1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Éomer] [Harpia]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Éomer, 27 Nov 2010.

  1. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    O vento soprava forte sobre a colina. Atmosfera carregada. Eletricidade estática provocando estalos no ar. Silvar de serpente. Guizo. O som da morte. Prenuncio do bote da cascavel. Encantar-se pelo som era fatal. Desejo. Ele sempre se deixara levar pelo chamado do... Ela adejava em torno de sua cabeça. A voz penetrava em seus ouvidos. Gritos roucos. Vôos rasantes. Feito garras rasgando a pele. Arrasavam sua carne. Rascantes. Expunham seus ossos. Roçavam em seu baixo-ventre. Sons hipnóticos que perturbavam a sua mente. Interferências. Crocitar de corvos prevendo o banquete. Aos seus ouvidos piar sereno de pássaros. Triste ao cair da tarde. Sedutor. Cantar de rouxinóis ecoando nas rochas. É preciso fugir do seu grito. Do sensual bafejar do seu vento. Ou será jogado de encontro às pedras. Sua carne em tiras. A alma despedeçada.

    Excitado caminhava em sua direção. O vento de suas asas o envolvia. Zumbia em seu caminho. Olhos mortos. Como um zumbi. Passos trôpegos. Sem prestar atenção. Seu corpo apontava o caminho. Seu cheiro suspenso no ar. Quente. Sensual. O cheiro o atraia. Sempre atraiu. Traição já cometera por sua causa. Ela sentia o cheiro do sangue que pulsava em seu corpo. As pedras feriam seus pés descalços. Majestosa pousou a sua frente. O último grito. A eterna fome nunca saciada. Estampada nos olhos, em sua face. Seu hálito denso. O cheiro da morte. Suas asas negras de ave de rapina. Suas garras de lobo. Hirsutas. Rápidas no bote. Dedos retorcidos que se estendiam em sua direção. Os seios fartos de fêmea. Fome e sede. Ele via o belo. Asas brancas que o cercavam. Promessas de proteção. Belos cabelos frente aos seus olhos. Negros, castanhos, dourados, vermelhos. Todas as cores do devaneio. Ele devia fugir, mas era tarde. Hipnotizado pelos gritos fantasmagóricos. Canções aos seus ouvidos. Chamados que já haviam feito a desgraça de muitos, desde o inicio. Ele se perdia. Caminhava rumo ao último golpe. Em direção do abraço que o envolveria. Da promessa do beijo. Silvar da língua da serpente que aos seus ouvidos era um belo chamado. Salivar da boca faminta. Vento que o atiraria de encontro às pedras. Corpo despedaçado.

    Ele não tentou resistir. De modo algum. Entregou-se aos abraços que quebraram sua vontade. Seu corpo. À vontade em seus braços. Sua respiração densa para ele era um suave perfume. Respirar letal. Sua língua se enrolava em seu corpo, seu sexo. Suas asas o cobriram feito mortalha. Presas lhe rasgavam a carne, sua garganta, pouco a pouco. O penetravam até os seus ossos. Bebendo seu sangue, sua virilidade. Entregar-se ao desejo. Destino. Desatino que por vezes esconde a verdadeira face. Destruído quando ela levantou vôo. O som de suas asas mais forte que o do vento enquanto partia a procura de nova presa. Ele chora, preso à sua dor. Implorando vingança.
     
    Última edição: 27 Nov 2010
  2. TiagoAlexandre

    TiagoAlexandre Usuário

    Achei bastante original e bem escrito. Infelizmente as inúmeras frases curtas, na minha opinião, "estragaram" o texto. Acho que o uso abusivo de frases muito curtas retira a fluidez do texto.
     

Compartilhar