1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Invictus – Conquistando o inimigo (John Carlin)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Palazo, 4 Fev 2011.

  1. Palazo

    Palazo Mafioso Literário

    Apontar que o livro do jornalista John Carlin é uma biografia de Nelson Mandela é um equívoco, apesar de trazer muito sobre sua história desde os 27 anos preso, sua eleição a presidência e toda sua luta contra o apartheid, regime de segregação racial na África do Sul. Mas existe um ingrediente novo, a Copa do Mundo de Rúgbi de 1995 e como um evento esportivo teve papel fundamental na união de um povo devastado pelo regime racial.

    O apartheid na África do Sul foi um dos regimes raciais de características mais ofensivas, e por que não dizer absurdas, presenciada no século XX. Os privilégios da minoria branca eram explícitos não apenas na condição social, mas também através de placas que distinguiam quais bebedouros e banheiros deveriam ser usados por brancos e negros. A segregação era tão evidente, que até mesmo encontraram justificativas bíblicas para tranquilizar alguns sul-africanos brancos que temiam ter que se misturar com os negros após a morte, afirmando que na Bíblia continha a passagem: “Na casa de meu Pai há muitas moradas”.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Tataran

    Tataran Usuário

    Muito bom o livro. Daqueles que lhe faz ir direto ao youtube, após a leitura, para procurar as cenas reais da Copa do Mundo de Rugby de 1995. Pelo menos, foi o que eu fiz.
     
  3. _Paulinha

    _Paulinha Usuário

    Ótima resenha Palazo!
    Tb li esse livro e adorei. Fiquei realmente tocada com a força da liderança de Nelson Mandela - e fui comprar uma biografia dele.
     
  4. Palazo

    Palazo Mafioso Literário

    Tata, fiz a mesma coisa. Fui correndo no youtube procurar videos, vi o filme e achei um documentário da ESPN chamado "16th man" que é simplesmente fantástico, e mostra todos os personagens citados no livro... arrepia!

    To louco para ler, mas qual biografia que vc comprou?
     
  5. _Paulinha

    _Paulinha Usuário

    Palazo!
    Eu li Nelson Mandela - Uma lição de vida - Jack Lang (político francês). O livro é interessante porque além de contar a história de Mandela, ele a divide em cinco partes e tece paralelos de partes da vida de Mandela com personagens famosos da literatura e da mitologia. Eu gostei muito.

    Eu gostaria de ler Os caminhos de Mandela - Lições de Vida, Amor e Coragem - Richard Stengel - editor da Time - que ficou dois anos com Mandela ajudando-o a escrever a autobiografia (não sei qual é, mas imagino que seja: Conversas que tive Comigo) - e nesse livro acho que ele narra suas impressões sobre Mandela e amizade contruída entre eles nesses dois anos.
    Deve ser bom.
    Vc já ouviu falar?

    Beijos.
     
  6. Palazo

    Palazo Mafioso Literário

    Já tinha ouvido falar do primeiro, e o que tenho curiosidade de ler mesmo é "Conversas que tive comigo", queria saber o que ele pensa, através das proprias palavras dele...

    Mas esse ultimo parece ser ótimo, afinal o cara ficou 2 anos na convivência com Mandela, deve ser fabuloso conhecer Mandela assim, aos olhos de quem conviveu com ele...

    Duas coisas curiosas que me veem agora e eu não coloquei na resenha...

    1. Como vejo similaridades entre Luther King e Mandela, você tbm viu?

    2. Acho impressionante o começo do livro, em que o autor fala da conversa que ele teve com Mandela, ao propor a idéia do livro. O modo como ele descreve o cuidado que ele usa as palavras e a face de Mandela mudando do aspecto sério para o sorriso largo e cativante dá as caras do livro.
     

Compartilhar