1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Faerum] [Non Sense]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Faerum, 1 Set 2004.

  1. Faerum

    Faerum Usuário

    [Faerum] [Non Sense]

    Me disseram, após ler este texto, que, se tivesse nascido nos anos 60, e lesse isso num pub de poetas, seria aplaudido... Não sei se foi um elogio, mas posto pra ve o que voces acham.
    Eu particulamente achei uma loucura total..

    *-*Devaneios de uma mente complexada*-*
    Andando pelas ruas enegrecidas de suor, percebo com o canto dos olhos, passos abafados a ecoar pela escuridão crescente.
    Diminuindo o ritmo, pensando nas conseqüências, deixo passar à frente aquilo que ecoa.
    Extasiado pela visão da figura que é semelhante a mim, mas ao inverso, minha mente complexada regurgita devaneios nos pútridos assoalhos públicos, onde o mendigo pisa e o santo cospe enquanto passa.
    Confuso com meu vômito mental, o estranho e conhecido transeunte se abaixou e benzeu as mãos na massa defecada que acabo de cuspir.
    Levando as mãos abençoadas até as próprias temporas, o andarilho abre a boca com um estalo e, como um diapasão cósmico, sua voz que é minha, mas invertida, explode lançando palavras e fragmentos ao espaço extratemporal.
    Senhora Dona Persona, que estava parada na esquina neste exato momento, leva as mãos como grandes aranhas albinas aos ouvidos e explode em uma chuva de ossos.
    Intrigado, o jovem mas velho desconhecido, olha pelos trancos e barrancos, e dispara uma pérola pelo ouvido. A minúscula esfera translúcida explode nos paralelepípedos e, como um gramofone invisível, começa a declamar um soneto de Auden, enquanto o desconhecido conhecido caminha em minha direção com passos largos. Impulsionando os braços sobre meu peito, sua voz espelhada agora chama em meus ouvidos. Com um grito e um sussurro, molhado de suor e lágrimas, me levanto, envolto em de linho lençóis, e apoio a palma dos pés no octogenário piso de mogno.
    Olhando ao longe, pelo horizonte transversal, vejo uma figura que é minha figura que não é minha figura andando a luz do sol crescente.
    Com um giro repentino, meus olhos encontram meus não-meus-olhos enquanto uma esfera de ostra é lançada na escuridão.
    Andando pelas ruas enegrecidas de suor, tropeço num objeto e quebro a cabeça num muro.
    Durante a investigação, ririam ao descobrir a causa-mortis de minha pessoa. Numa rua nojenta, num canto escuro e reservado da cidade, algum grande azarado morreu ao escorregar em uma rara pérola.
    E os jornais anunciariam no dia seguinte que a massa encéfala que cuspi fora roubada da cena do crime por um poeta fracassado de quarenta anos de idade.
     

Compartilhar