1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Juan José Saer

Tópico em 'Autores Estrangeiros' iniciado por imported_Diego Cardoso, 12 Mai 2011.

  1. Em um artigo sobre Juan Carlos Onetti, Juan José Saer celebrou a capacidade do escritor uruguaio de escorregar para fora do realismo clássico, por assim dizer, aquele estabelecido pelos grandes romances franceses e russos do século 19, preferindo estabelecer um território pessoal, digno de Cervantes, "o da realidade da ficção". Essa definição cabe também para classificar a obra do próprio Saer, figura seminal da literatura latino-americana do último meio século. Lamentavelmente, a obra desse argentino é editada no Brasil a um ritmo vagaroso. (...) Não é difícil entender por que Saer é tão ignorado por aqui. Sua carreira começou na década de 60, exatamente durante o boom de autores latinos na Europa e Estados Unidos. Ao invés dos exotismos de Gabriel García Márquez e dos exageros de Julio Cortázar, o jovem Saer assumiu um percurso literário sinuoso: obras rigorosas, radicais até, só que de um experimentalismo peculiar, sem hermetismo. Não encontramos em suas páginas jogos de palavras gratuitos, truques lingüísticos incompreensíveis ou personagens-simulacros tão caros aos artífices do pós-modernismo. Somente narrativa. Narrativa difícil, sustentada por uma prosa-catedral construída tijolo a tijolo ("escrever é um trabalho que não deixa tempo para rezar", declarou), composta de habilidosas reconstruções romanescas de eventos do passado e de gêneros literários (policial, relato histórico, aventura), além de um uso incomum do tempo - ao mesmo tempo ausente e onipresente, viscoso e intangível -, a ponto de um seus romances (Glosa, de 1985) compreender "apenas" o diálogo entre dois amigos durante uma caminhada de poucas quadras.

    Fonte:http://bravonline.abril.com.br/conteudo/bravoindica/bravoindica_406823.shtml


    Alguém conhece a obra desse escritor argentino? Comprei um romance dele e estou esperando chegar ('A Pesquisa'). Um amigo me indicou e disse que seus livros estão entre os melhores da literatura latino-americana.
     

Compartilhar