1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] 'Correção política' x 'Liberdade Literária'

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Largo Cavafundo, 20 Mar 2003.

  1. Largo Cavafundo

    Largo Cavafundo Usuário

    'Correção política' x 'Liberdade Literária'

    Este tópico, apesar de estar no Clube dos Escritores, não é para postar um texto meu. Eu o estou criando para discutir um tema sobre a criação de histórias que vem me incomodando por algum tempo, e sobre o qual eu gostaria da opinião de vocês.

    Hoje em dia há uma 'invasão' dos termos "politicamente correto" e "politicamente incorreto". Estamos num tempo em que falar mal de uma mulher nos faz machista, e falar mal de um homem nos faz feminista. Um tempo em que mesmo os termos "certo" e "errado" são considerados politicamente incorretos, assim como "bom" e "mau", etc. Falar "Senhor do Escuro" é racismo. Temos que tomar cuidado para não dizer coisas que possam ser entendidas como uma crítica ou um preconceito.

    O fato é que, enquanto eu pensava na minha série de histórias, me deparei com um dilema que involvia isto. Reparei que não havia nenhuma vilã na minha história. O fato é que, da maneira como as histórias me vieram, não havia vilã alguma, e pronto, é simples assim. Também não havia uma grande variedade de personagens femininos, embora os que existissem fossem suficientemente bem explorados. Por algum motivo, me senti inclinado a modificar minha história para que eu pudesse dar mais espaço às mulheres, e tb aos homens negros, orientais, mestiços, etc. Mas me senti mal em mudar aquilo que fora tão cuidadosamente talhado por mim.

    Qual pensamento está correto? Deveria mudar a história para que esta ficasse mais "politicamente correta", mesmo que a pouca quantidade de personagens femininos não signifique nada além disto mesmo? Até onde devemos limitar nossa criatividade para seguir os pressupostos criados pela sociedade?
     
  2. Sister Jack

    Sister Jack Usuário

    Pura liberdade literária. Se você está confortável com a sua história no momento, não a mude para satisfazer os outros. Não há nada de errado com poucos personagens femininos, foi assim que você quis a sua história, inconscientemente. Tente colocar apenas o que te agrada no texto e não se deixe influenciado por outros que estabelecem regras.

    É claro, não pode chegar a um nível ofensivo ou racista, mas isso raramente acontece, se a sua trama tem um contexto firme que permite as suas liberdades artísticas.

    Se você quiser manter a sua história politicamente correta, não tem nenhum problema, mas não vai ter também muita originalidade ou qualquer chance de introdução de algum novo conceito, de propósito ou não, para o mundo literário.
     
  3. Arandelis

    Arandelis If I can dream

    Largo, na boa, relaxa.
    Já pensou se todo mundo pensasse assim e começasse a fazer historias pensando soh no politicamente correto? Onde ficaria a diversidade de literatura? Onde ficaria a originalidade?

    Se você gosta da sua historia do jeito que ela está, deixe-a do jeito que ela esta.
    Ademais, sendo ela politicamente correta ou não, sempre vai ter alguem pra colocar defeito... e pra ver qualidades, porque não? :wink:
     
  4. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Teoricamente a gente cria o que bem entende...
    ... o problema é quando a gente cria o que bem entende, apresenta o trabalho para algum editor e ele diz que "Poderia ter mais personagens femininas". Aí, entra a questão: você está fazendo um livro para se divertir ou vender? Se for para vender, tem qe dançar conforme a música, pelo menos se você ainda não é reconhecido no trabalho.

    ...acho.
     
  5. Sister Jack

    Sister Jack Usuário

    Tolkien quase não escreveu sobre personagens femininos. Deve ser pq ele teve um editor com uma mente bem aberta. :obiggraz:
     
  6. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Ahh, Folco...

    Não venha querer comparar o mercado literário da época do Tolkien com o atual (Aliás, a discussão sobre politicamente corretos é atual, não é do tempo do Tolkien :roll: )
     
  7. Anglachel

    Anglachel Usuário

    Esse negócio de politicamente correto é mais uma idéia de jerico. Claro que textos ou filmes abertamente racistas ou com qualquer outro tipo de preconceito devem ser combatidos, mas para as pessoas que relamente tem esse tipo de posição, uma reclamaçãozinha aqui ou acolá não faz a mínima diferença. Um neo-nazista não se importaria nem um pouco em ter seu livro vetado por uma grande editora, eles tem seu próprio mercado cativo, e editoras idem.

    Então esse tipo de patrulhamento acaba atingindo apenas aqueles que em nenhum momento tiveram a intenção de passar algum preconceito, mas a mente preconceituosa e cheia de falsos moralismos dos inventores do "politicamente correto", trata de achar chifre em cabeça de cavalo, se sentido atingidos por algo que nunca foi feito para agredir ninguém!

    Esse tipo de idéia só poderia nascer na doentia sociedade norte-americana, mas como o Brasil copia tudo de ruim que o Tio Sam faz... só espero que não inventemos de declarar guerra ao Peru.
     
  8. Inho

    Inho Usuário

    Bem, acho que só deveria ser evitado criar aqueles personagens estereotipados... ou tipo, colocar um negro como o fornecedor de drogas de um grupo de brancos. Isso me soaria racista, e a história ia perder muito do valor. Depois, quando viessem as críticas, só iam lembrar de dizer que o livro eh racista.
    A liberdade deve ser do tamanho da criatividade. Sempre!
     
  9. V

    V Saloon Keeper

    Não, isso seria realista.

    Uma boa porcentagem dos fornecedores de drogas que eu já conheci eram negros, e todos tinham uma substancial quantidade de clientes brancos.
     
  10. Clarice Starling

    Clarice Starling Usuário

    Isso aí..
    Nao devemos confundir "politcamente correto/incorreto" com realismo.
    Ou vai me dizer que você vai colocar uma Padre (mulher padre) na sua história?!
     
  11. Liurom

    Liurom Usuário

    Eu acho que essa história de “politicamente correto” é muito ruim em arte, de maneira geral, e em literatura, em particular. Ser politicamente correto é especialmente danoso quando se está desenvolvendo os personagens. As personalidades e afirmações de um personagem têm que estar de acordo com a natureza e a história de vida dele. Caso contrário, a verossimilhança se perde. Se isso significar ser politicamente incorreto, então que seja.
    Por exemplo, há um personagem racista no meu livro. Isso não significa que eu (como autor) concorde com ele. Aliás, com certeza eu discordo inteiramente! Mas ele é um personagem, tem as opiniões dele. E era quase inevitável que ele fosse racista, considerando certos eventos de sua vida, entre os quais ter nascido em uma família de abastados senhores de escravos. Portanto, querer que ele fosse politicamente correto seria o mesmo que destruir o personagem, ferindo assim a integridade da história.
     
  12. Largo Cavafundo

    Largo Cavafundo Usuário

    Certamente, mas creio que não entendeste o espírito da coisa. Não me referia a personagens politicamente incorretos, mas a uma aparente incorreção por parte do NARRADOR ou do quadro geral dos eventos, criando uma ilusão de proveniência do autor.


    Para os outro que responderam: mas há um limite para isto, ou é "liberou geral"? :?
     
  13. Melkor- o inimigo da luz

    Melkor- o inimigo da luz Senhor de todas as coisas

    Tipo Largo, eu não li o tópico inteiro, só o seu post inicial e acho o seguinte:
    Você estaria cometendo uma injustiça consigo mesmo se mudasse seu livro, você não imaginou a história com vilãs. Qual o problema? Oras, você não imaginou e ponto final, a história é sua, oras bolas.
    Acho que realmente sempre há esses rótulos de racista, machista ou coisa que o valha, mas desde que você não critique um raça nem opção sexual ou algo parecido e apresente isso como algo ruim, não incluir personagens com essas características pra mim não é racismo.
    Além do mais, pense no exemplo de Tolkien... Ele não inclui negros em sua história e os orientais são os homens malignos selvagens, mas não é por isso que o mundo o aclama como racista.
     
  14. Liurom

    Liurom Usuário

    Eu entendi, só queria comentar um outro aspecto da mesma questão. Mas perceba o seguinte: o que eu disse para os personagens vale, na minha opinião, também para a forma. Se fosse adaptar a forma da história ao politicamente correto pode ser que você acabe ferindo o espírito do livro, assim como quando você adapta um personagem pode acabar desnaturando esse personagem. O livro, nesse caso, vai ficar bem pior.
    Não sou o dono da verdade. Muito longe disso. Mas sinceramente acredito que um autor deve escrever acima de tudo para agradar a si mesmo, às suas próprias preferências. O livro fica mais verdadeiro dessa forma. É claro que, se você agir dessa maneira, não vai agradar a todas as pessoas, mas será que isso é mesmo possível?
    Imaginemos o caso de Tolkien. Na época dele, já imperava o modernismo na Europa. Tolkien não se deixou influenciar e adotou, tanto no estilo como no conteúdo, um caminho bem diferente dos cânones da época. Ele teve personalidade.
     
  15. Largo Cavafundo

    Largo Cavafundo Usuário

    Sim, mas a questão ainda é discutida, não?


    Acho que vocês estão, muitas vezes, focalizando demais nos exemplos específicos que eu citei... minha idéia era uma discussão mais geral...
     

Compartilhar