1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Iniciando no RPG

Tópico em 'D&D 4ª Edição' iniciado por abuthre, 2 Abr 2015.

  1. abuthre

    abuthre Usuário

    olá galera tudo tudo bem?
    recentemente me senti muito atraído por RPG de mesa, especificamente o D&D 4 edição, porem nunca joguei antes ou tive qualquer experiência do tipo. o que eu gostaria de saber é se alguém poderia me ajudar ou dar algumas dicas, do que ler sobre o universo e coisas do tipo agradeço desde já :D

    OBS: ignore os erros de portugues
     
  2. Slicer

    Slicer Não estava vivo no Dilúvio, mas pisei na lama.

    RPG é basicamente um teatro com regras. Pode se passar em qualquer lugar do espaço-tempo e em qualquer realidade alternativa.

    Jogos que exploram mais a intimidade dos personagens tendem a ser melhores em grupos menores, já jogos em que os personagens complementam as habilidades dos companheiros são melhores em grupos maiores. O importante é que todos estejam de acordo com o tipo de jogo e tenham respeito pelos colegas.

    Fora isso, é uma questão de preferência de cenário. O D&D que tu mencionou prevê um jogo mais colaborativo, onde cada um faça o seu papel, em um cenário de fantasia medieval onde a magia é bem menos restritiva do que n'O Senhor dos Anéis. Coisas como uma artilharia de magos com bolas de fogo são plausíveis nesse cenário, e não seriam n'O Senhor dos Anéis, então não use ele como base.

    Outra coisa é que ler direto sobre cenários é algo muito abrangente. Sugiro, com o D&D, que você comece com aventuras prontas, que são vendidas em lojas que vendem livros de RPG. Elas são construídas exatamente para que você possa mestrar sem experiência no ramo. Elas são adequadas a certos níveis de personagem, e você pode chegar do nível 1 ao nível 20 em D&D só com elas.

    RPG é muito sobre ser capaz de visualizar um cenário, seus personagens e as situações. Eu sempre sofri no RPG porque eu não consigo visualizar cenas, sendo que a maior parte dos personagens nunca ganha corpo físico na minha mente. Existem exercícios de visualização, mas uma coisa que me ajudou foi assistir filmes e jogar jogos de computador ou console, e fazer pesquisa sobre como era realmente a vida medieval — que é muito distante da nossa realidade atual e, portanto, difícil de compreender sem estudo. Videogames como Baldur’s Gate e Dragon Age me deram uma noção muito boa não só da visualização do cenário, mas também da estrutura de história — não Skyrim, porque você faz tudo sozinho. O Dragon Age, especificamente, tem subquests para cada personagem que se junta ao jogador, e a maneira que você lida com isso muda o fim da história. Talvez o seu grupo não goste de criar histórias para os personagens, como um grupo meu tinha (muitos traumas de infância, então eles não gostavam de ter família ou passado), mas se eles toparem, pode dar uma profundidade muito grande à história.

    Outra coisa que eu aprendi é que grandes batalhas são chatas, demoradas e arriscam arruinar o jogo. Abismo de Helm e Campos do Pelennor não são coisas que você quer que os preciosos personagens dos jogadores participem. Se eu fosse mestrar RPG hoje, eu me concentraria em fazer missões que um grupo de 4 pessoas consiga resolver e, dependendo do sucesso delas nessas missões, o resultado de uma grande batalha seria decidido como vitória decisiva, vitória equilibrada ou empate.
     
    • Ótimo Ótimo x 1

Compartilhar