1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Discussão Impostos para Games no Brasil

Tópico em 'Jogos Eletrônicos' iniciado por Turgon, 27 Out 2013.

  1. Turgon

    Turgon 孫 悟空

    Acredito que esse é o assunto do momento aqui no Brasil para o mundo gamer em geral. Os impostos para video-games aqui no Brasil são muito elevados, tornando-se cada vez menos inviável comprar um console da próxima geração por aqui.

    Exemplos disso estão no preço do PS4 que chegou por aqui por R$ 4.000,00 e do preço do Xbox que está por R$ 2.300,00 pós pré-venda. Sem contar o novo console da Nintendo que irá se chamar Wii U, que já declarou que os impostos vão atrapalhar a vinda de seu console para cá.

    Os consoles não são os únicos afetados por conta disso, mas os jogos também sofrem disso. Os jogos novos, hoje em dia, estão praticamente tudo custando em torno de R$ 150,00 à R$ 200,00, enquanto nos USA, por exemplo, a média de preço por lá é de 30 dólares a no máximo 50 dólares.

    Tendo tudo isso em vista, me bate a pergunta. Qual a vantagem do país ter impostos tão grande para os video-games? No que o Brasil ganha com isso? Pois esses consoles vão ser comprados por brasileiros de qualquer forma, na maioria sendo importados e esses empresas vão lucrar com isso, mas o Brasil não. Será que já não está mais do que na hora de repensar nisso? Principalmente para diminuir a pirataria no mercado brasileiro, principal reclamação das empresas de vide-games.
     
  2. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    Dois pontos que ajudam a explicar os altos impostos:

    - Como jogos são bens considerados supérfluos, ou "de luxo", já possuem naturalmente taxação mais alta. São bens demandados em geral por pessoas com renda mais elevada / acima da média, que têm capacidade de pagar mais impostos.
    - O game é importado? Então o imposto alto pode servir de estímulo para a empresa passar a fabricá-lo por aqui e assim poder fornecê-lo por um preço mais baixo.
     
  3. Ranza

    Ranza Macaco

    Ai é que tá, eu discordo da visão do governo que imposto alto de importação incentive alguem a vir produzir aqui.
    Pois o imposto (fora as complicações) para se criar uma empresa no Brasil e começar a produzir aqui são elevados também.

    Outra coisa, supérfulo ou não, é um mercado forte e em expansão, incentivar o consumo disso seria melhor do que sobretaxar.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  4. Turgon

    Turgon 孫 悟空

    Segundo a Microsoft, em conferência na BGS, eles vão produzir o console e os jogos aqui no Brasil. Só corrobora com o argumento que o console Xbox One e seus jogos estão bem caro! Nesse caso os impostos não vão atuar.

    O Brasil é tido como o quarto maior mercado de games no mundo, mesmo com todas essas dificuldades que encontramos por aqui. Não é um mercado para se jogar fora. Não dá para entender como o Brasil não aproveita disso, abaixa esses impostos e começa a investir um pouco nesse mercado, pois renderia sim muitos frutos. Daria para faturar bem se as coisas fossem certinhas e até diminuiria em muito a pirataria por aqui.

    Governantes velhos no poder é nisso que dá!

    Uma coisa que eu fiquei puto foi com a nossa querida Marta Suplicy dando uma entrevista sobre esse novo "Cartão Cultura" que será em parceria com as empresas. Não sei ao certo como funciona, mas parece que você recebe 50 reais ao mês para gastar com algo relacionado a cultura como livros, cinemas, entre outras coisas. Assim alguém questionou ela se o cartão seria válido para video-games e ela me responde que games não é cultura!? São pessoas assim que estão dificultando mais e mais o mercado e incentivando o meio ilegal ou também conhecido como "jeitinho brasileiro".
     
  5. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Se fosse fácil produzir um console aqui, então o argumento dos impostos até teria alguma validade. Só que temos que lembrar que as empresas sempre pedem algum tipo de isenção fiscal (tanto é que os estados brigam entre si para ver qual vai oferecer o melhor benefício), de modo que faz sentido o que @Ranza diz. Na prática a empresa compara (1) não produzir localmente e vender menos com (2) produzir localmente e vender mais. Quanto maior for a dificuldade para produzir localmente, menos a empresa conseguirá lucrar com o maior mercado.

    Sobre ser supérfluo, também acho um argumento questionável, já que console não é coisa de rico faz muito tempo.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    . :zzz:
     
  6. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    Só lembrando que os pontos que eu coloquei explicam a visão do governo sobre a questão - com a qual eu não concordo. Só pra deixar bem claro, pq tem gente que pode não ter entendido :lol:
     
  7. Belle Vox

    Belle Vox Thranduil Oropherion: Badass !!

    Governantes velhos no poder...quer o que? Black Block pra presidente?:lol: Foi uma brincadeira, desculpe. Na verdade, todos sabemos que seria uma área boa para investimentos e traria benefícios, mas é preciso lembrar que as empresas tem que se prontificar, como a Microsoft. Essas empresas são, na maioria, americanas, com algumas européias, que resistem muito em abraçar mercados sulamericanos, por mais promissores que pareçam. Preconceito? Sim, eu acho que sim, mas tambem acho que se alguem inicia, como a Microsoft está fazendo, a possibilidade de outras virem atras é grande. Essa coisa de impostos altos e importação, tende a ir diminuindo e se esgotar, com certeza.
     
  8. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Ah, @Fëanor, tu é vermelho no nick, no avatar e na assinatura. :g:

    @Belle Vox: Empresas não veem latinos, asiáticos, africanos e etc. Empresas veem consumidores e lucro. Então, se uma empresa não se instala aqui, é pq fez as contas e chegou a conclusão de que o investimento não se paga.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
    • LOL LOL x 1
  9. Elring

    Elring Depending on what you said, I might kick your ass!

    Só que o problema com as alta carga de tributos não afeta só a área de games e informática, todos os meses sai alguma resenha, estudo ou levantamentos que apontam as razões da baixa competitividade do mercado brasileiro: muita burocracia, serviço público viciado e arcaico e impostos em cascata, incluindo aqueles que deveriam ter um caráter provisório e continuam por aí.

    Abrir um negócio no Brasil é caro, demorado e que depende de muita sorte e alguma visão além do alcance de mercado para dar certo. Claro que chega a exasperar o caboclo quando se olha o quanto se paga por um console ou game lá fora e aqui. E, sendo bem pessimista, pouco ou nada vai mudar na política em relação a reforma tributária, mesmo em época de eleições.
     
  10. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Pra quem não era nascido ou não tem lembrança nenhuma nos anos 80, houve uma época aqui no Brasil da chamada Reserva de Mercado que resultou na lei 7232/84 a primeira de informática do Brasil que visava fomentar a produção nacional. Quem quiser pesquisar mais sinta-se a vontade.

    Durante o tempo que ela ficou em vigor o Brasil passou a produzir computadores e consoles próprios com um custo até que razoavelmente acessível e saudosamente lembro do meu pai ter adquirido em 84 meu primeiro micro (TK-2000) que ao mesmo tempo também foi meu primeiro console de jogos. Não tenho a menor idéia quanto ele pagou na época, mas proporcionalmente não era tão caro adquirir um equipamento top daqueles tempos.

    Mas a lei só funcionou bem até um certo ponto, pois as empresas daqui apenas copiavam o que vinha de fora e a pirataria começou a ganhar força chegando a travar a economia brasileira. Depois de 7 anos em vigor foi revogada em 1991 no governo Collor.
     
    Última edição: 8 Nov 2013

Compartilhar