1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

João Andante X Johnnie Walker

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Elessar Hyarmen, 4 Dez 2011.

  1. Elessar Hyarmen

    Elessar Hyarmen Senhor de Bri

    Fabricantes de cachaça mineira são acusados de plágio e enfrentam ação movida pela dona da marca de uísque


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    De um lado, 200 garrafas vendidas por mês no boca a boca; de outro, cinco por segundo nas prateleiras de supermercados e lojas especializadas do Japão ao Brasil. Uma é cachaça tipicamente mineira e o outro o uísque mais famoso do mundo. Um tem ação na Bolsa de Nova Iorque e outra funciona num quartinho improvisado da casa de um dos sócios. As diferenças são inúmeras, mas ainda assim a gigante Diageo, holding detentora do uísque Johnnie Walker e outras dezenas de bebidas famosas, entrou com ação no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi) pedindo que seja cancelada a certificação de um produto mineiro: a cachaça João Andante. A multinacional acusa jovens empresários mineiros de terem plagiado o nome e a marca do destilado escocês na criação da pinga, que seria uma tradução livre de Johnnie Walker.

    O imbróglio envolvendo a aguardente e o uísque iniciou-se em 7 de fevereiro, no último dos 180 dias previstos para que fossem apresentados recursos contra a certificação do produto mineiro. Às vésperas do fim do prazo de contestação, representantes da holding no Brasil encaminharam notificação extrajudicial dando cinco dias para que o grupo de mineiros retirasse o pedido de certificação. O documento deixou os irmãos Gabriel e Mateus Lana, o primo Rafael Vidigal e o amigo Gabriel Moreira, sócios e criadores da cachaça, com os cabelos em pé. “Qual o porquê de tamanha ameaça?”, questionaram-se, uma vez que o produto já havia sido registrado no Inpi, em 2008, e, dessa vez, o processo era apenas para revisão da marca.

    Na peça judicial, o escritório que defende a Diageo no Brasil apresenta como argumento a história de quase dois séculos do uísque, as supostas semelhanças entre as duas marcas e duas citações da internet que associam o produto mineiro ao destilado escocês. A primeira diz que João Andante seria um primo de Johnnie Walker que veio para o Brasil durante a 1ª Guerra Mundial e, impedido de fabricar uísque diante da falta de matéria-prima, resolveu fabricar cachaça. A segunda mostra uma foto de um comprador da pinga com a garrafa em mãos e a seguinte frase: “João Andante, a original! Se cuida Johnnie Walker” (sic). E acusa de má-fé os criadores da cachaça: “(…) a marca atacada padece do requisito da distintividade, sendo certo que, na mente do consumidor, a lembrança do signo da suplicante confunde-se com o sinal da suplicada. Resta evidente o intuito da suplicada de ficar à sombra da marca suplicante, tentando usurpar para si a clientela, como fazem todos os mal-intencionados”, diz a petição.

    Os sócios se defendem das acusações dizendo que não copiaram a marca da Johnnie Walker e apenas “inspiraram-se” no produto. Numa ação despretensiosa de jovens muito bem preparados, a cachaça foi inventada quando três dos amigos ainda estudavam na Escola Técnica de Formação Gerencial do Sebrae, em 2003. Adolescentes, aos 15 anos, numa conversa de corredor, meses antes de um deles viajar para intercâmbio na África do Sul, um dos amigos disse que um dia fabricaria a pinga João Andante. O nome chamou atenção e, ao retornar do período no exterior, a surpresa: os amigos entraram com pedido de patente do produto. “Pedimos uns R$ 600 emprestado para o meu pai e corremos atrás do registro”, afirma Gabriel Lana, que, inclusive, transformou o produto em tema do trabalho de conclusão de curso do Sebrae.

    E tem mais: na avaliação dos jovens empresários, o plágio se caracterizaria por gerar confusão entre os consumidores. “Se fosse uma cópia, teríamos uma caixa quadrada e vermelha. Mas não. A nossa é marrom e redonda. Eles estão subestimando a inteligência do consumidor. Você acha que alguém vai confundir um uísque com uma cachaça?”, criticam os quatro, três deles hoje com 25 anos, reiterando que as duas bebidas nem mesmo dividem as prateleiras, pois, por enquanto, a venda da pinga é feita exclusivamente para amigos.

    A justificativa para que a marca seja contestada, segundo os jovens, pode extrapolar o plágio. Em pesquisa na internet, eles descobriram que há dois anos a Diageo comprou a pinga Nega Fulô com o objetivo de investir na cultura local e, com isso, a tentativa seria de proteger outra marca do grupo. O Estado de Minas entrou em contato com a assessoria de imprensa da Diageo no Brasil, mas não teve retorno até o fechamento da edição.

    Sucesso além do previsto

    Apesar de esforço quixotesco para produção e registro da marca, a primeira garrafa de João Andante só foi armazenada há três anos. Como a intenção nunca foi produzir a branquinha, os criadores foram para Presidente Bernardes, na Zona da Mata, selecionar um entre os mais de 40 alambiques da região. E a escolha foi por um produtor que tinha um barril de carvalho do século 19, o que garantia o tom mel do líquido.
    Mas, sem nunca ter tido dedicação integral dos sócios, provavelmente o sucesso da João Andante não era esperado pelos jovens. Seis meses depois do primeiro engarrafamento, para comprar era preciso fazer fila e encomendar com três meses de antecedência – ainda assim correndo o risco de ficar sem o pedido. E um problema: não tinha como encontrar outro barril semelhante para manter o padrão e aumentar a produção. “Pensa só: somos quatro sócios. Se cada um vende 50 garrafas por mês, a remessa esgota-se”, afirma Gabriel Lana.

    Em agosto do ano passado, atendendo pedidos e vislumbrando sucesso, os amigos decidiram fazer João andar um pouco mais rápido. Um segundo alambique foi selecionado, permitindo a produção de dois tipos de cachaça. Dessa vez, em Passa Quatro, no Sul de Minas. Mantendo o padrão artesanal, a diferença era que a estrutura do novo produtor permitia fabricar até 4 mil garrafas/mês, com certificação de orgânica. As novas unidades devem começar a ser vendidas no Natal, quando deve ser inaugurado o site
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , por onde serão feitos os pedidos de compra.

    Hoje, uma cachaça da marca custa R$ 40. Mesmo com a expansão da produção, suas vendas ainda ficarão longe dos 150 milhões de garrafas do uísque que são vendidas em mais de 200 países. E vale lembrar que o sucesso da João Andante ainda depende de dois requisitos: a manutenção do padrão de qualidade com o novo alambique e o ganho de causa no processo de certificação. (PRF)

    Conceito complexo

    A inspiração para a criação da marca João Andante não se restringe ao uísque. Durante a conceituação, feita em parceria com a agência júnior de comunicação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Cria , foram listados alguns ícones para a concepção. A ideia era associar a pinga a um personagem com características de um sertanejo e de um caxeiro-viajante. Assim, escolheram o Jeca Tatu, de Monteiro Lobato, e o lendário andarilho Juquinha, que até ganhou estátua na Serra do Cipó. Além disso, foi usado o quadro Dom Quixote (1955), criação de Pablo Picasso. Do primeiro, foi usada a tipografia para compor o nome do produto; o segundo serviu como pano de fundo para a composição conceitual, enquanto, de Picasso, foi extraída a cabeça da imagem para compor o boneco da marca. Consta também no argumento dos mineiros que o nome da pinga não seria uma tradução literal do uísque, como consta na petição. Walker é do sobrenome da família criadora do destilado no século 19, enquanto Andante seria uma referência a um andarilho errante. E, claro, a tradução de Johnnie seria Joãozinho e não João, escolhido também por ser um dos nomes mais populares do Brasil.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • LOL LOL x 1
  2. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Não sabia dessa e até que o rótulo da pinga mineira é engraçado e ao mesmo tempo bacaninha :lol:

    Coincidência ou não novamente mineiros são acusados de plágio já que não faz muito tempo o grupo musical mineiro Jota Quest recebeu a mesma acusação e pra evitar um processo pesado nas costas mudou o nome da banda porque fazia alusão ao personagem de desenho animado Jonny Quest.
     
  3. Elessar Hyarmen

    Elessar Hyarmen Senhor de Bri

    O Rótulo dos mineiros é mais bonito e criativo rsrs
     
  4. Amon_Gwareth

    Amon_Gwareth Paragon

    Ri alto do João Andante. nota 10 pra criatividade haha

    Se rolar mesmo a viagem pra Luminárias, vou querer tomar um pouco disto, rs
     
  5. Deriel

    Deriel Administrador

    Será que eles pagaram direitos autorais pro legado do Picasso? É sério.
     
  6. Ivo Basay®

    Ivo Basay® Banned

    Muito da hora esse Johnnie Walkier mineirim!!
     
  7. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    Vai ser bem decepcionante se a Diageo conseguir ganhar esse processo.

    Será que eles não vêem que essa fuga da marca ao próprio controle, a ponto de ser reinventada com alguns valores (e sobretudo a elegância impositiva) invertidos é a glória, e não a ruína?

    É quase a mesma coisa que os donos do Empire State reclamarem de serem usados em algum guia turístico de Nova York sem serem perguntados. Na verdade, é pior que isso.
     
  8. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Eticamente questionavel a atitude dos donos da pinga. Montar nos outros pra se fazer não é legal.
    É que nem os polystations da vida.
    Nesse ponto acho normal a atitude da empresa. Por outro lado é um gasto de energia desnecessário.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  9. Reverendo

    Reverendo Usuário

    É um plágio... mas bom prá diabo.
     
  10. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    Isso para mim não é plágio aqui ou na China. É mais próximo, em termos de propriedade intelectual, dos famosos "remixes" da música - usados, dentre outros estilos, no funk carioca. Um signo é recortado e colado num contexto diferente, daí, passa a representar um outro conteúdo. Além disso, o símbolo foi profundamente alterado, até invertido. Johnnie Walker é altivo, anda ereto, bem vestido, caminha para a direita (ou "para frente"), representando os valores da burguesia da Era Industrial. João Andante é simplório, não tem preocupação estética, anda em sentido contrário, tem uma postura corcunda. Representa a simplicidade da classe mais baixa dentre o que os brasileiros tem como imaginário do começo do Século XX, a aversão a conflito, até o complexo de vira-lata (numa forma sem conotação negativa).

    Não há a má fé de causar confusão, como o Polystation (que sim, eu já vi gente comprando achando que era um Play da Sony ¬¬). A marca, sim, só vai ser mal intencionada se ela partir para uma escala industrial, onde ela pode se apropriar do símbolo das outras - o que, parece, está muito longe de acontecer, mesmo com a previsão de aumento da produção - a vontade é permanecer a produção artesanal e limitada - e até isso está sendo representado, não fazendo muito sentido um crescimento exponencial. É uma subversão de um símbolo global, e disso a fabricante de Whisky não tem poder moral para reclamar - o próprio ato do marketing consiste em parte em subverter valores para dar conotação estética e social positiva a um produto, abrindo espaço com uma certa força para que este entre no imaginário social.

    A criação é original, vem com ideias novas e suprimi-la seria muito mais uma destruição que uma preservação do patrimônio intelectual.
     
  11. Deriel

    Deriel Administrador

    O problema maior, a meu ver, é o uso de um desenho do Picasso. Isso sim daria problema.
     
  12. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    É verdade. Aí pode um pouco de má fé, ou, no mínimo e mais provavelmente, de má vontade.

    Quem herda e cuida da propriedade intelectual de Picasso, importante que tenha sido ele como artista, provavelmente não tem um grande departamento de marketing para impor uma "marca" (até porque isso não existe, no sentido comercial, para artistas reais) e vigiar quaisquer violações ou tentativas de usurpação.

    Tenho opiniões heterodoxas sobre propriedade intelectual, se o mundo fosse meu, nem isso seria ilegal, mas com as normas jurídicas e as práticas contemporâneas...
     
  13. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    O João Andante pra mim lembra mais uma versão paródia do que plágio.

    E geralmente quando se faz uma paródia existe uma certa tolerância, pelo menos na música e no cinema isso é admitido até um certo ponto.
     

Compartilhar