1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Blind-Guardian] [Menebin, O Bardo]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Blind-Guardian, 5 Jan 2004.

  1. Blind-Guardian

    Blind-Guardian Usuário

    [Blind-Guardian] [Menebin, O Bardo]

    Aew! baum?
    bom, esta é uma das primeiras histórias que eu escrevo, e a primeira que eu coloco aqui.
    Já vou adiantando que eu NÃO escrevo bem, posso ter cometido muitos erros, posso não ter feito uma história legal, posso não criatividade nenhuma com relação a nomes( :lol: e é verdade) mas bom, eu estou tentando, não é obrigação de ninguém ler isso.... e bom, também não está pronto ainda...mas é isso, espero que gostem, pelo menos um pouquinho! :mrgreen:



    Menebin, o bardo


    Uma noite mal dormida

    Menebin era um humano alto, jovem, de cabelos loiros e compridos, olhos negros e que tinha um sorriso muito alegre e vivo. Vivia em Fragasta, uma vila do leste onde não acontecia nada, apenas uma ou outra festa por ano.
    Viver em Fragasta era realmente muito chato para Menebin pois ele era um bardo que não queria ter que passar sua vida inventando histórias sempre sobre Balad Omen, e fazendo suas músicas para tocar nas festas que tinham. Ele queria mesmo sair pelo mundo, conhecer gente nova, novas raças, fazer músicas com temas melhores sobre aventuras em suas viagens e etc... E ele ainda estava novo, já era hora de abandonar aquela vila e ter uma vida mais emocionante.
    Menebin iria dormir cedo naquela noite pois assim como ele, sua amiga Anariza iria junto, ela ajudava Menebin a escrever suas histórias e fazer suas músicas, também tocava junto com ele e estava entediada de Fragasta.Menebin queria acordar cedo, arrumar a casa e fazer um bom café da manhã para Anariza pois ele a amava, mas ela não sabia.

    A casa de Menebin era pequena, apenas um quarto, um banheiro, uma cozinha, seu escritório, uma sala de visita, um pequeno jardim na frente da casa e um quintal no fundo. Era uma casa inteira de madeira e logo na entrada se via o jardim florido dos lados da porta que ficava no centro. Entrando na casa havia uma sala de estar com uma porta logo à frente, uma na direita e outra na esquerda. Na porta da frente ficava a cozinha, que tinha apenas um fogão feito na pedra na esquerda, uma mesa no centro e na parede da direita uma grande pia cheia de água com algumas gavetas em baixo. Na frente tinha uma porta que dava pro quintal.
    Na porta da esquerda da entrada, ficava o escritório, e na da direita era seu quarto. Um pequeno cômodo com apenas uma mesa, um pequeno armario ao lado, uma grande janela e uma outra porta, esta porta dava pro banheiro.

    Menebin estava no quarto, foi até o armario e tirou um pijama e o deixo num pequeno banquinho no banheiro. A água já estava aquecida e ele tomou seu banho. No banho ele ficou pensando em sua viagem, as aventuras que teria, as pessoas que iria conhecer, pensou em Anariza, e isto o fez ficar com mais vontade ainda de dormir, pois assim o dia chegaria mais rápido, e então ele saiu do banho, vestiu seu pijama e foi pra cama.
    Foi uma noite difícil, ele demorou pra dormir, e quando conseguiu começou a sonhar com Anariza, ela estava num campo que parecia seu jardim, mais bem maior, e então de repente apareceu um homem horrível, gigantesco, com cabelos até a cintura, negros como seus olhos, e estava com muita raiva. O homem foi do lado de Anariza, que estava dormindo na grama e com um tapa muito violento a acordou. Ela ficou paralizada e não sabia o que fazer, e então o homem a pegou pelos braços, levantou a uns 2 metros do chão e começou a rodá-la, Menebin sabia que ela iria morrer, mais o que fazer? Foi então que o homem parou, olhou para os olhos de Anariza e disse...

    -Me! Me! Acorda! Acorda Me!
    -Ahn? Que? Cade a Anariza??? Topin? O que que você ta fazendo aqui?
    -Bom, eu sei que você vai viajar, e você sabe que eu estou cansado dessa vila também, portanto eu vim aqui te perguntar se eu posso ir com você e com a Anariza, posso?
    -QUÊ?!?
    -Ah! Desculpa Me, pode deixar...Eu arranjo outras pessoas pra fazer outra viagem...
    -Não Top! Claro que você pode ir...
    -Ah! Obrigado Me!!! E apropósito, com o que que vc estava sonhando?

    Menebin olhou para o rosto de Topin, ele era jovem assim como ele, também tinha o cabelo comprido, porém eram negros e tinha os olhos azuis, era um pouco mais alto também.

    -Eu? Ahn, num lembro, num lembro!
    -Nossa, deveria ser um sonho realmente ruim, você estava gritando muito, tava dando pra te ouvir lá do jardim, por isso eu entrei.
    -Ah! Mais agora que você me acordou, eu vou arrumar a casa, vamos.

    Menebin foi até o banheiro e retirou toda a água da banheira, ela ia direto pro quintal.
    Voltou ao quarto, pegou uma roupa no armário, a vestiu e deixou o pijama em cima da cama.

    Foi até a cozinha para preparar o café da manhã, enquanto isso Top estava indo na venda que tinha ali perto comprar pão e leite. Menebin pegou uma toalha de uma gaveta e a estendeu na mesa, pegou 3 copos, uma jarra, 3 pratos e uma geléia que estava num pote.
    Voltou no seu quarto e pegou uma bolsa que estava no armário, pegou algumas roupas do armário, um colchonete, um cantil, uma manta e guardou tudo na bolsa, que ele deixou na entrada da casa.

    Menebin estava indo para a cozinha quando chegou Top com os pães e o leite, ele colocou o leite na jarra e os pães na mesa.
    -Vamos esperar Anariza, ela vem tomar café aqui e depois nós iremos – disse Menebin
    -Ah!!! Vamo ter que esperar? Pra quê? Depois ela come!
    -Não, vamos esperar!

    E eles esperaram, e esperaram, mais Anariza não chegou, e já havia passado muito tempo, então decidiram comer e ir até sua casa, ela devia ter dormido até tarde.
    Terminaram o café e o resto do pão que sobrou Menebin colocou na bolsa, lavou tudo e então Menebin foi até seu escritório, pegou sua viola e os dois partiram com suas coisas.

    O caminho era muito bonito, mas não os surpreendia, já tinham visto aquilo muitas vezes.
    A casa de Menebin ficava no alto de uma colina, inclinada para a esquerda, e do lado dela tinham muito mais casa enfileiradas. Era uma estrada de terra, com uma cerca em volta, e lá em baixo se via uma belo campo, que mais pra esquerda se fundia com a cidade.
    Foram subindo a colina, pois a casa de Arabela ficava do outro lado. Passaram pela casas e estavam todas vazias, os dois pensaram que devia ter acontecido alguma coisa na cidade pois os moradores de lá eram muito curiosos e viviam se metendo na vida dos outros.
    Continuaram subindo e quando estavam bem em cima viram uma multidão em frente a casa de Anariza. Desceram a colina correndo, e quando chegaram lá não conseguiram se aproximar da casa pois a multidão não deixava passar, Menebin perguntou para um homem que estava lá o que tinha acontecido e este respondeu:
    -O que aconteceu ninguém sabe, o vizinho disse ter ouvido gritos de noite e quano veio ver o que era a casa estava assim, toda destruida e um vulto gigantesco carregava uma mulher que parecia Anariza nas costas. O vizinho desmaiou e agora de manhã encontramos ele aqui caido.
     

Compartilhar