1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [_NeMeSiS_][Prólogo (Editado a cada capítulo)]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por -=|Nemesis|=-, 11 Ago 2002.

  1. -=|Nemesis|=-

    -=|Nemesis|=- Usuário

    [_NeMeSiS_][Prólogo (Editado a cada capítulo)]

    Antes de mais nada, eu gostaria de esclarecer que esse texto que eu estou escrevendo e completamente baseado em D&D 3ªEdição e SdA. Ele é sobre a última campanha de RPG que joguei com meus colegas.A história ficou tão boa,e eu meenpenhei tanto como mestre, que resolvi transforma-lá em história e coloca-lá aqui no fórum.
    Eu pretendo que essa história fique muito grande mesmo, passando de 40 capítulos, todos com pelo menos 5 páginas no Word.
    O que eu vou colocara seguir é um resumo da Guerra dos Rugidos Infernais, que aconteceu 7 anos antes da história começar, e quevai ser muito citada na história.portanto, eu resolvi colocar aqui pra vocês antes da história.
    --------------------------------------------------------------------------------------
    Prólogo
    A guerra dos Rugidos Infernais
    Retirado do diário de batalha de Ronan Ferun, Capitão das tropas do reino de Nalarnir

    24 de outubro de 3201
    O dia amanheceu triste e mórbido hoje.Estamos na mina dos anões, em Kelerd (...) nove dias atrás, eu e os capitães das tropas dos reinos de Laera e Derion organizamos nossos exércitos, formando um único batalhão.Tínhamos um numero estimado de 15 mil homens.Assim que a noite caiu e o último raio de sol sumiu no oeste, ecoamos nossas trompas. Nosso exército moveu se como um trovão, uma onda em direção a falésia de pedra. Começamos nosso ataque em direção ao reino amaldiçoado de Cirion. Nós atravessamos as planícies do Mirthien em direção as duas torres, Lurtur e Aurtur, que na língua dos antigos Duraudaur das montanhas do norte, significam respectivamente Sol e Lua. As torres estavam dominadas pelas tropas da sétima casa dos reis de Cirion coordenadas por Mordred. Houve batalha até a madrugada (...) Os homens de Cirion não tiveram chance contra nossos guerreiros, a tropa mandada pelos elfos de Laerta foi de extrema importância...Meus braços ficaram fracos de tanto cortar e decepar (...)
    Consideramos que a batalha já estava praticamente ganha. Tínhamos dominado a torre de Aurtur e Lurtur já estava sobre ataque supremo...Os inimigos fugiram para os dois últimos andares da torre, e de lá de cima atiravam flechas desesperados(...) Porém nós nos enganamos. Uma trompa ecoou das colinas negras do leste. E junto com o sol que nascia, em vez de vir à esperança, veio apenas o sangue e a desgraça...Pois descobrimos que aquilo não era nem um décimo da força de Cirion. Um exército enorme desceu da cidadela de Gorgur e atravessou a passagem das colinas negras...Não apenas homens, mas orcs, trolls e todo os tipos de criaturas que estavam escondidas nas terras negras de Cirion. Eles nos atacaram pela frente, sem medo nem piedade,atravessando a grande muralha de Garoth. E a frente deles vinha ninguém menos que Turagh, empunhando seu machado de nome Aergoth, que significa “Terror dos homens”. E seu nome é justificado, pois ele ceifou indefinido número de vidas durante a batalha...Cada vez que Turagh o levantava e o investia contra os homens, parecia sair uma voz de Aergoth, que clamava por sangue e carne humana (...)Num instante, o que parecia vitória passou a ser um pesadelo.Nossas tropas foram completamente desorganizadas.A maioria dos homens pereceu, enquanto alguns fugiram pelas planícies de Mirthien em direção ao oeste. Presenciei uma verdadeira carnificina naquele momento.Vi o capitão do reino de Derion morrer cercado por um grupo de Trolls, que mesmo depois de terem sido quase todos mortos, o mataram...Porém a que mais me doeu o coração foi à atitude de Findar, capitão dos elfos de Laerta. Pois ele foi sozinho, e adentrou dentro da guarda de Turagh, abrindo caminho entre as tropas negras...Até que se viu frente a frente com Turagh. Turagh riu e falou, com sua voz escura e sombria:
    -Ousa atacar-me elfo?Pois venha, pois Aergoth tem sede e precisa beber!
    Porém Findar não se intimidou e falou destemidamente:
    -Pois venha me confrontar Turagh, pois aqui você encontrara seu destino!
    E sua lança Relgarin brilhou branca e fria(...)a batalha começou. Turagh tentava em vão atacar o capitão élfico, que era rápido e destemido. Aergoth balançava de um lado pro outro., Procurando por sua presa, e toda vez que Aergoth tentava atingir Findar, ele se esquivava com facilidade, pois nas veias de Findar estava o sangue dos antigos elfos de Azroeth. Pois não é que a batalha se estendia, e Relgarin estava manchada de sangue. Turagh estava cansado, embora Findar estivesse pronto para a batalha. Relgarin luzia como um trovão e três vezes ela atingiu Turagh. Uma no braço, outra na perna e uma muito forte no escudo de Turagh, que veio a se quebrar. Fraco e cansado, Turagh vacilou, e Findar aproveitou. De um salto, sua lança reluziu e sangue jorrou para todos os lados, pois Turagh havia sido degolado(...)Findar riu, mas não percebeu o perigo que se aproximava. Pois todas as nossas tropas estavam recuadas e ele estava sozinho no meio de muitos inimigos. Pois um Dilacerador, (uma espécie de troll, só que muito mais forte que um troll normal ) veio por trás dele e com um martelo, acertou a cabeça de Findar, que caiu desmaiado no chão...O Dilacerador riu, e esmagou Findar com um martelada na coluna. Nessa hora não pude agüentar... Senti a fúria se espalhar nas minhas veias, e corri.Atravessando o campo, cheguei até o Dilacerador.Não sei que força me possuiu naquela hora, mas matei o Dilacerador com uma facilidade que nem mesmo acreditei...Pois desviei da martelada dele e encravei minha espada na garganta, fazendo ele urrar e cair morto no chão. Fui até o corpo de Findar, peguei sua lança Relgarin e corri, pois os orcs começavam a me cercar.
    Depois, nos fomos obrigado a recuar.Atravessamos as planícies de Mirthien fugindo, e estabelecemos um acampamento a norte de Aurtur. A noite caiu, e podíamos ouvir o barulho do exército que se aproximava, pois Tureuh, filho de Turagh, agora rei de Cirion, tinha mandado uma parte do exército para exterminar os sobreviventes da batalha. Estávamos fadados à morte, quando tivemos uma surpresa. Pois os anões da montanha de Khor, que ficava a norte do acampamento, tinham visto da sua cidade a batalha, e mandaram um exército de 8000 soldados para nos ajudar...O exército de Cirion foi completamente exterminado diante da fúria dos machados dos anões, e finalmente conseguimos fugir. Fomos muito bem recebidos na cidadela de Kelerd, mas uma neblina se colocava nos nossos olhos, e estávamos tristes e desolados. Passamos dois meses na mina dos anões, esperando que nos recuperássemos para poder viajar para nossas terras(...) Finalmente, partimos de Kelerd. No meio do caminho,20 dias depois de sairmos de Kelerd, avistamos a grande floresta, onde ficava o reino de Laera. Alguns elfos se despediram e adentraram nas árvores. Logo depois, boa parte do nosso exército foi para ao norte, em direção ao reino de Derion. Eu e o que sobrou da minha tropa fomos para o extremo oeste, e caminhamos durante mais de quatro meses até chegarmos na beira do lago Niundel, e no reino de Nalarnir, meu reino...
    FINAL DO PRÒLOGO
    --------------------------------------------------------------------------------------
    Sempre que possível, estarei colocando outro capítulo.
    Eu tenho um mapa do mundo que eu fiz pro jogo...depois escaneio e coloca a foto aqui.
     

Compartilhar