1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Índios evangélicos aumentam 42% em 10 anos e já são 210 mil

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 23 Jul 2012.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    O número de índios evangélicos aumentou 42% nos últimos dez anos, segundo o Censo 2010. Eles já são 210 mil: 25% dos indígenas.

    O crescimento segue tendência geral dos brasileiros --o aumento de evangélicos foi de 61% entre 2000 e 2010 e eles já são 22% da população--, mas entre os indígenas há o impulso de grupos que levam a evangelização a áreas isoladas.

    A organização dessas missões tem aumentado, afirma Carlos Travassos, coordenador-geral do setor que monitora tribos isoladas e de recente contato na Funai (Fundação Nacional do Índio).

    O trabalho conta até com apoio de aviões, graças à Asas de Socorro, uma das 15 agências evangélicas filiadas à Associação de Missões Transculturais Brasileiras.

    Bancados por igrejas, voluntários fazem ações de ensino, assistência social e treinamento de líderes indígenas.

    A maioria dos índios evangélicos é ligada à Assembleia de Deus: 31% (64.620 pessoas). Em segundo lugar vêm os batistas, com 17% (35,5 mil). O percentual de católicos indígenas caiu de 59% para 50,5% na última década.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     
  2. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Que desperdício...
     
  3. Elessar Hyarmen

    Elessar Hyarmen Senhor de Bri

    Isso também é uma degradação ambiental.

    O cristianismo (católico ou protestante) não tem nada que se intrometer na vida dos indios. ´

    Os grupos indígenas tem que manter suas tradições, crenças, culturas e qualquer outra religião vai é desfigurar a sociedade indígena.

    Paganus, sinto muito é isso mesmo.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  4. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Não sinto nada, e irei discordar totalmente.

    "Ide e pregai o Evangelho a todos os povos".

    A missão da Igreja (qualquer que seja cristã) é anunciar o Cristo.

    O problema é quando esse anúncio vem acompanhado de ignorância e desprezo. Evangelizar sem destruir a cultura, inculturar.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  5. Elessar Hyarmen

    Elessar Hyarmen Senhor de Bri

    A maioria infelizmente não sabe fazer isso, se sabe despreza como vc citou. O problema da religião não é ela em si, mas sim o homem. Enquanto o homem não resolver seu problema nada de religião (seja católico, budismo, islamismo e etc).

    Mas por outro lado é louvável alguns trabalhos cristão em tribos indígenas, pois o que esses grupos fazem é o que o Estado Nacional deveria fazer.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  6. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Mas os índios não têm nada a ver com esse proselitismo. Eles não saem "pregando" a religião deles na cidade, porquê os cristãos têm que ir lá nas tribos?
     
  7. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Porque o paganismo não é soteriológico, não prega a salvação.

    O cristianismo sim. Anunciar o Cristo não é proselitismo, proselitismo é usar de violência na pregação, e ignorar a caridade.

    Ser missionário é DEVER de todo cristão.

    Veja eu, vivo compartilhando imagens de Liturgias e igrejas, vídeos de Liturgias e cânticos, e frases dos santos Padres e vitoriosos mártires. Isso é proselitismo? :roll: Quem não quer saber da Igreja, é só me dar unsubcribe. E não forço ninguém a ver nada. Faço isso pra divulgar a fé ortodoxa pra quem se interessar. Quem não se interessar, ignore, não estou obrigando ninguém a ver.
     
  8. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    De minha parte nada contra qualquer religião, mas eu também me coloco entre aqueles que ainda prefere que os índios mantenham a máxima integridade das suas próprias crenças.
     
  9. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Integridade de suas prórprias crenças. Lol. como se isso existisse.

    nenhuma religião é íntegra, pura. Nem o povo mais isolado do mundo tem uma religião 'pura', sem influência externa ou simbolismos similares aos das outras.

    Ninguém separa uma crença do indivíduo. Se o índio quer ser cristão, é muito mais desumano a cultura dele proibi-lo. Mas pra isso essas crenças precisam ser levadas a ele.

    Vocês falam como se isolando culturas e crenças, elas se fortalecessem. é justamente o contrário. Religiões MORREM sem estímulo externo e estímulos internos dependem disso também. Assim nascem as grandes religiões.

    Se for assim, tranquem a população ateia, cristã, muçulmana, budista, etc, em 'áreas de preservação'. Mania arrogante que o ocidental tem de achar que tem 'missão' de proteger os índios indefesos e coitados do mundo que eles mesmos criaram ao destruir sua cultura no passado. É um remorso paternalista.
     
    Última edição: 23 Jul 2012
    • Ótimo Ótimo x 1
  10. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Existe, FELIZMENTE nas pouquíssimas aldeias que ainda não tiveram contato com o homem branco na Amazônia em regiões de dificilimo acesso.
     
  11. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Não, Fúria, isso não existe em NENHUM povo, em NENHUM lugar, e e NENHUMA época.
     
  12. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Eu não sou contra eles (fica esquisito no plural como se não fossem indivíduos) serem o que quiserem, mas contra o proselitismo (sim proselitismo: O proselitismo é o intento, zelo, diligência, empenho ativista de converter uma ou várias pessoas a uma determinada causa, idéia ou religião (proselitismo religioso). fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ), mas sou contra irem lá nas tribos, sem nenhuma proteção da FUNAI aos índios, se eles quiserem ser católicos, evangélicos ou o que for eles vão na cidade, mas esses missionários irem nas aldeias é o fim.
     
  13. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Por mais de três meses, equipe da Funai vai procurando vestígios de novos grupos

    Leonêncio Nossa escreve para 'O Estado de SP':

    Encontrar vestígios de índios ainda desconhecidos pela ciência é o objetivo de uma expedição integrada por 35 homens da Fundação Nacional do Índio (Funai), que começou sexta-feira passada, no Vale do Javari, Amazônia Ocidental, perto da fronteira com o Peru e a Colômbia.

    Com previsão de permanecer 105 dias na selva, a equipe de sertanistas e mateiros coletará informações sobre a dimensão das terras habitadas por povos isolados, ameaçados pela aproximação de madeireiros, pescadores e garimpeiros.

    É a primeira vez, nos últimos 18 anos, que sertanistas passarão mais de três meses na Amazônia para conhecer hábitos e costumes de índios desconhecidos.

    Único país a ter habitantes ainda sem contato com a civilização, o Brasil apresenta 53 lugares onde há registros de presença de tribos desconhecidas, sendo 38 na Amazônia.

    Em 2001, funcionários da Funai passaram 51 dias no Vale do Javari, coletando dados sobre seis grupos de índios isolados da região, onde também vivem 11 povos já conhecidos pelos cientistas. Desta vez, os sertanistas não pretendem fazer contatos. A estratégia é garantir o afastamento desses povos de exploradores. 'Índio bom é índio bravo', afirma o diretor do Depto. de Índios Isolados da Funai, Sidney Possuelo.

    Desde os anos 90, a Funai tenta bloquear a entrada de madeireiros na Reserva Indígena do Vale do Javari. A área de 85 mil quilômetros quadrados foi um dos maiores centros de extrativismo ilegal do país até 1996, quando foi transformada em reserva pelo governo federal. A região está entre as mais cobiçadas da Amazônia, por ser rica em madeiras nobres, como cedro e mogno.

    Caceteiros e flecheiros - Os índios mais temidos do vale são os korubos, que falam a língua pano e tinham população estimada em 250 pessoas, em 2000, segundo a enciclopédia Povos Indígenas no Brasil, do Instituto Socioambiental (ISA). Alguns dos korubos também são conhecidos por 'caceteiros'.

    Em 1996, mataram com bordunas (cacetes de madeira) o funcionário da Funai Raimundo Magalhães. Foi o oitavo funcionário do governo a ser morto pelos índios desde os anos 70.

    Outros korubos são ainda chamados de 'flecheiros'. A relação dos korubos com não-índios sempre foi de choques e conflitos. Em 1975, pistoleiros e madeireiros da região invadiram uma de suas aldeias, deixando vários mortos.

    Pelos cálculos iniciais da Funai, a expedição comandada pelo sertanista Sidney Possuelo deverá percorrer 3 mil quilômetros do Vale do Javari. O ponto de partida é Tabatinga, cidade do Amazonas localizada nas margens do rio Solimões, na fronteira com a Colômbia, que está na rota do tráfico de drogas. Parte do trajeto será feito a pé. Também serão usados barcos e canoas construídas durante o percurso. A reportagem da Agência Estado deverá acompanhar os sertanistas durante toda a expedição.

    A expedição -

    Sertanista: Sidney Possuelo.

    Indigenistas: Paulo Welker Pilotos, Adelson Pereira, Pedro Lima, Danilo Rodrigues e Raimundo Lima.

    Cozinheiros: Mauro Gomes e Paulo Souza.

    Mateiros não índios: Valdeci de Souza Rios (soldado), Orlando de Moraes, José Francisco, Amarildo de Oliveira, Francisco Bezerra e Odair Rios.

    Mateiros e interpretes índios: Machupa Matis, Alcino Marubo, Ivan Uaça (Matis), Damá Matis, Ivan Arapá (Matis), Tiemá Matis, Tepi Matis, Audelino Marubo, Kuimin Matis, Kuimin Montac (Matis), Kuimin Chumarapá (matis), Maká Matis, Mená Matis e Tiemin Maká (Matis). (Agência Estado)
    (O Estado de SP, 10/6)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  14. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Cara, isso não faz o menor sentido! Como que tribos isoladas vão à cidade? Como vão conhecer o Cristo sem ter quem o pregue? Procurar no google??? :wall:

    Pregação é diferente de proselitismo, pelo amor.
     
  15. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Agora vi o post completo seu porque no email chegou só a primeira frase e ficou melhor explicado.

    Mas uma crença baseada apenas em adoração a aos elementos da natureza (ar, fogo, água, árvores, etc) na sua visão não é uma crença pura?
     
  16. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Esse deve ter sido muito zuado pelos amigos.

    Os índios são muito fãs de Mussum, né? Eu sei que não é o nome deles, mas o da tribo.
     
    • LOL LOL x 1
  17. Tar-Mairon

    Tar-Mairon DARK LORD AND LOVING DAD

    .

    Esperem aí, os índios não são cidadãos brasileiros plenos? Até onde eu sei, tendo em mente a liberdade religiosa garantida pela Constituição Federal, ele têm o direito de seguir a religião que quiserem, não é mesmo?

    .
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  18. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Isso não existe. As crenças nunca são pura. Internamente nasceram de deduções e abstrações cosmológicas e foram seguindo um caminho de estagnação ou de organização e estruturamento, teologização e ontologicismo cada vez mais racional ou mais místico, ou ambos.

    E externamente, as tribos se influenciam umas às outras, os impérios aos conquistados, os conquistados ao império, nações por nações, povos por povos e o sentido profundo dos simbolos religiosos são meras linguagens de realidades primordiais e eternas, comum a todos os povos e épocas.

    Não importa se é Apolo, Febo, Frey, Osíris, Cristo, Mitra, etc, estamos sempre falando do Sol. Vida, liberdade, salvação.
     
  19. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Sim povos subjugam outros ao longo dos tempos e eu concordo, mas pra ficar mais claro, pois acho que faltou da minha parte explicar melhor, porque eu estava me focando apenas uma característica que pode acontecer num grupos isolado desconhecido. Se um determinado grupo não nômade se estabelece num lugar e fica ali isolado durante centenas de anos e não se interage culturamente com absolutamente mais niguém a tendência normal é ele manter entre seus habitantes suas tradições culturais estagnadas. Eu quis me referir a "pureza" e "integridade" nesse contexto.

    E desculpe a outra resposta totalmente vaga, pois eu geralmente sempre respondo quando chega o email dos tópicos que subscrevo, mas daquela vez veio incompleta na mensagem anterior e respondi apenas em cima da primeira frase.
     
  20. General Artigas

    General Artigas Não tá morto quem peleia

    O velho hábito europeu de bestializar os indígenas. Certas coisas nunca mudam.

    Essa conversa hipócrita de que os índios precisam ser mantidos no meio do mato é conversa pra boi dormir. O índio sofre muito mais preconceito que qualquer negro no Brasil.

    Se as missões evangélicas além da fé cristã levarem uma ponte pro índio virar um cidadão e não um bicho de zoológico, estão com mais do que razão.

    Quando os índios conseguiram ter uma sociedade mais ou menos próspera vieram portugueses e espanhóis e passaram fogo nas vilas, roubaram o gado e mandaram todo mundo pra puta que pariu.

    E mais, os missionários não estão forçando ninguém a se converter. Os índios estão aceitando porque querem, então que se foda essa história de "mas e a religião deles? eles precisam manter as crenças". Faça-me o favor...
     
    • Gostei! Gostei! x 4

Compartilhar