1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

José Lins do Rego

Tópico em 'Autores Nacionais' iniciado por Lucas_Deschain, 12 Jul 2010.

  1. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [size=medium][align=center]José Lins do Rego (1901-1957)[/align][/size]

    [align=center]
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    [/align]

    [align=justify]José Lins do Rego Cavalcanti nasceu em Pilar, Estado da Paraíba, em 03 de junho de 1901, e faleceu na cidade do Rio de Janeiro em 1957. Criado no engenho Corredor, de propriedade do avô materno, fez os estudos secundários em Itabaiana e na Paraíba (atual João Pessoa), vindo a se formar em Direito no Recife no ano de 1918. Foi também no Recife que veio a conhecer intelectuais como Gilberto Freyre, José Américo de Almeida e Olívio Montenegro. Tempos depois conheceria em Maceió dois grandes nomes da literatura de seu tempo: Jorge de Lima e Graciliano Ramos. Exerceu o cargo de promotor público em Manhaçu (MG). Publicava, desde sua tenra juventude, artigos em suplementos literários, passando após algum tempo a escrever romances. Seu primeiro livro foi publicado em 1932: Menino de Engenho, custeado com dinheiro do próprio bolso, e que atingiu enorme repercussão, abrindo caminho para uma série de obras de grande importância em nossa literatura. José Lins do Rego veio para o Rio de Janeiro em 1935. Consagrado como o grande escritor regionalista brasileiro ao lado de Graciliano Ramos, foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras no ano de 1956 . Sua obra tem como característica ser detentora de um profundo lirismo e de uma linguagem cheia de vocábulos regionais. Neto de um poderoso senhor de engenho, José Lins do Rego conviveu com essa transição econômica e cultural por toda a sua juventude, o que concede a seus textos um tom de biografia que se estende desde o seu primeiro livro. Neste ano de 2001, quando completaria 100 anos de vida, a Academia Brasileira de Letras o homenageia com uma exposição e um ciclo de palestras sobre sua vida e sua obra. Outra homenagem foi prestada com a criação de um prêmio literário, no valor de R$ 30.000,00, para a melhor obra criada em torno do autor que escrevia guiado pelas emoções e pela memória.
    [/align]

    Principais obras:

    Menino de Engenho (1932)
    Doidinho (1933); Bangüê (1934)
    O Moleque Ricardo (1935)
    Usina (1936)
    Pureza (1937)
    Pedra Bonita (1938)
    Riacho Doce (1939)
    Água-mãe (1941)
    Fogo Morto (1943)
    Eurídice (1947)
    Cangaceiros (1953)
    Meus Verdes Anos (1953)
    Histórias da Velha Totonha (1936)
    Gordos e Magros (1942)
    Poesia e Vida (1945)
    Homens, Seres e Coisas (1952)
    A Casa e o Homem (1954)
    Presença do Nordeste na Literatura Brasileira (1957)
    O Vulcão e a Fonte (1958)
    Dias Idos e Vividos (1981)

    Fonte: http://www.releituras.com/jlinsrego_menu.asp

    [align=justify]Dele li Fogo Morto, que, embora tenha achado um bom livro, não entendi muito bem qual a proposta mais profunda do autor. É uma leitura agradável, uma prosa bem construída. Sempre ouço falar muito bem também de Menino de Engenho. É um autor que vale a pena conferir.[/align]
     

Compartilhar