) pseudônimos: Grinder, Earth, Rat, Monalise e Northist. Não questionei o por quê disso, estava determinado a seguir ordens para que pudesse voltar o mais rápido possível para casa: os papéis ficaram, mas a vontade continuou comigo.

    As poucas palavras que os soldados me proporcionaram diziam que pararíamos em Ypres para depois seguir viagem para Polygon. Após essas, nenhuma palavra foi trocada, nem comigo, nem entre eles.

    Monalise me chamou a atenção em um detalhe: seu rifle, diferente do de todos os outros eram um “”, um fuzil alemão. Quando o perguntei o por quê daquilo, ele me disse em poucas e secas palavras: “Tivemos algum trabalho para chegar até você e meus cartuchos tinham acabado.”

    Eram nove horas da manhã quando passamos por aquela clareira. Todo o meu treinamento de guerra não me prepara para tal desprazer. Quando passávamos por uma clareira que ficava ao lado de um pequeno morro, me deparei com cinco corpos alemães totalmente mutilados e estraçalhados, deixados à beira da estrada. O que atestava sua nacionalidade era a bandeira na manga da vestimenta de um dos corpos, a única ainda conservada. Logo imaginei qual foi o trabalho que tiveram, e entendi também a atadura no braço esquerdo do Rat. Ao me deparar com o fruto de um empecilho superado, me deparei com o fim da escravidão de cinco homens, me vi fronte ao que poderia ser meu destino, me defrontei desejando ser escravo sem os direitos tão rápidos de deixar o engenho, vomitei.


    - Sem frescuras Cabo Fillehan, você vai ter que deixar nossos inimigos em tal estado para onde vai. Andando!, gritava Northist, que liderava o grupo.


    Após terminar de vomitar, continuei a andar um tanto zonzo. Ainda não havia assimilado o que vi e senti. Todo o meu caminhar rumo à vida parecia subjugado pelo poder dos senhores da morte, sádicos pacifistas. Lamentei pelo sofrimento de quem deveria odiar; lamentei pelas mães as quais deveria enxergar como provedoras de monstros. Lamentei, pois achei que isso me privaria desta imposição mórbida.

    Cambaleando atrás de todo o grupo, atrás ainda de muito o que pensar e já perdido no meio de um turbilhão de mágoas filosóficas, desesperadas. Chorava, pois parecia-me coerente. Sofria, pois era confortante.

    Às 15:43 chegamos a Ypres.

    Continua.
     
  8. Lord Meneltar

    Lord Meneltar Argerich

    Muuuuuuuuuuuuuito fodaaaaaaaaaaaaa

    Cara,vc se expressa maravilhosamente bem.E,foraisso,tem conteudo,muito show!
     
  9. Barbárvore.

    Barbárvore. Beatlemaniac

    o texto realmente tá muito bom. Gostei bastante, principalmente da primeira parte, onde realmente me senti em tal região e tais situações. O guri tem futuro como escritor! :lol:
     
  10. Forfirith

    Forfirith Usuário

    Minha nossa Gobinha!!!!Tá MUITO BOM MESMO!!!!
    Só acho q tem alguns errinhos na escrita :mrgreen:
    Acho que podia ter desenvolvido mais o amor dele pela Linda, acho que quando ele a perdeu não ficou tão grande o sofrimento, pq não ficou beem claro q ele a amava muito...
    Acho que você devia escrever um livro!!!A história e a idéia são muito boas, mas só acho que devia desenvolver um pouco mais algumas coisinhas...acho que...os sentimentos dele, deixá-los mais.. "profundos", pragente ver mais o sofrimento dele...
    Não que isso seja necessário...o texto já está ótimo do jeito que está!!!
    meus parabénzimos!!!!!!!!!! :clap: :dance:
     
  11. Goba

    Goba luszt

    Só queria avisar aqui que vou demorar certo tempo para postar outras partes do texto pois, além de elas serem trabalhasas exigindo muito estudo, tudo tem estado muito apertado, em função do estudo. Do mais gostaria de receber mais algumas opiniões e sugestões de como poderia fazer pra melhorar. Obrigado por todo o apoio até agora! :D
     
  12. Fingon

    Fingon Usuário

    Karaio... curti muito esse texto.

    Isso deve realmente exigir muito trabalho, por isso que eu não gosto de relatar acontecimentos históricos, tão grandiosos desse tipo.

    Gostei de tudo! Da forma como vc se expressou (as suas palavras), da forma direta, que na minha opnião não era a melhor, mas mesmo assim fikow show velho.

    A única coisa que ficou devendo na minha opnião foi o título, que é muito conveniente, mas quem lê o título parece que nem é a grande coisa que é!
     

Compartilhar