1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Johann Wolfgang von Goethe

Tópico em 'Autores Estrangeiros' iniciado por -Jorge-, 28 Nov 2010.

  1. -Jorge-

    -Jorge- mississippi queen

    Johann Wolfgang von Goethe (28 de agosto de 1749 - 22 de março de 1832) foi um escritor alemão e polímata. Goethe é considerado por muitos como o mais importante escritor da língua alemã e um dos pensadores mais importantes do Ocidente. A obra de Goethe estende-se pelos domínios da poesia, teatro, literatura, teologia, filosofia e ciência. Sua magnum opus é o drama, Fausto. Algumas outras obras de Goethe incluem os seus poemas numerosos, Os anos de Aprendizagem de Wilhelm Meister, e o romance epistolar Os Sofrimentos do Jovem Werther.

    Goethe foi uma das principais figuras da literatura alemã e do movimento do Classicismo de Weimar no final dos anos XVIII e início do século XIX, esse movimento coincide com o Iluminismo, Sentimentalismo, Sturm und Drang e o Romantismo. Autor do texto científico Teoria das Cores, suas influente idéia sobre a morfologia e homologia vegetal e animal foi alargada e desenvolvida pelos naturalistas do século XIX, incluindo Charles Darwin. Ele também atuou extensamente como Conselheiro Privado do ducado de Saxe-Weimar.

    Da
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .

    ----
    Mais uma vez, só lamento a baixa quantidade de traduções. O Fausto pelo que me lembro é uma grande obra, com vários diálogo interessantes. Penso em comprá-lo novamente na edição da 34 para logo.
     
  2. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Comprei essa edição da Editora 34 no Submarino e vamos lá ver no que vai dar. Reporto dentro se a tradução e a edição forem boas... (ao menos os desenhos do Beckmann aproveitá-los-ei)

    Ao contrário da tradução do Fausto Zero, que eu desci a lenha bem descida:
    http://www.meiapalavra.com.br/showthread.php?tid=4097
     
  3. imported_Rafaela

    imported_Rafaela Usuário

    Desse autor li Os Sofrimentos do Joven Werther e Fausto, este último não entendi muito bem e pretendo reler, apesar que a versão que tenho deve ser resumida pois é um livro só e vi nas livrarias 2 livros ENORMES!!!
     
  4. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Bem... O Fausto pode ser facilmente encurtado:
    • se colocarem o texto em duas colunas
    • se não colocarem notas nem ilustrações

    Sendo que as notas é o que faz mais falta...
    Lembre-se também que o Fausto é feito de duas partes... A segunda é maior e muito mais complexa que a primeira. A maioria das pessoas só leu a primeira, que é onde o Fausto faz o pacto com o Mano Mefis...
     
  5. imported_Ariane

    imported_Ariane Usuário

    Na Alemanha as pessoas dizem que existem as "pessoas de Schiller" e as de Goethe. Eu pertenço à segunda categoria. hahahahahaha

    Fausto é uma das minhas peças favoritas, embora eu não tenha lido "Fausto, a Origem" (baseada em Johann Faust), eu só li, até agora, a versão com a tragédia da Gretchen.

    Eu adoro a linguagem que Goethe usa e ela é sim complicada (mas vai ler Kleist o_O) Goethe escreve(u, ia haha) em verso, por isso eu não acho que dividir o texto em duas colunas seria uma boa idéia. *-*

    Ah, uma curiosidade: Por aqui se diz que Goethe, apesar de ter tido muitas mulheres, foi virgem até os seus 45 anos! :sim:
     
  6. gabrisims

    gabrisims Usuário

    Li recentemente Os sofrimentos do jovem werther e foi uma obra que me tocou bastante. Ainda que a linguagem pareça empecilho de início, lá pelas tantas fica fluida e você acaba até gostando :)
    Alguém tem uma dica de outro que tem essa temática? O fausto, ele é muito complexo ou concentra seu foco no existencialismo do Werther?
     
  7. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Os Anos de Aprendizagem de Wilhelm Meister, também do Goethe. Editora 34 recomendada.
     
  8. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Goethe foi uma surpresa pra mim: por ler muito Nietzsche o nome dele já me era familair e respeitado, porque o filósofo alemão, apesar de criticar muitas coisas da Alemanha de sua época chegava a escrever que Goethe era tão brilhante que transcendi a Alemanha, era praticamente um grego! Aí se vê, em Goethe, a idealização nietzscheana do helenismo mais aristocrático, da poesia mais dionisíaca. Aí peguei pra ler.

    O Fausto - Foi uma leitura complicada, difícil de assimilar a alta poesia, os motivos mitológicos e o pensamento filosófico de Goethe (que pertence mais a um motivo religioso-psíquico que a uma ideia particular dele), ainda assim, foi uma leitura muito interessante.

    Os sofrimentos do jovem Werther - Esse livro é impressionante, um dos meus preferidos de todos os tempos. Sério. A narração apaixonada de Werther de seus sentimentos, suas dores, angústias e pequenas alegrias, a tortura de cada dia e toda a situação tensa que ele descreve, incluindo o trágico final conseguiu me arrancar lágrimas dos olhos e me fez refletir sobre os meus próprios sentimentos.
     
  9. Spartaco

    Spartaco James West

    Ressuscito este tópico sobre Goethe para obter algumas informações a respeito das melhores publicações da tragédia Fausto e qual delas incluem as duas partes da mesma.

    Muito obrigado e um abraço a todos.
     
  10. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    De longe, a melhor edição que você vai encontrar é a da 34, traduzida pela Jenny Klabin Segall. O material crítico é admirável, com vários comentários, texto bilíngue e, evidentemente, a tradução da Segall que é maravilhosa. Existem outras edições que ora publicam apenas a primeira parte como se esta fosse a única (geralmente edições que publicam a tradução do Castilho, traduzida do francês e não do alemão), e outras que publicam as duas em apenas um volume (a da Martin Claret, pelo que ouvi dizer). Mas a melhor continua sendo a da 34, em dois volumes.
     
  11. Spartaco

    Spartaco James West

    Valeu. Um forte abraço.

    P.S.: Complementando: parece que o da Editora 34 é dividido em dois volumes. Não existe uma edição que englobe as duas partes em um volume só?
     
  12. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    A Editora Itatiaia publicava também essa tradução da Segall, que possui as duas partes juntas (mas sem notas e texto bilíngue), dependendo do ano de republicação. É claro que ela possui um posfácio do Sérgio Buarque de Hollanda, um prefácio do Erwin Theodor e outro do Antônio Houaiss; mas, por mais que o aparato prefacial/posfacial seja grande, as notas ao longo do texto muito fazem falta.
     
  13. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

  14. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    filme

    acabo d assistir o filme goethe (2010) e gostei mto por mostrar como os acontecimentos da vida do autor qdo jovem influenciaram na escrita do werther.

     
  15. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Terminei um livro equilibrado, o Cosmoterapia do Rohden, e comecei a ler o "Sofrimentos" do Goethe. É como mudar da água para o óleo. O personagem é estridente e bipolar (por vezes até desagradável), aliás, é impressionante como esses personagens românticos (pré-românticos) tem tendência de buscar a morte de forma precoce. Em todo caso a leitura tem valido pela descrição do ambiente e das impressões pessoais no contexto histórico e social que me lembram um pouco de outro triângulo amoroso que foi o Dom Casmurro.

    Também explica um bocado a quantidade de alemães que ficaram perambulando pelas matas e sertões brasileiros em nossa história movidos pelo ideal. No mais é um negócio parte passional, parte amor platônico, só que à moda alemã e com pitadas do ideal campestre.
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar