1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Israel está preparando nova guerra com Líbano, diz militar

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 6 Jul 2012.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    O Exército de Israel revelou nesta quinta-feira que está preparando uma nova guerra com o Líbano, seis anos após o fim do último conflito entre os dois países, informou a edição online do jornal "Haaretz".

    De acordo com o comandante da 91ª divisão do Exército, Hertzi Halevy, responsável pela região fronteiriça com o país árabe, há "mais de um fator que pode inflamar a fronteira", vindo do Líbano ou "de outro lugar", em referência ao conflito interno entre governo e oposição na Síria.

    Para o grupo, a queda do regime sírio pode trazer o aumento dos ataques e das operações do grupo palestino Jihad Islâmica e do libanês Hizbollah, o que aumentaria o conflito na região com a fronteira de Israel.

    Agentes da inteligência também detectaram "áreas fora da lei" nas áreas limítrofes entre Líbano e Síria, em que houve aumento do tráfico de armas e equipamentos militares mais avançados. Segundo os israelenses, o Líbano possui cerca de 60 mil mísseis balísticos nas mãos do Hizbollah.

    Os militares do Estado judeu afirmam que a guerra será mais rápida e as manobras de solo nas regiões consideradas reduto do grupo radical libanês serão as mais importantes.

    MAIS VIOLENTA

    Apesar das ameaças do comandante israelense contra a violência do Hizbollah no norte do país, a maioria dos confrontos aconteceu com o Exército libanês.

    Na semana passada, um grupo de oito soldados encontrou cinco membros das forças libanesas, com atiradores e lançadores de foguetes. Em investigação posterior, descobriu-se que a intenção do comando era atacar os soldados israelenses. Em resposta, as tropas avançaram com tanques para evitar um novo ataque.

    Halevy afirma que o próximo confronto poderia causar mais dano que o ocorrido na região de Bint Jbeil em 2006, que teve a reconstrução terminada no início desde ano.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Felagund

    Felagund Well-Known Member

    Leia-se: Soldados após tortura confessaram.
    Israel é nojento, triste papel que parte o povo judeu está passando pelas barbaridades desse estado.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  3. Tar-Mairon

    Tar-Mairon DARK LORD AND LOVING DAD

    .

    Querem vingança do vexame de 2006. Não gostaria de estar na pele de seus inimigos.

    .
     
  4. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    A elite governante israelense tem que justificar seu poder para continuar governando. O arrefecimento de tensões não é do interesse dos líderes do Estado Judeu. Quem manda no País, quem é eleito para cargos de prestígio, sempre vem das Forças Armadas. Virtualmente todo membro da cúpula de governo israelense fez carreira no Exército para além dos três anos de serviço básico.

    Se for fiada uma paz duradoura na região, aos poucos a justificativa para que o setor de Defesa receba tanto dinheiro vai desmoronando, e junto o poder dos militares, que vão ter que dar passagem a outros setores da sociedade civil (mesmo que ela seja extremamente militarizada, já que lá todo mundo serve). Há a necessidade enorme de legitimar a indústria armamentista e de inteligência também, que faz parte tanto da pauta de exportação quanto do mercado interno.

    Enfim, uma guerrinha aqui, outra acolá contra os vizinhos árabes, de uns 5 em 5 anos, ajuda a manter o status quo.

    Se torcer é possível, tomare que tenham outro fiasco como o de 2006.
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar