1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Indonésia anuncia que irá fuzilar brasileiro condenado por tráfico

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 22 Jun 2012.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    O governo da Indonésia decidiu que o brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, 50, condenado à morte por tráfico internacional de drogas em 2004, será executado nas próximas semanas.

    A decisão foi anunciada anteontem pelo procurador Andi Konggoasa ao "The Jakarta Post", o principal jornal em língua inglesa do país. Procurado, o Itamaraty informou que está ciente da situação e que está adotando medidas sobre o caso.

    Marco será o primeiro brasileiro a ser executado em outro país -e o primeiro ocidental a ser morto na Indonésia. O país mantém cerca de 30 estrangeiros, entre eles outro brasileiro, no corredor da morte --a maioria por tráfico.

    A execução se dá por fuzilamento. Além dele, outros dois estrangeiros morrerão, segundo o procurador. A Indonésia não executa ninguém desde 2008.

    Segundo o jornal, Marco já fez até o último pedido: uma garrafa de Chivas Label.

    O presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, que está no Brasil participando da Rio+20, recusou o último pedido de clemência feito em 2008. Foi a segunda recusa: a primeira ocorrera em 2006. Não há mais possibilidade de recursos na Justiça.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    O brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira em cela na Indonésia após ser condenado por tráfico de drogas​

    Nascido no Rio de Janeiro e instrutor de asa-delta, Marco foi preso em 2003 ao tentar entrar com 13,4 quilos de cocaína no aeroporto de Jacarta, ainda hoje uma das maiores apreensões de droga no país. A condenação veio em 2004: pena de morte.

    Segundo ele, a venda da droga serviria para pagar uma dívida contraída com um hospital em Cingapura.

    Em 1997, Marco sofreu uma queda de um parapente em Bali e teve que ser transferido para o país vizinho.

    Não conseguiu pagar todo o tratamento e era constantemente cobrado.

    Foi então que, segundo ele, viajou para o Peru para comprar a droga e tentar entrar na Indonésia para vendê-la.

    A pena de morte para tráfico de drogas foi instituída no país em 1997, a exemplo do que ocorre em outros países do Sudeste Asiático, como Tailândia, Malásia, Cingapura e Filipinas.

    ARREPENDIMENTO

    O brasileiro está preso em Nusakambangan, um complexo de prisões a 430 km de Jacarta. A Folha esteve com ele em 2010. Na época, Marco disse que estava arrependido do que fez e que sonhava em voltar ao Brasil.

    Ele não é casado nem tem filhos. A sua mãe morreu em 2010 e ele tem duas tias. Uma delas, que está mais envolvida com o caso, ficou bastante abalada. A embaixada da Indonésia ficou de enviar um pedido de desculpas a ela.

    OUTRO BRASILEIRO

    Além de Archer, outro brasileiro também está preso por tráfico de drogas na Indonésia.

    O surfista Rodrigo Gularte, 39, foi detido em 2004 portando 6 kg de cocaína e condenado à morte no país no ano seguinte.

    Ele e Archer são os únicos brasileiros condenados à execução no mundo.

    Gularte, que levava a droga em uma prancha de surf, perdeu todos os recursos possíveis na Justiça --o último, em 2011-- e sua única chance de evitar ser fuzilado é obter o perdão do presidente indonésio.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Aqui os traficantes deitam e rolam, mas em outros FELIZMENTE se ferram de verdade

    E sinceramente não tenho a minina dó desse aí. Que tivesse se informado antes a respeito das leis do lugar.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. General Artigas

    General Artigas Não tá morto quem peleia

    Vagabundo achou que todo lugar era como no Brasil se ferrou bonito. Ainda quero ver justiça sendo feita nesse lado do Atlântico.
    A embaixada da Indonésia ainda vai mandar pedido de desculpas? A família que devia pedir desculpas por não ter educado decentemente o vadio.

    "Saudade" dos tempos das degolas...
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  4. Menegroth

    Menegroth Bocó-de-Mola

    A dúvida que eu tenho é:

    As drogas, na Indonésia, são um problema social da mesma proporção do Brasil, mesmo com Pena de Morte?
     
  5. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Li que ele pediu uma garrafa de whisky como ultimo pedido em vez de uma reunião com a família.
    Cada um é cada um. Mas po, pedir whisky em vez de ver a tia é dose.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  6. Felagund

    Felagund Well-Known Member

    É até pior...

    Mais uma prova que não adianta aumentar a pena e contratar carrascos, os problemas sociais são muito maiores para serem tratados apenas com a violência do estado.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  7. Menegroth

    Menegroth Bocó-de-Mola

    Certeza que é pior? Tipo o tráfico dominando e mandando na segunda maior cidade do país?
     
  8. Felagund

    Felagund Well-Known Member

    Diferente. O tráfico pesado lá é o internacional. A Indonésia é rota tradicional de trafico mundial de drogas.
    Pelo menos dentro do que eu sei né, não pesquisei nem nada, posso estar errado, mas o que semrpe li a respeito foi isso...
     
  9. Reverendo

    Reverendo Usuário

    Eu pediria duzias de "zorbas" novas.
     

Compartilhar