1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Juiz autoriza mudança de gênero e nome para brasileira de 9 anos

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por fcm, 15 Fev 2016.

?

Você concorda com a decisão do juíz?

  1. SIM

    31,6%
  2. NÃO

    68,4%
  1. fcm

    fcm Visitante

    Decisão é inédita para criança dessa idade nessa situação. Com a mudança nos documentos, a criança deixa de ser um menino e passa a ser reconhecida oficialmente como menina.

    Edição do dia 12/02/2016

    12/02/2016 20h59- Atualizado em12/02/2016 21h08

    Juiz autoriza mudança de gênero e nome para brasileira de 9 anos
    Decisão é inédita para criança dessa idade nessa situação. Com a mudança nos documentos, a criança deixa de ser um menino e passa a ser reconhecida oficialmente como menina.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    A justiça de Mato Grosso autorizou a mudança do registro de nascimento de uma criança de nove anos que nasceu menino, mas se comporta e se vê como menina. Foi um pedido da família depois do diagnóstico médico de transexualismo.

    Desde as primeiras brincadeiras, o mundo do faz de conta no quarto sempre foi cor de rosa. No começo os pais estranharam o comportamento do filho mais novo, que agia como menina.

    “Tirava a bermudinha pra ficar só de camiseta, pra se sentir como se fosse um vestido. E sempre procurando as minhas roupas. Sempre pegando as minhas maquiagens. No início eu pensei que era uma fase que ia passar”, lembra a mãe.

    Quando a criança começou a frequentar a escola a situação se agravou.

    “Tinha aula de balé. Ela queria de todo jeito participar da aula de balé, mas não podia. Então ela começou a entrar em depressão. Por diversas vezes ela chegou em casa suja, urinada, por não aceitar ter que ir no banheiro masculino”, conta o pai.

    A família começou a tratar o filho como ela, pelo menos dentro de casa. E decidiu procurar ajuda

    “Achei um documentário. Aí que eu descobri o que é transexualismo. Até então eu nunca tinha ouvido falar”, diz a mãe.

    Ela é uma das 32 crianças atendidas no ambulatório de transtorno de identidade de gênero do instituto de psiquiatria do hospital das clínicas da faculdade de medicina da USP em São Paulo.

    Os especialistas diagnosticaram o transexualismo - que é quando a pessoa não se identifica com o próprio corpo.

    “Não é toda criança que tem todas as características que ela tem, de grande sofrimento, de uma identidade de gênero profunda mesmo no gênero que ela se identifica, que não tem a ver com o sexo biológico anatômico dela”, explica Alexandre Saadeh, psiquiatra – USP.

    Além do laudo dos especialistas, o juiz também fez questão de ouvir a criança. Foram dois depoimentos em uma sala adaptada para o público infantil. A psicóloga usou objetos lúdicos para obter informações. E as conversas foram acompanhadas em tempo real para sanar todas as dúvidas.

    O juiz aceitou o pedido da família para mudança de nome e de gênero nos documentos. Uma decisão inédita para uma criança de apenas 9 anos nessa situação.

    "Esse registro público, ele não pode ser maior do que a própria pessoa que ele espelha, é o ato público que tem que ser corrigido para se moldar através dessa moldagem, dessa retificação, impedir situações de constrangimento para essa criança”, diz o juiz Anderson Candiotto.

    Com a mudança nos documentos, a criança deixa de ser um menino e passa a ser reconhecida oficialmente como menina. O corpo vai passar por transformações mais tarde, a partir da adolescência.

    Criança: Eu imagino que eu vou ter um esposo e três filhas meninas.
    Repórter: Vocês nunca se questionaram se foi cedo demais para tomar esse tipo de atitude?
    Pai: O que importa pra nós é a felicidade dela, a vida dela, a forma que ela vive. Não é querer maquiar e fazer o que a sociedade quer que ela viva. O importante é o que ela quer.

    ---

    Tema bastante polêmico, a princípio sou contra pela idade, aguardo opiniões da galerinha.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    Não acho que idade seja problema e não acredito que um comportamento desses é uma "fase" ou coisa do tipo.
    E que bom que os pais se informaram, foram atrás e encontraram um juiz sensato.
    Boa sorte pra garotinha. =]
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    Complicado. Discordo da decisão do juiz. Sou 100% a favor para transgêneros maiores, com maturidade mais desenvolvida, mas, com 9 anos de idade, acho o laudo de um único médico muito pouco para decidir questão tão complexa sobre personalidade.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  4. Calib

    Calib Visitante

    Enquanto a mudança ficar só no nome, nenhum mal irremediável foi feito.
     
    • Gostei! Gostei! x 3
  5. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    Mas assim, vocês acham o que, que a criança pode mudar de ideia quando for maior? :think:
    Não acha meio difícil que isso ocorra?
    Depois veja, não é capricho de criança que quer algo porque quer, ela está sofrendo sendo forçada a viver dessa maneira.
     
  6. fcm

    fcm Visitante

    Eu acredito que não é só no nome não. Provavelmente deve-se ter uma administração hormonal ocorrendo ao mesmo tempo.
    E não consigo enxergar uma criança com capacidade de decidir sua sexualidade numa idade tão nova, por isso sou contra.
     
  7. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    Mas ninguém falou nada de sexualidade (= vida sexual) é o comportamento dela que é de menina.
    Ela gosta de coisas e tem um comportamento que a sociedade definiu como sendo predominantemente "de menina" e não se encaixa no comportamento "de menino".
    Imagino que deva sofrer bastante na escola e entre os colegas por causa disso.

    Quanto ao tratamento hormonal, não entendo dessas coisas, mas acredito que isso (ser feito em uma criança) nem é permitido. :/
     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1
  8. Calib

    Calib Visitante

    Se ela vai mudar de opinião ou não, se é fase ou não, só o tempo mesmo o dirá. O meu único receio aqui é com os tratamentos hormonais feitos nessa idade com o "consentimento" da criança. Tratamentos esses que são irreversíveis na eventualidade de a criança, depois de grandinha, se arrepender.
    E se o FCM estiver certo, os pais são monstruosamente irresponsáveis. Como nada se falou sobre isso na matéria, ainda acho que não começaram nenhum tratamento desse tipo.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  9. Snaga

    Snaga Usuário não-confiável!!!

    Desde quando uma criança de 9 anos sabe o que quer?

    Usar vestido, brincar de boneca, achar que vai ter marido etc... isso é uma questão de construção da identidade a partir do meio. Mas e a sexualidade? Ela só vai descobrir se tem desejo por homem ou por mulher quando entrar na puberdade. E aí já vai ser tarde demais.

    Nada contra o cara mudar de sexo, só acho muito cedo pra se tomar essa decisão e se arrepender no futuro.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  10. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    Vale a pena reforçar o que a @Clara apontou: não confundam identidade de gênero com sexualidade. Não tem absolutamente nada a ver. Nada impede que essa criança sinta atração por meninas no futuro sem que isso afete a sua identificação com o gênero feminino.

    Mas de todo modo, eu acho 9 anos cedo para se ter um grau razoável de certeza sobre ambas as coisas.
     
    • Gostei! Gostei! x 5
    • Ótimo Ótimo x 1
  11. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Eu entendi que é apenas a questão da percepção dela, nada de orientação sexual por ora. Mas concordo com o @Calib e com os outros: iniciar o tratamento antes da puberdade é muito arriscado. Entretanto, espero que ela seja acompanhada para verificar se é mesmo uma questão de transsexualidade.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1
  12. Ainurian

    Ainurian Visitante

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 2
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Péssimo Péssimo x 1
  13. Calib

    Calib Visitante

    • LOL LOL x 4
  14. Snaga

    Snaga Usuário não-confiável!!!

    Agora saquei meu erro. Eu li "mudança de gênero" como sendo "mudança de sexo". Já tava pensando em cirurgia.
    Tá, o caso não é tão complicado quanto eu pensava. Mas ainda assim, o tratamento hormonal é cedo pra se decidir.

    É o que eu penso também.
     
  15. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Eu tendo a princípio a me posicionar contra por conta da questão do amadurecimento em todos os sentidos (físico e psicológico) como já comentaram aqui.

    E aí chegando na idade adulta tendo a certeza realmente do que sente e o que quer, inclusive se vier a desejar fazer uma cirurgia de mudança de sexo em seu corpo, (que é uma decisão de grande responsabilidade) esse sim será o momento certo.
     
    Última edição: 15 Fev 2016
  16. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    O que a @Ainurian postou é uma posição radical em alguns grupos, a da "fetichização de gênero" - é um contraponto à teoria queer, super vaga. Não duvido que tenha sido bem investigada, mas é, é melhor tomar cuidado com isso. Tanto pode ser uma questão de identificação com caracteres tidos como femininos como uma dismorfia corporal, mas essa transição só vai ficar clara mesmo na puberdade - e ainda assim vai ser preciso acompanhar o indivíduo para ver se procede essa identificação da transsexualidade.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  17. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    E eu achando que o que ela postou fosse justamente a Teoria Queer, essa ideia de que os traços de gênero são apenas culturais e tal... ou eu que não entendi o que é a Teoria Queer? :dente: De qualquer forma, acho bastante plausível, mas não sou 100% convencido. Já discutimos isso no Face, né?
     
  18. Ainurian

    Ainurian Visitante


    Verdade, mas achei um ponto válido pra reflexão. Eu concordo com o @Eriadan sobre a prematuridade dessa decisão, mas acho que os pais, que conheceram essa discussão trans por conta da criança, no desespero de acabar com o sofrimento dela (completamente entendível) resolveram de uma maneira desesperada. Acho que um acompanhamento psicológico mais longo seria melhor, minimizando o sofrimento da criança e discutindo a questão, pelo menos até os 12, 13 anos, quando ainda teriam tempo de barrar a puberdade e fazer a criança tomar remédio do gênero com a qual se identifica.


    MAAAAAAAAAASminha opinião não importa realmente, visto que não passei por isso, me identifico com o sexo feminino e nunca tive conflitos internos resultantes do meu gênero.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1
  19. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    É que a definição social dos "traços e características de gênero" passa pela discussão do surgimento da sociedade patriarcal, mas é aí e pronto, trata da definição de gênero em razão da identificação do indivíduo com o próprio sexo biológico. Pra Teoria Queer, o exercício da própria sexualidade é um campo mais vago, mais aberto, fluido - daí ter entre eles quem acredite na extinção dos contrastes entre gêneros, ou seja, da separação tradicional/clássica/etc. entre masculino e feminino, não mais dependente da fisiologia. O "exercício" da sexualidade na visão do Queer é uma "performance", que pode ser desconstruída.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  20. Grimnir

    Grimnir Usuário

    O que mata é esse papo de que a opinião não importa se não tem vivência.
     
    • Gostei! Gostei! x 4
    • LOL LOL x 1

Compartilhar