1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [bachelorette][O outro rosto]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Bachelorette, 10 Fev 2003.

  1. Bachelorette

    Bachelorette Usuário

    [bachelorette][O outro rosto]

    O OUTRO ROSTO

    Para aqueles que me conhecem, não preciso dizer que, apesar dessa casca de pessoa feliz e contente, guardo dentro de mim
    cancuos maiores que o mundo. Peço lhe que me perdoe os devaneios nos armários de minhas lembranças, mas tudo do que é
    dito é importante para a compreensão da descoberta que fiz.
    Pois bem... sou uma jovem universitária que desde cedo demonstrou gosto pela morbidade e pela melancolia.
    Ainda aos cinco anos, minha brincadeira favorita era se fingir de morta, tanto que no morto-vivo da escola eu sempre perdia. A
    pessoa falava morto e eu ficava lá, prostada, ela falava vivo e eu continuava lá. E em casa era a mesma coisa. Eu podia ficar horas
    deitada na grama me fingindo de morta. E embora parece uma brincadeira idiota, tinha um propósito: eu queria enganar a morte.
    Queria que ela pensasse que eu estava morta de verdade, e quando ela começasse a me levar, eu diria: sua burra, não estou
    morta não. Vc nem faz seu trabalho direito! Pode largar me braço, por favor? E durante algum tempo essa busca virou obsessão.
    Eu ensaiava posições de morre em todos os cômodos e lugares da casa. De cabeça para baixo na escada, bem no meio do
    gramado, cruzando a porta de casa, mas entre os copos de leite, era a minha favorita. E ficava lá. Até a fome me fazer levantar.
    No entanto, nunca encarei a morte com drama. Tinha curiosidade, mas não me sentia triste por acontecer. Meu primeiro contato
    real foi com meu bisavô, aos seis anos. Morreu de câncer. E eu via meu pai chorando, e achava besteira. O meu bisavô estava
    numa cama muito legal! E parecia tranquilo, porque meu pai chorava, então? E realmente fiquei triste, quando chegamos em
    casa e a choradeira continuava. Lembrei que no último enterro que teve (o qual não tinha comparecido, embora tivesse implorado
    com todos meu argumentos infantis) e comecei a falar que pelo último defunto ninguém tinha chorado daquele jeito. Minha mãe
    viu aquilo como um ato de compaixão, já que o caloteiro por quem ninguém tinha chorado era da família dela, e ficou orgulhosa.
    Decidi não falar o verdadeiro propósito, que era fazer que aquela choradeira irritante parasse, era melhor que ela achasse isso.
    Mas entendi que meu espírito era fadado à melancolia quando, ao completar 7 anos, minha mãe me disse: "passou de seis anos
    não é mais anjinho: . Ela tem essa mania de chamar crianças de anjinhos, acho que pelo fato de ela ter abortado mais de 10 fetos.
    Por uma simples razão: se forem anjinhos, logicamente estão no céu, então a sua culpa diminui. Pois é, naquela época não
    entendi muito bem aquele papo de anjinho, mas compreendi com horror que eu cresceria inevitavelmente. E aquilo foi um baque.
    Comecei a correr atrás do tempo perdido, colecionando memórias. Passava horas, calada, só lembrando e relembrando fatos
    passados. De quando eu tinha 3, 2 anos. Colecionando casos e decorando as posições dos móveis. E ainda hoje lembro da
    casa em que nasci e de todas as outras que morei. E é disso que é feita a melancolia. De lembrança, e contruida em sonhos
    que a pessoa forma para ela mesma, com a consiência de serem impossíveis. E, assim, contrui minha melancolia com
    alicerces fortes e resistentes, que nem o peso de mundos seria capaz de partí-los.
    E o grande dia chegou. Eu já sabia que um dia ia vir, e esperava com ansiedade, como uma menina tola esperando seu
    aniversário de 15 anos. E aos 10 anos, veio minha primeira grande depressão. Minha mãe não tinha conseguido abortar a
    tempo, e agora estava com 5 meses de gravidez. Naqueles dias cinzentos, quis ver o rosto da morte mais que tudo na vida.
    E hoje, 10 anos depois, a vejo. Está lá. Me encontro em um banheiro todo branco, que forma um contraste com minhas
    roupas pretas e meu vômito amarelo que se encontra na privada. Ele me encara. Sinto o gosto de sangue na boca, fruto
    da quinta unhada na garganta, numa tentativa desesperada de colocar a dor para fora. Venho fazendo isso há dias. Está
    se tornando um hábito. E agora olho a morte. E ela é amarela com pedaços de macarrão, bem diferente do romantismo
    que eu imaginava. E olhando para aqueles olhos, compreendi minha existência ou falta dela. É inútil buscar a morte. Pelo
    simples fato de que não vivo. Sou fruto de um dos abortos de minha mãe. Que por um instante esqueceu de morrer.
    - Minha mãe sabe disso?
    - Sabe.
    - E por que ela não me falou?
    - Ela tem pena de você.
    - Sei. E porque vc não me buscou? Te dei tantas chances!
    - Sabe como é, tenho andado muito ocupada...
    - Como assim ocupada?
    - Bom..
    - Você não sabe nem fazer seu trabalho direito! Inútil.
    - Eu posso explicar
    - Então explique-se.
    - Na verdade, se o cara souber que falhei de novo, vou levar o maior esporro, então achei que se vc continuasse andando por
    um tempo, daria para ele acalmar os nervos, e aí eu poderia contar o acontecido com calma.
    - Mas vc não pode apenas me levar sem ele saber?
    - Ih, vc não imagiona como são as pessoas por aqui. Estão doidas para me derrubar. Me dedariam com certeza, e aí seria pior.
    - Sei. E o que faço?
    - Vc fica aí quietinha que quando esfriar por aqui eu te busco, prometo.
    - Agh! E o que ganho com isso?
    - Mais alguns anos de vida, ora!
    - E você acha que gosto daqui?
    - Shhh não grite, não queremos chamar a atenção, certo?
    - VOCÊ não quer chamar a atenção! Eu estou cagando para isso! Quer saber de uma coisa?
    - Pérai, o que vc tá fazendo?
    - Dando a descarga, ora.

    Vejo o rosto da morte indo embora. Francamente, da próxima vez como o arroz e feijão convencional, mesmo.
     
  2. Thrain...

    Thrain... Usuário

    Mto legal 8-) e com um final, até certo ponto, divertido :lol:

    tema interesante esse...
     
  3. NaVegaDor

    NaVegaDor Usuário

    Muito bom. Melancolia, Morbidez e humor NojeNegro. Só achei o desfecho ("Fracamente...") presunçoso.

    Edita onde diz "...minha existência ou alta dela" (imagino que seja falta).
     
  4. Hal

    Hal Usuário

    hum? 8O

    Eu não entendi direito se é um texto humorístico ou reflexivo...
    O q ela tinha comido?

    Bem, eu tava gostando mas foi chegando o final e eu não entendi...

    Mas a menina parou com a idéia de morte? :o?:
     

Compartilhar