1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Jane Eyre (Charlotte Brontë)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Meia Palavra, 1 Ago 2011.

  1. Meia Palavra

    Meia Palavra Usuário

    Sob o pseudônimo de Currer Bell, Charlotte Brontë (1816 – 1855) publicou seu romance intitulado Jane Eyre e alcançou sucesso imediato, gerando muitas especulações sobre sua verdadeira identidade e sexo. Neste romance, além da excepcionalidade (considerado sua obra prima), Charlotte inseriu no mundo literário um novo tipo de personagem feminino, o que não mais assume o estereótipo submisso, frívolo e instável, mas o que é forte, que tem necessidades artísticas e intelectuais, que não se contenta com as possibilidades limitadoras impostas a sua vida. Por esse motivo e por certa semelhança da narrativa com a vida da própria escritora, tende-se a ver a obra por um viés feminista ou biográfico, mas estes nem sempre são considerados pertinentes.

    Ainda criança, Jane é maltratada pela orfandade e pela necessidade de caridade. E a caridade, naquele tempo, era vista com maus olhos, significava rebaixamento. Estamos na época das poorhouses/workhouses, nas quais eram encerrados mendigos, órfãos, pedintes, loucos ou qualquer um que perambulasse pelas ruas causando “transtorno”. Em Paris, por exemplo, a esmola chegou a ser proibida por lei, por ser considerada um fomento à vagabundagem. E dentro deste contexto, Jane Eyre é vista como sendo (na casa da tia, onde morou até ser mandada para uma escola caritativa) pior do que uma serviçal, é igualada a um “rato”. Adulta, consegue “tomar conta de si mesma” e torna-se tutora da protegida do Sr. Rochester, apaixonando-se pelo último. Mas todo esse sofrimento (e o que enfrentará depois), a impotência e a vulnerabilidade de Jane Eyre, são artisticamente contrabalançados com sua força espiritual. Ela, mesmo sendo solitária no mundo, pobre e mulher, recusa-se a sofrer passivamente e insiste na sua auto-afirmação como indivíduo digno.

    [
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ]
     
  2. Clara

    Clara O^O Usuário Premium

    "Jane Eyre" é uma história bacana. :sim:
    E essa resenha fez justiça ao livro.

    Li a primeira vez quando tinha por volta de 13 ou 14 anos e lembro de ter ficado maravilhada com o clima gótico da história e horrorizada quando
    a Jane volta para o Sr. Rochester e o encontra cego e meio aleijado, e ainda assim resolve ficar com ele, apaixonada.


    A segunda vez que li, era adulta e achei a Jane uma tonta por
    ir embora, praticamente fugir da companhia do maravilhoso Sr. Rochester :lol: porque ele era casado com aquela mulher demente e piromaníaca! o_O


    De qualquer forma acho uma história de amor tão boa quanto "O Morro dos Ventos Uivantes".
    Sempre recomendo os livros das irmãs Bronte pra quem gosta de romance que não seja "água com açucar". :sim:
     
  3. Liv

    Liv Visitante

    Esse é um dos livros que estão na lista "Mas cacete! Você ainda não leu?!"
     
  4. Jarsgirl

    Jarsgirl Usuário

    Eu amooo Jane. Acho ele melhor que o livro da Emily, que acabou se tornando mais famoso (O Morro dos ventos Uivantes).

    Quem já conhece a história das irmãs Brontë, percebe que muitas partes da história é biográfica como
    as meninas no orfanato terem que caminhar na chuva e muitas morrerem por causa disso. Ela perdeu, se não me engano uma ou duas irmãs no colégio que foram levadas.

    Eu comprei uma versão no sebo em 2007, pois na época o livro estava esgotado. Hoje tem dezenas de editoras publicando. Finalmente viram que muitos querem ler.

    O livro é tão bom, que na época O Morro dos Ventos Uivantes foi duramente criticado, pois acreditavam que eram escritos pela mesma pessoa e ninguém entendia porque lançar um livro com texto inferior ao de jane. (posteriormente Charlotte foi a publico e falou que ela era autora de jane Eyre e sua irmã Emily escrevera O Morro dos ventos uivantes)
     
  5. Spartaco

    Spartaco James West

    Ressuscitando e aproveitando este tópico para indagar aos mais entendidos em assunto de tradução se o livro Jane Eyre publicado pela Martin Claret é de bom nível; constam como os tradutores da obra Carlos Duarte e Anna Duarte.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Além disso, verifiquei que essa mesma editora lançou outros romances de Charlotte Brontë, bem como de suas irmãs Emily e Anne Brontë. Por isso estou com interesse em adquirir essas obras, mas antes peço-lhes para me elucidar sobre as respectivas traduções, uma vez que a fama dessa editora não é das melhores quando o assunto é tradução.
     
  6. DiegoMP

    DiegoMP Usuário

    Martin Claret é sempre Martin Claret, né. Faz um tempo aí que eles estão tentando se reinventar mas eu ainda tenho pé atrás com eles.

    Quão afoito tu está para ler o Jane Eyre? Até onde eu sei tá tudo certo para sair esse ano uma edição pela L&PM, além do preço ser bastante em conta já que é livro de bolso, vai ser tradução nova, do mesmo cara que traduziu o Jaqueta Branca pra Carambaia (no momento me foge o nome dele), pelo que me consta é um sujeito bastante competente.
     
    Última edição: 4 Jun 2017
  7. Spartaco

    Spartaco James West

    @DiegoMP, agradeço a sua informação. No entanto, pesquisando os nomes dos tradutores acima mencionados (Carlos e Anna Duarte) verifiquei que, pelo que parece, eles são bons tradutores, inclusive tem livros traduzidos para outras editoras também. O mesmo vale para Paulo Cézar Castanheira e Solange Pinheiro, que são os tradutores dos outros livros das irmãs Brontë.

    Creio então que tais livros são da "nova safra" da Martin Claret. :grin:
     

Compartilhar