1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Konstantinos Kaváfis.

Tópico em 'Autores Estrangeiros' iniciado por Mavericco, 2 Out 2012.

  1. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Kaváfis, como diz a citação, é um dos manda-chuvas na poesia grega, o que é uma posição colossal, considerando a tradição vultuosa que essa língua tem. Seus poemas são marcados pela sutileza, pela ironia, pela utilização inteligente da forma... E tudo isso mesclado numa rede de poemas que vai desde a releitura de personagens em verdade míticas, como Antônio ou César, até relatos mais coloquiais e prosódicos da vida urbana. Mas também possuem notas sensuais com uma pincelada simbolista esfumaçada, além de ser poesia densamente burilada, a que José Paulo Paes, um de seus tradutores, comparou à de Fernando Pessoa, em especial por seu caráter póstumo e pelas múltiplas inflexões que a voz do poeta sofreu ao longo de seus poemas (não me refiro especificamente a heterônimos). Para alguns ele pode parece "clássico" demais, se comparado com seus contemporâneos europeus; no entanto, como diz Carpeaux, sua poesia é clássica porque se funda e reinterpreta uma tradição que é pura e simplesmente clássica.

    Quem quiser começar analisando três poemas bem fulcrais no que tange a "face histórica" do Kaváfis pode começar com "À Espera dos Bárbaros", talvez o seu mais conhecido, "Ítaca" e "Um Deus Abandona Antônio". Deste último, os versos (segundo a tradução de Haroldo de Campos) "como quem frui de um último prazer, os sons, / os soberbos acordes do místico tíasos" são um conectivo à poesia amorosa e de cunho homossexual: e estas, por sua vez, chamam à frente os poemas que versam sobre o tempo e por aí vai.

    Três pessoas de peso traduziram Kaváfis até hoje: José Paulo Paes, Trajano Vieira e Haroldo de Campos. Assim, o argumento de falta de traduções não possui razão de ser.

    Alguns sites com poemas de Kaváfis que garimpei na internetè:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    (várias traduções para o poema "Ítaca")
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    (ver comentários também)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    (visualização de trechos da tradução de Trajano Vieira)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Calib

    Calib Visitante

    Já quase comprei, uma vez, esse livrinho de "60 poemas" com tradução do Trajano Vieira...
    Ficou para depois. :D
     
  3. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    Não é esse o poeta citado no Quarteto de Alexandria? Vou conferir depois volto aqui Mavericco. Tenho quase certeza que é.
     

Compartilhar